Homem foi esquartejado vivo em Caxias do Sul, diz Ministério Público - Polícia - Pioneiro

Investigação21/09/2017 | 18h43Atualizada em 21/09/2017 | 21h32

Homem foi esquartejado vivo em Caxias do Sul, diz Ministério Público

Pedaços do corpo de Luciano Vargas da Silva foram descartados num contêiner da Rua Sinimbu em agosto

Homem foi esquartejado vivo em Caxias do Sul, diz Ministério Público Porthus Junior  / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

A denúncia do Ministério Público (MP) trouxe à tona um detalhe brutal do assassinato de Luciano Vargas da Silva, 45 anos. Segundo o documento assinado pela promotora Sílvia Regina Becker Pinto, a vítima foi esquartejada enquanto ainda estava viva.

O açougueiro João Carlos da Rosa Gomes, 63 anos, a mulher dele, Alminda Braga Corrêa, 54, e um amigo do casal, Mirto Gritti, 52 anos, foram denunciados como autores do assassinato e do esquartejamento. O  crime ocorreu na manhã de 1º de agosto na Rua José Corte, no bairro Desvio Rizzo, em Caxias do Sul. 

Leia mais
Polícia Civil prende mais uma pessoa por possível envolvimento em esquartejamento em Caxias
Polícia Civil prende, em Santa Catarina, dois investigados por esquartejamento em Caxias do Sul
Assassino teria usado celular de esquartejado para despistar amigos e familiares
Polícia acha duas filhas de homem que teve o corpo esquartejado em Caxias 

Conforme a denúncia, Gomes e Silva estavam discutindo. Silva era ex-genro do açougueiro. Mirto, que era vizinho do casal, presenciou a cena e golpeou Silva duas vezes na cabeça com um pedaço de pau. Antes de cair no chão, Silva foi apunhalado no peito com uma faca. O açougueiro usou uma motosserra para desmembrar a vítima.

O santa-mariense Luciano Vargas Silva, 45 anos, conhecido como Pig, foi identificado após exames de DNA nas partes do corpo encontradas no lixo.Foto: Reprodução

Segundo a promotora, Silva teria sido morto porque ameaçava delatar o açougueiro e a mulher dele, que estavam com a prisão preventiva decretada por crimes de estelionato. Um dia depois do assassinato, o casal colocou alguns pedaços do corpo da vítima em sacolas de plástico. Partes do corpo foram achadas num contêiner de lixo na Rua Sinimbu, na área central de Caxias do Sul. Mirto está atualmente recolhido num presídio de Caxias do Sul. Já o casal foi levado para Carazinho, no Norte do Estado, em decorrência de condenações pela prática de estelionato.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros