Começa o segundo júri de Eduardo Farenzena em Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Crime de repercussão22/09/2017 | 10h36Atualizada em 22/09/2017 | 11h08

Começa o segundo júri de Eduardo Farenzena em Caxias do Sul

O réu cumpre pena pela morte da Miss Itália Nel Mondo e está em julgamento pela morte do padrasto

Começa o segundo júri de Eduardo Farenzena em Caxias do Sul Suelen Mapelli / Gaúcha Serra/Gaúcha Serra
Foto: Suelen Mapelli / Gaúcha Serra / Gaúcha Serra

O Tribunal do Júri de Caxias do Sul está lotado para o o julgamento de Eduardo Farenzena, 31 anos, pela morte do padrasto dele, Ivandir da Silva Mairesse, 33. A sessão começou pouco antes das 10h desta sexta-feira. A maioria dos presentes são estudantes de Direito. O depoimento do réu deve ocorrer no início da tarde. Seis testemunhas estão previstas para falar.

A mãe de Farenzena, e esposa de Mairesse,  Rosmarina Silveira de Oliveira, que responde por falsidade ideológica no mesmo processo — ela registrou o desaparecimento do companheiro no dia seguinte ao crime —, não está presente no julgamento.

O julgamento acontece quase três anos depois de Farenzena ser condenado pela morte da ex-namorada dele, Caren Brum Paim, 22. Caren foi assassinada em 30 de novembro de 2010. Na época, o crime teve bastante repercussão porque a jovem era a representante de Caxias do Sul no concurso Miss Itália Nel Mondo.

Leia mais
Eduardo Farenzena volta ao banco dos réus em Caxias do Sul
Assassino de miss confessa ter matado padrasto em Caxias do Sul
Relembre o caso de Caren Brum Paim, morta por Eduardo Farenzena no final de 2010
Autor confesso de morte de miss em Caxias, Farenzena chegou a ser internado em instituto psiquiátrico  

Menos de um ano depois da morte de Caren, Farenzena foi acusado da morte do padrasto dele, Ivandir da Silva Mairesse, 33. De acordo com a sentença de pronúncia, na madrugada de 13 de setembro de 2011, Farenzana e o padrasto estavam em casa, no bairro De Zorzi, quando começaram uma discussão e ele esfaqueou o padrasto. O corpo de Mairesse foi jogado em um matagal na localidade de São Vigílio da 6ª Légua.

Na morte de Caren, Rosmarina respondeu por ocultação de cadáver e foi condenada a prestar um ano de serviços comunitários. Farenzena permanece recolhido na Penitenciária Estadual, no Apanhador, desde 2011.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros