"Queremos que o Estado dê prosseguimento, mas assumindo tudo", diz secretário - Polícia - Pioneiro

Policiamento comunitário23/08/2017 | 08h00Atualizada em 23/08/2017 | 08h00

 "Queremos que o Estado dê prosseguimento, mas assumindo tudo", diz secretário

Secretário Mallmann ressalta necessidade da prefeitura investir na Guarda Municipal

 "Queremos que o Estado dê prosseguimento, mas assumindo tudo", diz secretário Roni Rigon/Agencia RBS
Secretário municipal de Segurança Pública, José Francisco Mallmann Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

A prefeitura de Caxias do Sul voltou atrás e afirma que vai manter o pagamento do auxílio-moradia aos brigadianos caso o "Estado não tenha condições de cumprir sua obrigação". No entanto, ainda há incertezas sobre a forma como o policiamento comunitário continuará funcionando na cidade. Para custear o auxílio, a prefeitura também fez uma contraproposta, que envolve relatórios de produtividade e prestação de contas mais frequente, entre outros itens. A Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) ainda não se manifestou oficialmente sobre a proposta.

Leia mais
PMs comunitários de Caxias do Sul podem não mais morar em suas comunidades de atuação
Prefeitura afirma que vai manter policiamento comunitário caso Estado não assuma programa
Convênio para ter policiais nos bairros de Caxias do Sul não deve ser renovado

Pioneiro: O que são estas alterações propostas no convênio do policiamento comunitário?
Secretário José Francisco Mallmann:
Caso o Estado não tenha condições (de assumir o auxílio-moradia), serão as regras de controle e fiscalização que vamos colocar, o que, até então, não existia. São questões plausíveis. Esta é uma verba do município disponibilizada ao estado. Tenho de saber se está sendo bem empregada porque posso ser responsabilizado por improbidade administrativa. São dados que a BM irá nos informar. Estamos na expectativa que o Estado assuma (o auxílio-moradia) e, este dinheiro, possa ser investido na Guarda Municipal. Com todo este recurso, em pouco tempo teremos uma guarda bem empregada e com efetivo.

É um convênio, mas o município não quer mais oferecer a contrapartida?
Não queremos dar este auxílio-moradia. É possível (que o convênio continue sem o repasse do município). Tanto que vai ser marcada uma agenda com o secretário de Segurança Pública (Cézar Schirmer). Nada impede que o Estado continue o policiamento comunitário.

Se não forem aceitas as exigências, o policiamento comunitário no formato atual pode acabar?
Neste caso, teremos de nos reunir com a governança e estabelecer qual será a decisão. Mas o secretário adjunto (estadual, Coronel Everton Oltramari) foi muito claro em dizer que este é um programa do Estado. Deixou muito claro que, se por acaso o município não queira mais, eles vão manter. Certamente irão dar um "plus" para aqueles policiais comunitários. Eu acredito nisso.

Leia mais
¿O programa é da BM e do Estado e continuará existindo¿, garante comandante-geral

É uma possibilidade o policiamento comunitário continuar sem a obrigação dos PMs morarem nos bairros do seu núcleo?
Não acredito nisso. O Estado pode adotar outros mecanismos. É uma questão de gestão. Na reunião com o secretário (Schirmer), irei afirmar que o município, devido a sua situação financeira, quer que o Estado dê prosseguimento ao policiamento comunitário, mas assumindo tudo. O município tem que investir na sua Guarda. Caxias do Sul tem o segundo PIB gaúcho e tem que ter uma Guarda Municipal a altura. É o plano de dobrar o efetivo em seis anos?Será uma outra Guarda, totalmente diferente da atual. Um guarda municipal é do município e não sai do município. Diferentemente da BM, em que um policial pode ser deslocado do bairro para atender situações de emergência em cidades próximas. Eles também podem ir para a Operação Golfinho ou compor a Força Nacional de Segurança Público. Já o guarda municipal fica dentro do município. Ele mora e permanece, a sociedade conhece ele.

Um guarda municipal terá o mesmo papel que um policial militar, então?
Não. A BM faz sua parte e está na Constituição. É um policiamento ostensivo e preventivo. A guarda tem suas atribuições e competências estabelecidos pela Lei 13.022. Mas o artigo 301 do Código de Processo Penal é muito claro: qualquer do povo pode e as autoridades policiais devem prender quem está em flagrante delito. Se qualquer do povo pode, muito mais um agente público. Se um guarda municipal estiver frente a um flagrante delito, ele vai prender aquela pessoa e encaminhar para a autoridade policial como faz um brigadiano. A Guarda Municipal pode fazer a prevenção primária da criminalidade. E é o que estamos fazendo. A Operação Largo da Estação é uma força-tarefa em que a BM está incluída, mas há muito tempo não participa. A Guarda Municipal está sozinha e está mantendo a lei e a ordem. Nunca mais deu problema lá.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros