Aumento de dependentes em Caxias do Sul prova que política de combate a droga é insuficiente - Polícia - Pioneiro

Consumo e tráfico05/07/2017 | 08h05Atualizada em 07/07/2017 | 15h49

Aumento de dependentes em Caxias do Sul prova que política de combate a droga é insuficiente

O grande questionamento é como evitar que as pessoas sejam atraídas ao vício

Aumento de dependentes em Caxias do Sul prova que política de combate a droga é insuficiente Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Número de dependentes químicos aumentou mais de 70% em cinco anos Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Nos cinco primeiros meses de 2017, Caxias do Sul registrou 434 novos prontuários de pessoas que buscaram tratamento pelo SUS para tratar o vício em drogas. Em todo o ano passado, foram 800 novos casos. Neste ritmo, o número de dependentes químicos aumentou mais de 70% em cinco anos. Em 2012, eram 7,6 mil cadastrados e, em junho de 2017, são 13,1 mil prontuários ativos, conforme dados da Secretaria Municipal da Saúde.

Leia mais
Quase invisíveis, cracolândias persistem e geram insegurança em Caxias do Sul
Líderes comunitários cobram ação decisiva da prefeitura contra cracolândias em Caxias do Sul

Os números deixam claro que a atual política de enfrentamento às drogas é insuficiente. Se o consumo cresce, mais traficantes surgem, o que acirra as disputas pelos pontos de venda, resultando em mortes e violência por toda a cidade. O grande questionamento é como evitar que as pessoas sejam atraídas para o vício.

— É a questão mais importante. Com o passar do tempo está aumentando o número (de usuários), não estamos conseguindo atingir esse público. Por isso estamos pedindo ajuda para todos, principalmente às famílias e escolas. É uma parceria que todos temos que dar as mãos. Está muito fácil conseguir encontrar a droga hoje em dia, tem a cada esquina. São drogas baratas e muito prejudiciais. Uma vez que inicia, principalmente o crack, é muito difícil reverter — aponta Vanice Fontanella, diretora da Política de Saúde Mental no município.

Apesar da gravidade e diversidade dos problemas, a prefeitura não conta uma ação conjunta de combate às drogas entre as secretarias. O secretário de Segurança Pública, José Francisco Mallmann, espera que descentralização da Guarda Municipal seja um avanço para identificar problemas e oferecimento de serviços que possam resgatar os dependentes químicos e amenizar os conflitos nas comunidades.

— De certa forma está ocorrendo (o trabalho). A prefeitura está atuando com os mecanismos que dispõe. Só que é um problema social e não adianta apenas levar para a delegacia. Temos que atuar, chegar nestes bairros que sabidamente têm problemas com o tráfico e identificar os pontos de drogas. Faz parte do planejamento da Guarda Municipal de atuar nos bairros, o que começará ainda neste segundo semestre — promete Mallmann.

Além dos centros de atendimentos psicossociais (Caps), que recebem e oferecem tratamento usuários de drogas, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) atua com o Consultório de Rua. A equipe vai até os homens e mulheres que vivem na rua para oferecer apoio e orientação.

— A equipe de enfermeiros vai até estas áreas de vulnerabilidade, onde cinco ou mais usuários consomem drogas, e busca perceber o que eles precisam. Eles levam água potável, preservativos e buscam estabelecer um vínculo. Esta relação de confiança pode, futuramente, conseguir um tratamento — explica a diretora.

O Consultório de Rua atua em cinco pontos conhecidos na área central, a maioria a céu aberto. Como as visitas são semanais, os usuários já aguardam pelo atendimento nos locais e levam outros pessoas na mesma situação para receber orientação.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros