Juízes relatam domínio de presos no Apanhador e sugerem interdição de casas prisionais de Caxias do Sul - Polícia - Pioneiro

Caos penitenciário11/04/2017 | 05h00Atualizada em 11/04/2017 | 11h24

Juízes relatam domínio de presos no Apanhador e sugerem interdição de casas prisionais de Caxias do Sul

Representantes do Tribunal de Justiça também alertaram para a superlotação na antiga Pics

Juízes relatam domínio de presos no Apanhador e sugerem interdição de casas prisionais de Caxias do Sul Sidinei José Brzuska/TJ-RS
Situação do Apanhador foi comparada ao Presídio Central, exemplo da falência do sistema prisional gaúcho Foto: Sidinei José Brzuska / TJ-RS

Para evitar o caos no sistema penitenciário de Caxias do Sul, uma comissão de juízes recomendou a interdição das duas cadeias que abrigam mais de mil apenados do regime fechado. No Presídio Regional de Caxias do Sul, antiga Penitenciária Industrial (Pics), o problema é a superlotação — a ocupação está 153% acima da capacidade. Projetadas para quatro detentos, algumas celas abrigam 16 presos.

Na Penitenciária Estadual de Caxias do Sul, no Apanhador, os magistrados denunciam as precárias condições de segurança: as galerias estão sob domínio dos presos e a administração não tem controle sobre as celas ou acesso aos pátios. A situação do Apanhador foi comparada ao Presídio Central, de Porto Alegre, exemplo da falência do sistema prisional gaúcho.

Leia mais
Servidores denunciam que detentos controlam Penitenciária Industrial de Caxias do Sul
Policial relata o que vê de cima dos muros da Penitenciária Industrial de Caxias do Sul

"Pago para evitar agressões a meu filho", afirma mãe de detento da Pics

A inspeção foi um pedido da juíza Milene Fróes Rodrigues Dal Bó. A titular da Vara de Execuções Criminais (VEC) desejava uma segunda opinião sobre as duas cadeias. A decisão sobre a possível interdição será conhecida hoje. Em interdições de anos anteriores, a Pics, por exemplo, deixava de receber novos presos. A inspeção foi realizada pelo Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, representado pelos juízes Paulo Augusto Oliveira Irion, Sidinei José Brzuska e Sonáli da Cruz Zluhan, que já foi a titular da VEC de Caxias do Sul. Os três magistrados atuam na Região Metropolitana.

— A Pics funciona como uma unidade do interior, está cuidada, oferece estudo e trabalho, e os agentes têm acesso a todas as partes. O Apanhador já é um presídio faccionado, igual na Capital. É uma facção dominando o lugar — aponta o juiz Brzuska.

O caos no Apanhador é provocado pela falta de agentes penitenciários e devido ao modelo de galeria aberta: diferentemente da Pics, as celas não são trancadas e os detentos têm a circulação liberada no pavilhão e no pátio externo.

— A unidade não funciona do jeito que foi projetada. Como funciona? Entregue para os presos. Quem dá as ordens, a partir das grades (da galeria), são os presos. O detento só sai se quiser. Para entrar lá dentro só chamando o Batalhão de Choque (da Brigada Militar) — acrescenta o juiz Irion.

Procurada pela reportagem, a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) afirma que aguarda os resultados e não se manifestará antes de receber um documento oficial. A Susepe ressalta que as inspeções são frequentes e os magistrados cumprem o seu papel. Em agosto, a VEC interditou o albergue do regime semiaberto por questões estruturais, problemas que ainda não foram solucionados. Hoje, os detentos cumprem prisão domiciliar.

PRESÍDIO REGIONAL (ANTIGA PICS)
:: Lotação: a capacidade de engenharia, para detentos masculinos, é de 226 presos. Atualmente, o presídio abriga 572 apenados. Cada cela tem capacidade para quatro pessoas, mas algumas chegam a receber até 17 apenados. Resultado: os presos acomodam-se no chão, embaixo das camas e sobre estrados erguidos acima do vaso sanitário.

Cada cela tem capacidade para quatro pessoas, mas algumas chegam a receber até 17 apenados. Foto: Sidinei José Brzuska / TJ-RS

:: Estrutura e organização: unidade tem boas condições de higiene, com corredores limpos e sem acúmulo de lixo, a cozinha principal está em bom estado de conservação e limpeza. Há condições razoáveis de trabalho e estudo.

:: Controle dos presos: magistrados também confirmam que os servidores penitenciários têm acesso a todos os setores da unidade, isto porque os detentos ficam aprisionados nas celas, sem livre circulação, respeitando os funcionários, revelando que o estabelecimento prisional é gerido em conformidade com o projeto original.

:: Segurança: não é mencionada.

PARECER
Os juízes recomendam que seja estabelecido um teto máximo de presos nas celas para assegurar que a administração penitenciária continue com o controle do local, permitindo que a unidade controle os presos condenados e provisórios.

PENITENCIÁRIA ESTADUAL, NO APANHADOR
:: Lotação:
está acima da capacidade. Tem espaço para 472 presos, mas abriga 537 apenados, o que não é considerado um grande problema.

Os agentes penitenciários não têm acesso às galerias coletivas, que estão sob o controle dos apenados Foto: Sidinei José Brzuska / TJ-RS

:: Estrutura e organização: apesar de ter uma construção mais moderna (a obra foi inaugurada em 2008), o complexo está em más condições. Tem até estacas de madeira sustentando o teto em diversos pontos. O esgoto corre a céu aberto e exala forte odor.

:: Controle dos presos: os presos não ficam acondicionados em celas e circulam sem restrição pelas galerias e pátios. Os agentes penitenciários não têm acesso às galerias coletivas, que estão sob o controle dos apenados. Os detentos são retirados das galerias apenas se concordarem. Eles também não estão habituados a presença das autoridades nas galerias. Os servidores penitenciários, por exemplo, não acompanharam os juízes na vistoria das galerias.

:: Segurança: não há servidores penitenciários em quantidade compatível com o número de presos e a guarda externa é deficitária, fatores que representam um risco para a segurança. A situação tem um agravante: a penitenciária está a cerca de 35 quilômetros do centro de Caxias do Sul, dificultando qualquer tipo de reforço de policiais e agentes numa situação de crise.

PARECER
Os juízes salientam que a cadeia deve operar de acordo com a sua capacidade de engenharia, tendo em vista as precárias condições de segurança. Eles também sugerem a expedição de um ofício ao secretário estadual de Segurança, Cezar Schirmer, para que tome providências para aumentar o efetivo de agentes penitenciários e policiais militares.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros