Bandidos usam munição que derruba avião para explodir carro-forte - Polícia - Pioneiro

Ação ousada13/03/2017 | 17h11Atualizada em 14/03/2017 | 03h22

Bandidos usam munição que derruba avião para explodir carro-forte

Ladrões teriam atravessado um caminhão na rodovia e incendiado três automóveis que passavam no local

Bandidos usam munição que derruba avião para explodir carro-forte Ismael Sartor/Rádio Fátima
Houve troca de tiros e explosivos foram utilizados pelos criminosos Foto: Ismael Sartor / Rádio Fátima
Pioneiro
Pioneiro

Um carro-forte foi atacado por criminosos na BR-116, em Vacaria, na tarde desta segunda-feira. Informações da polícia apontam que os bandidos surpreenderam o motorista em uma ação ousada no km 54, próximo ao acesso ao município de Campestre da Serra. As buscas prosseguem pela região e não há suspeitos identificados.

O veículo atacado é da Brinks, e um funcionário da empresa ficou ferido sem gravidade. Os ladrões teriam atravessado um caminhão na rodovia e incendiado três automóveis que passavam no local. Na sequência, fugiram em direção a Antônio Prado pela ERS-122. O trecho da BR-116 onde ocorreu o ataque foi liberado no fim da noite desta segunda-feira, após o trabalho da perícia.

Leia mais:
Medo de multa pode ter provocado fuga que resultou em acidente com mortes 
Schirmer confirma pedido formal para Exército ir às ruas em Caxias
Duas pessoas ficam feridas em acidente em Carlos Barbosa

De acordo com a BM, três ou quatro bandidos chegaram ao local em um carro escuro, por volta das 16h30min, e bloquearem a rodovia federal. O carro-forte seguia em direção a Campestre da Serra. Houve troca de tiros e explosivos foram utilizados. 

— Chamou a atenção o forte armamento do grupo. Eles utilizaram munição para armamento .50, capaz de derrubar até avião — salienta o delegado regional Carlos Alberto Defaveri.

Um Vectra bordô foi encontrado abandonado na estrada velha de Antônio Prado, próximo ao km 165. A situação do automóvel ainda será verificada. Uma equipe do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) se deslocou de Porto Alegre para a Serra para acompanhar o trabalho da Polícia Civil. 

De acordo com o titular da Delegacia de Repressão a Roubos do Deic, Joel Wagner, desde agosto de 2015 um assalto a carro-forte não era consumado no Rio Grande do Sul. Ele assumiu a investigação do caso:

— Preciso confirmar o tipo de armamento utilizado para ter noção melhor de quem podem ser os suspeitos. Neste mesmo local, tivemos um assalto a carro-forte em outubro de 2014. Em 2015 e 2016, houve outras duas tentativas na cidade. O último ataque consumado havia sido em agosto de 2015, em Nova Petrópolis.

Foto: Ismael Sartor/Rádio Fátima / Divulgação


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros