Maesa e a Rua Plácido de Castro em 1969 - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Memória12/11/2020 | 07h00Atualizada em 12/11/2020 | 07h00

Maesa e a Rua Plácido de Castro em 1969

Confira imagens registradas pelo fotógrafo Mauro De Blanco

Maesa e a Rua Plácido de Castro em 1969 Mauro De Blanco/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Paralelepípedos impecáveis: a Maesa vista a partir da esquina da Plácido de Castro com a Treze de Maio em agosto de 1969 Foto: Mauro De Blanco / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

Tema que domina o noticiário político e pauta questionamentos de eleitores e candidatos às vésperas da eleição deste domingo (15), a revitalização e ocupação da Maesa é algo que deve perdurar por um bom tempo ainda - tamanha a extensão do complexo e os diversos projetos em andamento.

Consenso entre a maior parte dos candidatos é a instalação de um mercado público, a destinação para segmentos artístico-culturais e a abertura para a visitação pública - nem todos sabem, mas a área dispõe de duas praças internas com ampla vegetação. Outra demanda urgente é a criação de um museu da metalurgia focado na produção e no maquinário da antiga Metalúrgica Abramo Eberle.

Leia também
Prefeitura tomba maquinário histórico da Maesa

A saber: Caxias já possui o Museu da Indústria Metalúrgica (MIM), privado e localizado junto ao complexo da antiga Gazola, na BR-116. O acervo deste é centrado em cutelaria, utilidades domésticas e artefatos bélicos da época da Segunda Guerra Mundial - quando a então Gazola Travi foi declarada de interesse militar pelo governo.

Leia mais
Maesa e os dois nomes da Rua Dom José Barea
Maesa e as portas da Basílica de Belém do Pará
Alvis Fiedler e as réplicas da Basílica de Belém do Pará

Maesa e Rua Plácida de Castro no início dos anos 1970.<!-- NICAID(14640029) -->
O portão de entrada dos trabalhadores pela Plácido de Castro no início dos anos 1970 Foto: Mauro De Blanco / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

Enquanto todo esse processo segue, trazemos dois registros do final dos anos 1960, quando o complexo surgido em 1948 já dominava toda a extensão compreendida entre as ruas Dom José Barea, Pedro Tomasi, Plácido de Castro e Treze de Maio.

Maesa vista do alto em 1960

É da esquina da Plácido com a Treze a imagem que abre a matéria, de agosto de 1969, compartilhada recentemente nas redes sociais do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami. Acima, o portão de entrada dos funcionários da então Fábrica 2 da Metalúrgica Abramo Eberle S.A, no início dos anos 1970.

Os dois registros são do fotógrafo Mauro De Blanco (1923-2010).

Participe

Você ou algum familiar/amigo trabalhou na Maesa entre os anos 1950 e 1980? Possui alguma imagem interna, do entorno da fábrica ou alguma história curiosa? Entre em contato pelo e-mail rodrigolopes33@gmail.com.

Leia mais
Maesa e trajetória de Domingos Gedoz
Morro da Rua Dom José Barea em 1972
Maesa e a Praça Monteiro Lobato em 1953
Uma corrida de calhambeques pela Rua Plácido de Castro em 1986
Um revival agita o Colégio Emilio Meyer
Oficina de marcenaria do Senai em 1951
Encontro de formandos de 1963 do Senai
Setor de gravação da Maesa em 1958

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros