Grupo faz manifestação antirracista no Carrefour de Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Onda de protestos21/11/2020 | 20h22Atualizada em 21/11/2020 | 20h41

Grupo faz manifestação antirracista no Carrefour de Caxias do Sul

Ato foi motivado pelo assassinato de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, em um hipermercado da rede de Porto Alegre

Grupo faz manifestação antirracista no Carrefour de Caxias do Sul Flavia Noal / Agência RBS/Agência RBS
Protesto no Carrefour, em Caxias do Sul, durou cerca de uma hora neste sábado Foto: Flavia Noal / Agência RBS / Agência RBS

Uma manifestação antirracista foi realizada na noite deste sábado (20) no Carrefour de Caxias do Sul. O ato, que durou cerca de uma hora, começou dentro do supermercado com um grupo que se mobilizou pelas redes sociais e continuou no lado de fora da loja. Aos manifestantes organizados, de cerca de 10 pessoas que levavam cartazes contra o racismo, se somaram outras pessoas que pararam para assistir o ato e também gritaram frases como “racistas não passarão” e "parem de nos matar". A mobilização faz parte de uma onda que ocorre em diversos locais do país após o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos. O homem negro foi morto dentro de uma loja do Carrefour em Porto Alegre, na quinta-feira (19). 

O protesto começou por volta das 18h45min dentro do supermercado, em uma área onde estão instaladas lanchonetes. Os manifestantes deram início ao ato com cartazes e frases de efeito. Em seguida, a autônoma Angelita Conte, 32 anos, usou tinta em cor avermelhada para cobrir o próprio corpo e se deitou no chão. Outros participantes do grupo pintaram no chão e em uma das paredes do prédio a frase “vidas negras importam”. 

Leia mais
Sábado em Caxias é marcado por manifestações antirracistas e homenagens a homem morto em Porto Alegre
Morte de homem negro em Porto Alegre reacende a reflexão sobre racismo no Brasil 

Protesto em Caxias 21.11.2020
Do lado de fora da loja, manifestaçaõ ganhou mais adesãoFoto: Flavia Noal / Agência RBS

Clientes que estavam no mercado pararam para assistir e prestar apoio ao movimento, que continuou do lado de fora e ganhou novas adesões. Assim que o grupo deixou a unidade, o supermercado fechou a porta principal de acesso. Em frente a este ponto, o ato continuou, com os manifestantes entoando frases como “racistas, fascistas não passarão”, além de terem desenhado um corpo, escrito "racistas assassinos" no chão e pendurado um pano preto na porta da loja. Pessoas que estavam no local, principalmente jovens, pararam para fazer coro neste momento. Pacificamente, os manifestantes foram para o estacionamento, onde ficaram por cerca de 10 minutos, avaliaram o ato como um marco na luta antirracista e se dispersaram.

— Ser negro no Brasil é carregar os dias contados. Choca muito ver alguém de cor sendo assassinado, até porque a gente sabe que se fosse um cliente branco, ele não teria sido tratado com truculência. Eu vim para Caxias há mais de 15 anos. Uma vez trabalhando como frentista, eu não conseguia abrir um tanque de gasolina e um cliente disse pra mim que negro não sabia nada direito. Eu já fui recepcionada com muito racismo. Eu sou da grande Porto Alegre e eu sinto que ser negro é ter os dias contados. É não poder esquecer um documento em casa, é não poder carregar uma bolsa grande dentro do supermercado — emociona-se Angelita.

Protesto em Caxias 21.11.2020
Manifestantes escreveram e entoaram frases antirracistas durante o atoFoto: Flavia Noal / Agência RBS

Pela manhã, uma parte do grupo tentou fazer o manifesto no supermercado, mas foi impedido de permanecer na área e, por isso, se manteve na parte externa, em um dos acessos ao estacionamento do empreendimento. 

Leia também
Distanciamento social impõe desafios para cuidados com a saúde das crianças em casa
Parada Livre de Caxias do Sul chega à 20ª edição celebrando a diversidade e as conquistas do movimento LGBT
Mapa preliminar do governo do Estado coloca Serra gaúcha em bandeira vermelha

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros