"O pai lutou pela vida", diz filho de primeiro paciente que recebeu plasma convalescente e morreu nesta sexta-feira - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Pandemia23/10/2020 | 16h13Atualizada em 23/10/2020 | 17h46

"O pai lutou pela vida", diz filho de primeiro paciente que recebeu plasma convalescente e morreu nesta sexta-feira

Tarcísio Giongo, de 63 anos, se recuperou da covid-19, mas foi vitimado por outras complicações

"O pai lutou pela vida", diz filho de primeiro paciente que recebeu plasma convalescente e morreu nesta sexta-feira Porthus Junior/Agencia RBS
Giongo, na saída da UTI do Hospital Virvi Ramos, no dia 15 de junho Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

— Nesses últimos meses, ele nos mostrou a força de vontade para viver. O pai lutou pela vida e em momento nenhum quis desistir. Ele mostrou o quanto queria viver.

Assim, Anderson Giongo define os últimos meses do pai Tarcísio, na luta contra a covid-19 e as complicações que o vírus trouxe após a recuperação. Aos 63 anos, Tarcísio faleceu por conta de colangite e de fibrose no fígado, nesta sexta-feira (23), em Garibaldi. Ele foi o primeiro paciente no Rio Grande do Sul a receber a transfusão de plasma convalescente e se recuperar da covid-19.

Leia mais
Morre primeiro paciente do Rio Grande do Sul a receber transplante de plasma para o coronavírus
Doações de plasma convalescente em Caxias do Sul beneficiaram 100 pacientes com coronavírus 

A luta do pai de Anderson começou em maio, quando foi diagnosticado com a covid-19. No 17º dia, já no Hospital Virvi Ramos, em Caxias, Tarcísio foi internado em UTI, utilizando respirador. Começava ali a busca da família para tentar auxiliá-lo de todas as formas a se recuperar desta infecção. Com a possibilidade do tratamento de plasma, os familiares se mobilizaram pela internet para encontrar um doador. O professor Fábio Klamt, de Porto Alegre, fez a doação.

A evolução foi rápida. No dia 15 de junho, ele recebeu alta da UTI e foi transferido para a enfermaria. No entanto, foram mais 100 dias de internação. Outros problemas vieram após a covid-19. No dia 25 de setembro, seu Tarcísio recebeu alta do hospital, mas de forma preventiva para não contrair outras infecções. Ele ficou apenas uma semana em casa. Os problemas no fígado já eram maiores e o idoso foi internado no hospital de Garibaldi. A família até chegou a levar o pai novamente para Caxias do Sul, mas o quadro era irreversível.

Seu Tarcísio faleceu nesta sexta-feira, vítima de colangite e fibrose no fígado. Mas o seu exemplo segue adiante.

— Quem conhece meu pai, sabe que era um cara muito do bem. Ele queria sempre ajudar aos outros. Era uma pessoa muito gente fina, sempre trabalhou, fez tudo certo e queria o bem dos outros — afirma Anderson.

Leia também
Rede varejista de Caxias amplia vagas temporárias em ano de pandemia
Mais de 200 eleitores de Caxias do Sul com deficiência visual poderão ouvir o nome do candidato antes de confirmar a votação


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros