Lembranças da Rua Dom José Barea e seus dois nomes - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Memória16/10/2020 | 07h00Atualizada em 16/10/2020 | 13h20

Lembranças da Rua Dom José Barea e seus dois nomes

Até meados dos anos 1950, rua chamava-se Visconde de Mauá

Lembranças da Rua Dom José Barea e seus dois nomes Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami/divulgação
Anos 1950: a Rua Dom José Barea e o prédio da Maesa captados a partir da Rua Pedro Tomasi, em direção à Treze de Maio Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Para grande parte da população, Visconde de Mauá é a famosa rua sem saída defronte ao Colégio La Salle, em São Pelegrino. O que nem todo mundo sabe é que Visconde de Mauá também foi a denominação da Rua Dom José Barea desde 1939 até os primeiros anos da década de 1950.

Você é um morador "raiz" de São Pelegrino?

Não se sabe exatamente a data oficial em que a rua que abrange parte dos bairros Exposição, Cristo Redentor e Lourdes foi rebatizada em homenagem ao primeiro bispo de Caxias – os documentos disponíveis no Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul não trazem o projeto de lei com a mudança. O mais provável é que ela tenha sido renomeada nos anos subsequentes ao falecimento do religioso, em 19 de novembro de 1951.

Era a época em que aquela parte da cidade começava a se preparar para receber dois espaços de referência até hoje: o novo pavilhão de exposições da Festa da Uva (daí a origem do nome bairro Exposição), inaugurado em 1954, e o Parque Getúlio Vargas, surgido na sequência. Ao mesmo tempo, a moderna e pujante Fábrica 2 da Metalúrgica Abramo Eberle (Maesa) começava a impulsionar o crescimento da cidade em direção à BR-116.

Falando em Maesa, uma nota publicada pelo Pioneiro em 7 de fevereiro de 1953 trazia um convite para o público visitar a famosa porta central da Basílica de Nossa Senhora de Nazaré de Belém do Pará exatamente no antigo endereço da fundição: a Rua Visconde de Mauá, conforme a reprodução abaixo.

Leia mais
Maesa e as portas da Basílica de Belém do Pará
Alvis Fiedler e as réplicas da Basílica de Belém do Pará
Eberle: o jubileu de prata de Hugo Seidl em 1952

 Leia mais
Maesa e a trajetória de Domingos Gedoz
Eberle: o jubileu de prata de Hugo Seidl em 1952
Setor de gravação da Maesa em 1958 

Complexo da Maesa visto a partir da rua Dom José Barea esquina com a futura Rua Pedro Tomasi, em meados dos anos 1950, em direção a Rua Treze de Maio. Rua Dom José Barea tinha o nome de Rua Visconde de Mauá nessa época, até 1957 (por volta de).<!-- NICAID(14617646) -->
A Rua Dom José Barea e o prédio da Maesa captados a partir da Rua Pedro Tomasi, em direção à Treze de Maio Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
A Rua Dom José Barea e o prédio da Maesa captados a partir da Rua Pedro Tomasi, em direção à Treze de Maio, no início dos anos 1950Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação

Três momentos

São da primeira metade dos anos 1950, provavelmente, a imagem da Rua Dom José Barea que abre a matéria e os dois registros acima. As três fotos foram captadas a partir da esquina com a Rua Pedro Tomasi, em direção a Treze de Maio. Na primeira, percebe-se o cercamento do terreno e um novo pavilhão ao centro, evidenciando as várias etapas de construção pelas quais o complexo passou desde seu surgimento, em 1948.

As outras

Existem ruas denominadas Dom José Barea também em Galópolis e Bento Gonçalves.

Leia mais
Eberle: o jubileu de prata de Zulmir Fabris em 1939
O cinquentenário da Metalúrgica Abramo Eberle em 1946
Funeral de Abramo Eberle em 1945
Memórias do Palacete Eberle
Eberle Centro: uma esquina e uma piteira
Eberle: a fábrica de joias e a origem da piteira
Inauguração do Varejo do Eberle em 1949
Getúlio Jacoby da Rosa: um jubileu de prata em 1969 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros