Fogolar, penico, scandole e as casas de antigamente - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Memória03/10/2020 | 07h00Atualizada em 03/10/2020 | 07h00

Fogolar, penico, scandole e as casas de antigamente

Confira curiosidades sobre os hábitos e utensílios das moradias dos primórdios da imigração

Fogolar, penico, scandole e as casas de antigamente Acervo Museu Municipal de Caxias do Sul/divulgação
As obras de restauro da Casa de Pedra em 1974, ainda com o antigo casarão de madeira dos Tomazzoni ao fundo (com o porão de pedra e os lambrequins) Foto: Acervo Museu Municipal de Caxias do Sul / divulgação

Os 130 anos da imigração italiana, celebrados em 2005, impulsionaram a publicação de um caderno especial com uma série de reportagens alusivas aos costumes dos primeiros colonizadores da região e seus descendentes.

Um dos conteúdos mais curiosos abordados pelo Pioneiro em uma reportagem de 20 de maio de 2005 destacou as casas daquele período - de 1875 ao início do século 20 -, a partir da colaboração dos historiadores Juventino Dal Bó, Loraine Slomp Giron e Cleodes Piazza.

Em 2020, quando chegamos a 145 anos do início do processo migratório, recordamos de parte desse material, agora ilustrado por duas imagens daquele que é o espaço símbolo desse modo de viver e morar primitivo: o Museu Ambiência Casa de Pedra, no bairro Santa Catarina.

Leia também
Bairro Santa Catarina em 1958
Cantina Pão & Vinho: passado e futuro em sintonia
Arrabalde de Santa Catarina: o antigo casarão da família Andreazza
Um arrabalde visto das alturas nos anos 1970
Casa de Pedra e outros espaços que abrigam a história de Caxias 

A Casa de Pedra ainda em um longínquo arrabalde chamado bairro Santa Catarina, nos anos 1960.<!-- NICAID(10592653) -->
A Casa de Pedra no início dos anos 1960, ainda quando fazia vizinhança como casarão de madeira adornado por lambrequins (à esquerda)Foto: Hildo Boff / acervo pessoal de Ricardo Boff,divulgação

As características
:: A primeira moradia dos italianos foi o barracão.
:: A primeira casa construída pelos próprios imigrantes era provisória e feita de madeira, do alicerce ao telhado.
:: As telhas de madeira eram chamadas de “scandole”. Para sua confecção eram cortadas pequenas toras de madeira com cerca de 30cm de comprimento. Depois, com o auxílio de um machadinho, eram feitas as lascas. Cada lasca era uma telha.
:: Só o piso não era de madeira. chão batido.
:: A chamada casa “definitiva” dos italianos já era bem diferente. Construída em madeira, pedra ou tijolos de barro, apresentava uma diferença primordial em relação à moradia anterior: possuía porão, onde eram guardadas as pipas de vinho e pendurados os salames. A maioria delas tinha o porão de pedra e a parte de cima, de madeira.
:: Em muitas delas havia lambrequins, ornamentos em madeira que formavam uma espécie de renda com desenhos florais ou geométricos, enfeitando os beirais dos telhados - como vê-se nos casarões do Centro Histórico de Antônio Prado e no Instituto Hércules Galló, em Galópolis.
:: A cozinha era separada da casa de dormir. Ficava distante para evitar que acidentes com o fogão pudessem atingir a moradia.
:: O primeiro fogão chamava-se “fogolar” ou “larin”. Era construído com quatro tábuas ou tijolos e preenchido com terra. Fazia-se um buraco onde colocava-se lenha para atear o fogo. A panela ficava pendurada no teto por uma corrente (foto abaixo).

130 Anos da Imigração ItalianaNa foto, o fogolar ou larin - primeiro fogão da região de colonização italiana, instalado na Casa de Pedra. Um dos pontos turísticos de Caxias do Sul.<!-- NICAID(1013765) -->
O primitivo "fogolar" no interior da Casa de PedraFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

Outras curiosidades

:: A casa de dormir era o local onde ficavam os quartos e uma sala grande. Nela ocorriam os dois principais ritos de passagem das famílias: o casamento e o velório.
:: A cozinha aproximou-se da casa de dormir somente quando o “fogolar” foi substituído pelo fogão de chapa, que tinha a mesma estrutura que o anterior, porém, com uma chapa em cima, que evitava a propagação da chama pelo ambiente. O fogão de chapa foi o precursor do fogão à lenha.
:: O banheiro era construído separado da casa até nas melhores moradias, que já tinham encanamento de água e esgoto da pia. Isso ocorria porque os italianos entendiam que tudo que era sujo deveria ficar longe da casa.
:: Somente depois dos anos 1950, o banheiro passou a ser incorporado às construções dos italianos, principalmente dos residentes do interior. Mesmo aqueles que contratavam arquitetos para planejar as moradias, pediam que o banheiro fosse separado.
:: Até esse período quem reinou absoluto dentro de casa foi o penico, guardado embaixo da cama e usado só em caso de emergência.

Leia mais
Família Andreazza celebra as origens nos Pavilhões da Festa da Uva
A trajetória do imigrante Ludovico Cavinato
Os 60 anos da Paróquia Santa Catarina  

Museu Ambiência Casa de Pedra recebe a exposição Exposição Museu Ambiência Casa de Pedra: A (Des)Construção de uma história - Estudo relata o histórico da Casa de Pedra e suas modificações ao longo do tempo sob a ótica da conservação e restauroFotógrafo não identificado.<!-- NICAID(13689819) -->
A Casa de Pedra em 1974, antes do início das obras de restauroFoto: Acervo Museu Municipal de Caxias do Sul / divulgação
A Casa de Pedra à época de sua inauguração, em 1975Foto: Scalco / Divulgação

A Casa de Pedra

A Casa de Pedra foi erguida por volta de 1885 pelos irmãos Giacomo, Antonio e Luis Lucchese, chegados a Caxias seis anos antes, em 1879, e estabelecidos na antiga 9ª Légua. Os Lucchese detiveram a posse da casa até 1918, quando ela foi adquirida por Jacob Brunetta. Nessa época, além da construção de pedra, havia uma casa de madeira, ambas ligadas por um passadiço.

Conforme informações disponibilizadas pelo Arquivo Histórico Municipal, a casa de madeira foi substituída por uma maior, onde os Brunetta instalaram um armazém, um matadouro e um açougue – pontos de comércio e hospedagem para os tropeiros da época.

Já em 1946, a propriedade foi adquirida por David Tomazzoni e os três filhos – em 1974, esse casarão de madeira, localizado onde hoje situa-se o parreiral e o Monumento aos Tiroleses, também foi demolido, restando apenas a casa de pedra propriamente dita.

O espaço chegou a ficar ameaçado, mas, com a proximidade do centenário da imigração italiana no Estado, a prefeitura negociou o local com a família Tomazzoni, tornando-se proprietária da área e dando início ao processo de restauração.

Surgia aí, graças ao trabalho incansável da professora Maria Frigeri Horn, o Museu Casa de Pedra, inaugurado em 14 de fevereiro de 1975, durante a Festa da Uva.

Leia mais
Casa de Pedra: uma restauração em 1975
A inauguração da Casa de Pedra em 1975
A inauguração dos Pavilhões da Festa da Uva em 1975
Caxias, 130 anos: de volta a 1975
Irmãos Gianella: envoltos por uma história iniciada e 1915
Anos de indefinição deixam Lanifício Gianella em ruínas
Para recordar de dona Itália Gianella Baldisserotto
Morre, aos 91 anos, Elite Gianella Tonolli, filha de Matteo Gianella
O falecimento de Ermelinda Viero Gianella em 1968
Ranchos no Lanifício Gianella em 1941
Lanifício Gianella na Festa da Uva de 1965

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros