A chamada "máscara social" protege mesmo contra a covid-19? Saiba o que dizem especialistas - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Alerta23/10/2020 | 10h10Atualizada em 26/10/2020 | 10h02

A chamada "máscara social" protege mesmo contra a covid-19? Saiba o que dizem especialistas

Protetor transparente fixado ao rosto pelo nariz tornou-se popular com a chegada dos dias quentes. Mas será que é eficaz?

A chamada "máscara social" protege mesmo contra a covid-19? Saiba o que dizem especialistas Antonio Valiente/Agencia RBS
Máscara social se assemelha ao face shield, mas não cobre olhos e testa Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Como um protetor facial, mas que deixa olhos e testa de fora, as chamadas "máscaras sociais" vêm se tornando cada mais populares com a chegada dos dias quentes. Elas se assemelham ao face shield, são produzidas com  material transparente, no entanto, diferente do equipamento, não cobrem o rosto todo. Mas será que isso as torna eficaz contra o coronavírus? A resposta, de acordo com especialistas da área da virologia e da infectologia, é não.

O uso de máscaras alternativas também pode estar sendo mais comum em função de que a máscara cirúrgica descartável ou de tecido, os tipos mais comuns e também os mais indicados contra o coronavírus, trazem algumas limitações. Elas podem ser desconfortáveis, especialmente quando o clima esquenta e é preciso passar o dia com a proteção abafando o rosto, e também dificultam a vida de pessoas com deficiência auditiva, com transtornos do espectro autista e até mesmo crianças em fase de alfabetização, já que todos dependem da visualização da boca para se comunicar. A comunicação (ou a falta dela) também é bandeira levantada por profissionais que precisam usar a voz no trabalho e encontram dificuldades em projetá-la com máscaras grudadas no rosto, de maneira clara e audível. 

Há cerca de dois meses, um caso em Curitiba ilustrou um desses dilemas. O casal Alisson Fernandes dos Santos e Aline Gonçalves dos Santos foi barrado pelo segurança na entrada de um supermercado. Ambos usavam protetores transparentes do nariz para baixo. Alisson é surdo e usava o equipamento porque o modelo não compromete a leitura labial. Na época, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reconheceu a importância de máscaras inclusivas, mas reforçou que elas devem ser fabricadas de forma a se ajustarem ao rosto, sem espaços nas bordas inferior, superior ou laterais. Segundo o órgão, não existem normas técnicas de fabricação e eficiência para o modelo de máscaras inclusivas.

Nesse caso, o mais seguro é adotar as recomendações que valem para as máscaras de tecido: bem fechadas e ajustadas ao rosto, mas com transparências que permitem a leitura labial. Fernando Spilki, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia (SBV), indica a fabricação de equipamentos como o desenvolvido por uma estudante de Educação de Surdos da Eastern Kentucky University ou a Clear Mask. Em Caxias do Sul, uma estilista criou uma versão inclusiva, que veda bem as laterais do rosto e o queixo e que também está valendo.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 30/07/2020.  Niura Ramos, estilista que produz máscaras protetoras. Agora ela está fazendo máscaras transparentes, que ajudam a leitura labial. A ideia surgiu de uma necessidade da amiga, a Lucia, que estará junto na pauta. (Porthus Junior/Agência RBS)<!-- NICAID(14557082) -->
Anvisa recomenda que as máscaras inclusivas vedem bem a parte inferior e as laterais do rostoFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

Por que os protetores transparentes não protegem tanto quanto a máscara?

Os protetores faciais transparentes, também chamados de face shields, costumam ser usados por profissionais da saúde por cima da máscara cirúrgica ou da N.95 em situações de alto risco de contágio. É o caso das enfermarias, ambientes fechados e onde ficam vários pacientes com confirmação ou suspeita de covid-19. Por meio de tosses e espirros, alguns deles estão sujeitos a espalhar no ar as partículas contaminadas. Daí a importância de uma barreira extra para conter estes respingos.

Segundo Spilki, o escudo consegue bloquear perdigotos (gotículas de saliva) que se dirigem diretamente ao rosto, mas não segura as partículas menores que se espalham pelo ar e podem chegar ao rosto por baixo ou pelas laterais da proteção. Isso porque o vírus pode estar em partículas finas suspensas, que vêm de diferentes direções e serão aspiradas caso o indivíduo não esteja de máscara.

Por isso, a proteção efetiva é a máscara cirúrgica ou, então, a de tecido, que pode ser confeccionada em casa desde que seguidas as recomendação do Ministério da Saúde. Ela deve ter pelo menos duas camadas de pano, como algodão, tricoline ou TNT, e seu uso deve ser individual. Outro fator importante está no ajuste certo ao rosto: a máscara precisa necessariamente cobrir toda a extensão da boca e do nariz, não pode ficar frouxa.

— O ideal é que as máscaras sempre cubram o contorno do rosto de maneira aproximada ao que fazem as máscaras cirúrgicas convencionais — complementa Spilki.

Se manter um contorno bem ajustado ao rosto já é um problema com os face shields, que vão até a testa, imagine com os equipamentos que se estendem apenas até o nariz. Para a infectologista Viviane Buffon, a proposta da máscara social é inferior aos face shields convencionais, porque deixa os olhos de fora. Segundo a especialista, por mais que proteja contra secreções, a máscara social não é eficaz para barrar a entrada de partículas menores pelo ar, uma vez que suas laterais são abertas.

— Ela é um protetor facial, mas não pode ser considerada uma máscara segura contra a covid-19 — afirma a médica.

O Ministério da Saúde continua recomendando o uso de máscaras de tecido pela população. Segundo as diretrizes federais, as proteções de plástico devem ser usadas por profissionais da saúde que atendem casos suspeitos ou confirmados de covid-19, somadas a outros equipamentos. Além do face shield ou óculos de proteção, o conjunto de EPI's compreende gorro, avental impermeável de mangas longas, luvas específicas e, claro, a máscara — a cirúrgica ou a de proteção respiratória, como a N.95.

Os tipos de máscara

:: De tecido: em Caxias, foi a recomendada pela prefeitura desde decreto publicado em 30 de abril, por ser a mais segura no uso pela população em geral. Pode ser reutilizada e fabricada em casa, mas sob algumas orientações do Ministério da Saúde.

Leia mais
Saiba como fazer uma máscara de pano sem máquina de costura
Saiba quais os tipos de tecido adequados para fazer uma máscara caseira

:: Cirúrgica: a mais procurada nas farmácias, oferece menos proteção do que a N.95, mas serve para atendimentos médicos comuns. Reduz a passagem de partículas maiores do que micropartículas.

:: N.95 ou PFF2: é o tipo mais recomendado para quem convive diretamente com o vírus, como na coleta de testes de pacientes com suspeita. Possui uma espécie de filtro, que bloqueia micropartículas e pequenos micro-organismos. Não é indicada para a população em geral, especialmente para infectados, uma vez que reduz a ventilação.

Leia também
Construtora busca trabalhadores para 25 vagas em Caxias. Saiba como participar
Inscrições para o Projeto Escolas 2021 se encerram neste sábado em Caxias
Mais de 20 linhas do transporte coletivo serão impactadas por obra na Rua Marechal Floriano, em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros