Prefeitura terá quase 40 programas para implantar com instalação do Aeroporto Regional em Vila Oliva  - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Impacto ambiental 16/09/2020 | 15h14Atualizada em 16/09/2020 | 15h14

Prefeitura terá quase 40 programas para implantar com instalação do Aeroporto Regional em Vila Oliva 

Município aguarda licença prévia da Fepam antes de licitar projeto executivo 

Prefeitura terá quase 40 programas para implantar com instalação do Aeroporto Regional em Vila Oliva  Seplan/Divulgação
Relatório ambiental do Aeroporto Regional da Serra Gaúcha foi apresentado nesta semana Foto: Seplan / Divulgação

A viabilidade ambiental para a construção do Aeroporto Regional da Serra Gaúcha foi confirmada pelos estudos de impacto apresentados na terça-feira (15), mas agora o município tem em mãos uma série de quesitos que deverão ser pensados e colocados em prática junto às etapas de instalação. Na audiência, organizada pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler (Fepam), foram apresentados o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (Rima), mas foi colocada a necessidade de implantação de 39 programas. A área do futuro aeroporto compreende 445 hectares e está localizada no distrito caxiense de Vila Oliva.

— São programas de proteção ambiental. Há aqueles que têm relação com cuidados e destinação dos resíduos que serão produzidos pelo aeroporto, há os de acompanhamento da fauna e outros de questões sociais, sobre o que irá acontecer ao redor da área. Esses programas são uma indicação, mas serão obrigatórios no futuro — explica o secretário de Planejamento, Adivandro Rech. 

Muitos dos itens serão absorvidos em processos licitatórios, que acontecerão antes da construção, mas outros serão efetuados após a abertura. Não há data prevista, segundo o secretário. A fase atual é de aguardo da Licença Prévia, que será emitida pela Fepam. Com o documento pronto, a prefeitura poderá encaminhar a licitação do projeto executivo.  

— Pela audiência, onde foram poucas situações colocadas e já previstas, acreditamos que a licença seja expedida com agilidade, mas ainda estamos nesse aguardo — afirma Rech. 

Após a liberação, haverá mais outras duas licenças para serem obtidas. Serão as de instalação e também de operação.  

Os estudos para o novo aeroporto tiveram início em abril de 2014, quando o Hugo Cantergiani, no bairro Salgado Filho de Caxias, foi declarado inviável para expansão. A área do aeroporto em Vila Oliva terá terminal de passageiros de 4,7 mil metros quadrados e 500 vagas, pátio com 26 mil metros quadrados, pista com 1,9 quilômetro de comprimento e 45 metros de largura, e poderá receber oito aeronaves simultaneamente.  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros