Com expectativa pela manutenção de bandeira laranja, mais 57 escolinhas podem reabrir em Caxias - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Pandemia 14/09/2020 | 14h13Atualizada em 14/09/2020 | 14h13

Com expectativa pela manutenção de bandeira laranja, mais 57 escolinhas podem reabrir em Caxias

Se classificação no Modelo de Distanciamento Controlado mudar para vermelha, estabelecimentos fecham por 15 dias

Com expectativa pela manutenção de bandeira laranja, mais 57 escolinhas podem reabrir em Caxias Antonio Valiente/Agencia RBS
Na Escola Infantil Doce Aconchego , 52 crianças retomam às atividades de maneira gradual a partir desta segunda Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Uma semana depois da liberação para reabrirem as portas, as escolas de Educação Infantil de Caxias do Sul vivem novamente momentos de apreensão. Até o final da manhã desta segunda-feira (14), 110 escolinhas haviam sido autorizadas a recomeçar as atividades. Um levantamento preliminar do Sindicato das Instituições Pré-Escolares Particulares de Caxias do Sul (Sinpré) aponta que cerca de 900 a 1000 crianças retornaram às escolas, sendo que 200 voltaram nesta segunda-feira (14). Outros alunos voltaram ainda na quinta-feira (10), quando 44 escolas obtiveram a liberação depois de quase seis meses fechadas.  Como o governo do Estado anuncia à tarde a manutenção ou troca de bandeira no Modelo de Distanciamento Controlado, pais e professores retornaram com expectativa de seguir reabertos caso a região siga na laranja. Se a classificação mudar para vermelha, os estabelecimentos têm que fechar por 15 dias.  

Na Escola Infantil Doce Aconchego, no  Centro, 52 crianças retomam as atividades de maneira gradual a partir desta segunda. Durante a manhã eram esperados 16 alunos. Na porta, as diretoras aguardavam logo cedo, por volta das 7h15min, a chegada dos pequenos. De máscara, avental e com o termômetro em mãos,  uma das proprietárias, Vivian Paim, não escondia a ansiedade: 

Leia mais
Em primeiro dia de fiscalização, três escolas de Educação Infantil passam por vistoria em Caxias
Mais 44 escolas de Educação Infantil são liberadas para abrir em Caxias do Sul
No misto de entusiasmo e apreensão, mais de 700 crianças voltam às aulas em Caxias
"Ainda não dá para dizer que estamos seguros", afirma infectologista de Caxias do Sul
Profissionais da saúde indicam cuidados necessários para a volta às aulas na Serra
Volta às aulas: aumento do contágio por coronavírus é esperado, diz secretário da Saúde de Caxias
"É uma experiência que vamos fazer", diz prefeito de Caxias do Sul sobre volta às aulas
Com medidas de prevenção e focadas em lidar com as emoções, escolinhas reabrem em Caxias  

- Estamos preparadas para que as crianças aceitem e entendam esse novo normal. A primeira criança que chegou foi instruída a sentar onde está o X. Assim que outro coleguinha chegou ela disse a ele, antes da profe: "tem que sentar no X". Falam que as crianças não vão seguir as regras, que é difícil, mas elas aprendem pelo exemplo e colocam em prática e nos ajudam com as demais crianças. 

A sócia Sandra Lusa também estava feliz e ansiosa para reencontrar os alunos. A faixa em frente à escola mostrava aos pais e alunos esse sentimento: "Estávamos ansiosos por nosso reencontro". 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (14/09/2020)Com expectativa pela manutenção de bandeira laranja, mais 48 escolinhas podem reabrir em Caxias. Se classificação mudar para vermelha, estabelecimentos fecham por 15 dias. Escola de Educação Infantil Doce Aconchego. Vivian Paim e Sandra Lusa - proprietárias (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14591422) -->
Na Escola Infantil Doce Aconchego, clima era de ansiedade e felicidade pelo retorno das crianças Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

-  Trabalhamos por amor e com amor, queremos e precisamos trabalhar, com todo o cuidado e segurança. Temos que trabalhar novamente a adaptação e torcer pela manutenção da bandeira laranja -  afirma Sandra. 

"Nem me deu tchau", conta mãe, sobre a despedida da filha 

Assim que desceu do carro, Daphne Garcia, quatro anos, abanou para as diretoras da escola Doce Aconchego. Com os olhinhos brilhando, a menina subiu as escadas feliz por rever amigos e professores. 

- Não pode mexer em alguns lugares porque tem bichinho - disse a menina, logo depois de higienizar as mãos com álcool gel. 

A mãe dela, Dienifer Rodrigues Garcia, 32, garante que se sente segura: 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (14/09/2020)Com expectativa pela manutenção de bandeira laranja, mais 48 escolinhas podem reabrir em Caxias. Se classificação mudar para vermelha, estabelecimentos fecham por 15 dias. Escola de Educação Infantil Doce Aconchego. Benjamim Mondadori,  05 anos.  (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14591433) -->
Benjamim Mondadori, cinco, cumpriu o protocolo à risca: higienizou as mãos, usava máscara e limpou a sola dos sapatos Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

- Sei que ela estará bem cuidada. Ela estava ansiosa para voltar e, assim que acordei, ela pulou da cama porque sabia que vinha para a escola. Olha como ela está feliz, nem me deu tchau - conta, rindo. 

O pequeno Benjamim Mondadori, cinco, também cumpriu o protocolo à risca. Usava máscara, limpou a sola do sapato no tapete, passou álcool gel e se dirigiu até a sala de espera, onde sentou no X marcado no chão, que garante o distanciamento necessário entre as crianças. 

"A incerteza sobre a bandeira deixa todos apreensivos", afirma diretora 

Na Escola Aconchego dos Pequenos, no bairro Desvio Rizzo, o clima também era de ansiedade e uma certa apreensão com a classificação do distanciamento social. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (14/09/2020)Com expectativa pela manutenção de bandeira laranja, mais 48 escolinhas podem reabrir em Caxias. Se classificação mudar para vermelha, estabelecimentos fecham por 15 dias. Aconchego dos Pequenos. Marli Volpato - diretora. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14591452) -->
Na Aconchego dos Pequenos, o clima era de ansiedade e uma certa apreensão com a classificação do distanciamento socialFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

- Retornamos na quinta-feira, mas tem essa incerteza sobre a bandeira que deixa todos apreensivos. Estamos nessa expectativa para que se mantenha a laranja e sabemos que muitos pais sentem o mesmo - ressalta a diretora Marli Volpato. 

Na escola, de 104 crianças matriculadas, 22 retornam nesta segunda, sendo que, pelo plano de contingência, a escola pode receber 50 crianças. Os pequenos são recebidos no portão, onde limpam os pés, passam álcool gel e têm a temperatura medida e anotada em planilhas. Nas mochilas também é borrifado álcool.  A rotina é nova, mas, de certa maneira, é bem aceita até pelos mais pequenos. Esse foi o caso de Laura Giaboeski, de um ano e quatro meses. No colo do pai, ela esticou a mãozinha para a professora passar álcool gel. Na hora de medir a temperatura se assustou, mas porque pensou que fosse injeção: 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (14/09/2020)Com expectativa pela manutenção de bandeira laranja, mais 48 escolinhas podem reabrir em Caxias. Se classificação mudar para vermelha, estabelecimentos fecham por 15 dias. Aconchego dos Pequenos. Pai: Jonathan Giaboeski, 30 anosFilha: Laura Giaboeski, 1 ano e quatro meses. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14591456) -->
Laura Giaboeski, de um ano e quatro meses, esticou a mão para a professora passar álcool gel, mas se assustou com o termômetroFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

- Estamos tranquilos com o retorno dela e temos contato direto com a direção. Eu e minha esposa conversamos e optamos por ela vir e começar a readaptação novamente. Torço para que a bandeira permaneça laranja porque as escolas, os pais e, principalmente as crianças, precisam disso. A escola é o lugar ideal para que aprendam -  destaca o pai de Laura, Jonathan Giaboeski, 30 anos.

Alessandro Figueredo, 42, também confia que o retorno seja positivo para o filho Alessandro Júnior, seis. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (14/09/2020)Com expectativa pela manutenção de bandeira laranja, mais 48 escolinhas podem reabrir em Caxias. Se classificação mudar para vermelha, estabelecimentos fecham por 15 dias. Aconchego dos Pequenos. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14591444) -->
Alessandro Júnior, seis, estava feliz de retornar à escolinha Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

-  Estou seguro e é bom para ele porque se sentia preso em casa. Aqui, ele convive com os amigos e aprende. E é bom também para mim porque estou concluindo o Ensino Superior e, assim, tenho mais tempo para estudar. Ficamos atentos e todas as medidas estão em cumprimento, por isso fico tranquilo em trazer meu filho. 

FISCALIZAÇÃO 

A inspeção segue um roteiro com mais de 70 itens. São vistoriados por dois fiscais, um da Vigilância Sanitária e um do Meio Ambiente,  desde o projeto arquitetônico e alvará de licença para localização, até o controle das cadernetas de vacina e a administração de medicamentos, que passou a ser apenas com receita médica. 

-  Vistoriamos todas as medidas para conter a disseminação do coronavírus, desde o uso do álcool gel até se a roupa de cama é individualizada e está identificada. Não basta ter o plano aprovado, é necessário cumpri-lo. Aproveitamos também para verificar a legislação sanitária que regulamenta o funcionamento da instituição - aponta o diretor técnico da Vigilância Sanitária, Rodrigo Zardo. 

A ideia é que sejam vistoriadas seis escolas por dia, três em cada turno, para analisar todos os requisitos determinados nos planos, como o uso de máscaras por professores, direção e crianças acima de dois anos, a checagem de temperatura ao chegar na escola, o distanciamento de 1,5 a 2 metros entre as crianças ou uso de divisórias de acrílico em mesas coletivas nas salas e no refeitório. 

Também são vistoriados o material pedagógico, que tem que ser individual, e os brinquedos, que não podem ser de tecido ou pelúcia. Os ambientes têm que ser ventilados e os pisos e espaços coletivos demarcados para manter a distância. Tem que ter álcool gel 70% para limpeza de superfícies e brinquedos, uso de propés ou calçado específico para uso interno para professores e crianças nas salas de até três anos, entre outros.

Na Serra 

Em Bento Gonçalves, 27 escolas de Educação Infantil particulares retomaram as atividades desde 8 de setembro. São cerca de 340 alunos que voltaram às salas de aula. Nesta segunda-feira, 21 escolinhas municipais também reabriram, mas a prefeitura ainda não tem o levantamento do número de alunos. 

- O COEe municipal (Centro de Operação de Emergência em Saúde para a Educação) está realizando as visitas semanais. Se tiver alguma situação, as escolas fazem contato e as equipes vão até o local, mas está correndo tudo tranquilo até agora - avalia a secretária de Educação de Bento Gonçalves, Iraci Luchese Vasques. 

Em Flores da Cunha, das 10 escolas infantis, nove reabriram nesta segunda-feira. A fiscalização sanitária vistoriou todas as escolinhas. Segundo a assessoria de imprensa, as instituições estão respeitando os protocolos encaminhados e aprovados pelo COE. Os alvarás de saúde também foram renovados. 

Leia também
Contemplada no primeiro lote, Bento Gonçalves recebe recursos da Lei Aldir Blanc
Agência do INSS em Caxias reabre sem serviço de perícia médica
Caxias do Sul produz mais de 28 tipos de culturas no agronegócio

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros