Adega Santa Tereza e os Vinhos Cruzeiro nos anos 1940 - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Memória14/09/2020 | 16h07Atualizada em 14/09/2020 | 16h07

Adega Santa Tereza e os Vinhos Cruzeiro nos anos 1940

Globo símbolo da marca sobrevive no topo do antigo prédio da Vinícola Luiz Michielon, em Lourdes

Adega Santa Tereza e os Vinhos Cruzeiro nos anos 1940 Studio Geremia/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Anos 1940: a Adega Santa Tereza e o símbolo dos Vinhos Cruzeiro no topo do prédio, um ícone da Vinícola Michielon sobrevivente até hoje Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

A antiga chaminé, hoje integrante do complexo de lazer e gastronomia Fabbrica, é um dos símbolos remanescentes da lendária Vinícola Luiz Michielon, em Lourdes. Mas não se trata do único. Meio esquecido no topo do prédio - vide o emaranhado de fios de luz e as interferências arquitetônicas posteriores -, sobrevive lá também o globo dos Vinhos Cruzeiro.

Você é um morador "raiz" de Lourdes? Teste seus conhecimentos

A marca foi uma das que consolidaram a empresa a partir da década de 1930, quando a Michielon evidenciava-se ainda pela produção de licores, conhaques, espumantes e suco de uva - tanto no mercado local quanto nacional. Na imagem acima, de meados dos anos 1940, o belíssimo complexo em art déco é destacado em uma foto do Studio Geremia - captada a partir da esquina das ruas Angelina Michielon e Luiz Michielon.

Vê-se o símbolo dos Vinhos Cruzeiro acima do logotipo da Adega Santa Tereza, espaço que, de forma pioneira em Caxias, costumava receber visitantes, turistas e curiosos para a famosa “provinha” - a nossa atual “degustação”.

A saber: além dos famosos Vinhos Cruzeiro, a empresa produzia o champanhe de 250 ml, elaborado exclusivamente para ser servido a bordo dos aviões da Varig. Também mantinha uma estrutura comercial instalada nas principais praças de consumo do país. 

Na foto abaixo, o carro alegórico da Vinícola Michielon, com o globo-símbolo dos Vinhos Cruzeiro, durante o desfile da Festa da Uva de 1932. O veículo trazia várias figurantes e era ornamentado por enormes taças.

Na sequência, os Vinhos Cruzeiro são destacados em um anúncio do antigo Armazém Calcagnotto, publicado no jornal “O Momento” de 31 de agosto de 1942. Por fim, um detalhe atual do globo dos Vinhos Cruzeiro, um símbolo perdido em meio aos fios de luz e à poluição visual.

Leia mais
Miniaturas que resgatam a história de antigas vinícolas
Vinícola Michielon: um Fusca de presente na Festa da Uva de 1969
Michelin Filmes: o filme de divulgação da Festa da Uva de 1969 

*** Vinhos Cruzeiro-RRigon ***Vinhos Cruzeiro. Vinícola Luiz Michielon participa do corso da Festa da Uva de 1932. Publicada na  Seção Memória de 18 dezembro de 2007. Fonte: Divulgação Fotógrafo: Geremia<!-- NICAID(68745) -->
Festa da Uva de 1932: carro alegórico da Vinícola Michielon, com o globo-símbolo dos Vinhos CruzeiroFoto: Ver Descrição / Ver Descrição
Anúncio do Armazém Calcagnotto publicado no jornal O Momento de 31 de agosto de 1942, destacando os Vinhos Cruzeiro, produzidos pela Vinícola Luiz Michielon.<!-- NICAID(14590887) -->
Foto: Jornal O Momento / Reprodução
Símbolo dos Vinhos Cruzeiro, produzidos pela antiga Vinícola Luiz Michielon, no bairro Lourdes. Globo é um dos símbolos remanescentes do topo do prédio.<!-- NICAID(14590850) -->
O globo dos Vinhos Cruzeiro, símbolo perdido em meio aos fios de luz Foto: Rodrigo Lopes / divulgação

Lembranças
:: “Na década de 1970, a Michelon esteve no auge de recebimento de turistas, hoje chamado de enoturismo. Dezenas de ônibus encostavam na região da vinícola, e os turistas, além de caminharem entre as pipas, podiam apreciar as variadas bebidas produzidas lá. Eu tive a honra e prazer de trabalhar por algum tempo na vinícola. Era uma tradição, no final de ano, a empresa dar, como presente natalino, um conjunto de bebidas para cada funcionário”. (Floriano Molon)

:: “Frequentei esta adega...No local da "provinha" dos vinhos tinha, ou ainda tem, uma pintura na parede, representando a nossa colônia! E o melhor: parece que o tal pintor nunca acabava a tal pintura...Pudera!” (Alexandre Arioli)

:: Nota do colunista: o pintor em questão, Jorge Leitão, terá sua trajetória revista em breve neste espaço.

Leia mais
Apostolado da Oração da Paróquia de Lourdes em 1948
Primórdios da Igreja de Lourdes
Lourdes, zona Caipora e Bairro Guarani
Pórtico da Estrada Federal Getúlio Vargas em 1941
Origens da Escola Madre Imilda  

Participe
Você possui fotos antigas do interior da Vinícola Luiz Michielon e da Adega Santa Tereza, em que apareça o painel do pintor Jorge Leitão? Envie suas informações e imagens para o e-mail rodrigolopes33@gmail.com

Leia mais:
Lembranças de moradores "raiz" do bairro Lourdes
Bairro Lourdes: a família de João Zandomeneghi
Memória: a história do bairro e da paróquia de Lourdes em um calendário
Cooperativa Vinícola Caxiense e o lendário Vinho Casto
Imigração portuguesa: Tanoaria São Martinho em 1948 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória 


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros