Situação dos imigrantes e refugiados que vivem na Serra é tema de audiência pública na Assembleia  - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Pandemia 18/08/2020 | 13h52Atualizada em 18/08/2020 | 13h52

Situação dos imigrantes e refugiados que vivem na Serra é tema de audiência pública na Assembleia 

Debate ocorre por meio de videoconferência a partir das 9h30min desta quarta-feira 

Situação dos imigrantes e refugiados que vivem na Serra é tema de audiência pública na Assembleia  Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Desemprego e demanda por alimentação e produtos de higiene aumentou no Centro de Atendimento ao Migrante Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Imigrantes e refugiados que deixaram os países onde nasceram em busca de oportunidades de uma vida mais digna têm enfrentado dificuldades diante da pandemia de coronavírus. Centenas deles escolheram recomeçar na Serra e muitos deles, desde que chegaram às cidades da região, contam com a ajuda do Centro de Atendimento ao Migrante (CAM). A entidade promove ações para ajudar estrangeiros que precisam de assistência e de informações. As solicitações aumentaram desde março, quando o primeiro caso da doença foi diagnosticado em Caxias do Sul

As dificuldades enfrentadas, como a crise econômica e o acesso precário à documentação necessária, inclusive, para que possam trabalhar, será tema de uma audiência pública. Os problemas aumentaram já que os atendimentos da Polícia Federal, por exemplo, estavam suspensos até a semana passada. 

 Leia mais
Imigrantes e refugiados enfrentam dificuldades diante da pandemia em Caxias
Campanha arrecada alimentos, produtos de higiene e material de limpeza para imigrantes em Caxias 

O encontro será promovido pela Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do RS (CCDH/ALRS). O evento ocorre a partir das 9h30min desta quarta-feira (19), por meio de videoconferência e transmissão via canal da Casa Parlamentar no YouTube. Basta acessar o link: http://www.youtube.com/tvalrs.

A iniciativa foi articulada pelo Centro de Atendimento ao Migrante (CAM), mantido pela Associação Educadora São Carlos (Aesc) e integrante da coordenação do Fórum Permanente de Mobilidade Humana do Rio Grande do Sul (FPMH-RS), por meio do gabinete do deputado estadual Pepe Vargas (PT). 

- Existem restrições a alguns serviços que aumentam ainda mais a vulnerabilidade de migrantes e refugiados, os excluindo e, consequentemente, aumentando as formas de discriminação. Racismo e xenofobia são visíveis na sociedade brasileira e aqui na região Sul não é diferente, infelizmente - afirma Adriano Pistorelo, advogado para imigrações do CAM. 

Para ele, a conversa  é necessária e urgente, especialmente neste momento de pandemia. Pistorelo explica que o acesso a direitos básicos, como a busca por emprego, tem sido uma das grandes dificuldades e preocupações para a comunidade imigrante. Ele ressalta ainda que a Polícia Federal retomou os atendimentos na semana passada, o que irá ajudar a regularizar a situação dos imigrantes. A ideia é criar uma rede de assistência a esse grupo.: 

-  Muitos estão com seus documentos vencidos e, portanto, são prejudicados em entrevistas de emprego, tendo até desconsideradas as candidaturas às vagas. Muitos perderam o emprego e outros não conseguiram registrar casamentos. A dificuldade com a perda de emprego e renda impactou ainda mais os imigrantes. 

O CAM atende aos imigrantes por meios eletrônicos. Basta encaminhar um e-mail para aesc.cam@aesc.org.br  ou entrar em contatos pelos telefones (54) 3027.3360 e o WhatsApp (54) 99107.8434 para orientações. 

Leia também  
Prefeitura de Caxias confirma mais duas mortes em decorrência do coronavírus
Ampliação do Hospital Geral de Caxias do Sul precisa de investimento de R$ 37 milhões
Proprietários da área do aeroporto de Vila Oliva, em Caxias, recebem pagamento pelas desapropriações




p>



 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros