Jovem de Feliz que teve braço amputado por causa de câncer precisa de ajuda para colocar prótese  - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Campanha 06/08/2020 | 14h36Atualizada em 06/08/2020 | 14h58

Jovem de Feliz que teve braço amputado por causa de câncer precisa de ajuda para colocar prótese 

Valteno Henrique Brunetto , 28 anos, foi diagnosticado com tumor raro em 2016 

Jovem de Feliz que teve braço amputado por causa de câncer precisa de ajuda para colocar prótese  Arquivo Pessoal/Divulgação
Valteno Henrique Brunetto, 28 anos, precisa de ajuda para a colocação de uma prótese Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

"Eu só quero andar de bicicleta, cortar o abacaxi, abrir o pote de açaí. Eu só quero pilotar a caranga, descer a cachoeira, subir num pé de pitanga. Eu só quero fazer música, abraçar vivendo o agora, e sair por aí cantando, como um pássaro aquarela. Também quero agradecer a esse universo que me faz crescer, sem esquecer do ontem, mas vibrando no hoje de cada amanhecer." 

O poema escrito pelo designer Valteno Henrique Brunetto, 28 anos, enquanto estava internado no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, expressa o sentimento e a busca do jovem por um recomeço. Aos 24 anos, em 2016, ele foi diagnosticado com um câncer raro e agressivo. Encarou a doença de frente, mas em 2019 ele teve o braço, o ombro, a clavícula e a escápula do lado direito amputados. 

- Na hora aceitei a amputação, sabendo que seria uma adaptação difícil e que a dor não acabaria ali, já que os traumas físicos e psicológicos eram certos. Logo que acordei da cirurgia, senti como se o braço ainda estivesse ali, latejante. Nesse momento conheci a dor fantasma, essa que permeia até hoje. Eu sinto o braço, mas ele não está. Que confusão para o cérebro -  desabafa ele. 

Natural de Feliz, ele mora com a namorada Bianca Isabel Lill, 25, em Nova Petrópolis. Depois da amputação, Brunetto está em busca de uma prótese biônica. Ela custa entre R$ 250 mil à R$ 450mil. Ainda há custos de fisioterapia e adaptação da prótese para que ele tenha mais conforto. Para conseguir ajuda, ele criou a campanha online "Em busca da prótese e do equilíbrio!".

Jovem de Feliz que teve braço amputado depois de enfrentar câncer precisa de ajuda para colocar prótese. Eu só quero andar de bicicleta, cortar o abacaxi, abrir o pote de açaí. Eu só quero pilotar a caranga, descer a cachoeira, subir num pé de pitanga. Eu só quero fazer música, abraçar vivendo o agora, e sair por aí cantando, como um pássaro aquarela. Também quero agradecer a esse universo que me faz crescer, sem esquecer do ontem, mas vibrando no hoje de cada amanhecer. O poema escrito pelo designer Valteno Henrique Brunetto, 28 anos, enquanto estava internado no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, expressa o sentimento e a busca do jovem por um recomeço. Aos 24 anos, em 2016, ele foi diagnosticado com um câncer raro e agressivo. Encarou a doença de frente, mas em 2019, ele teve o braço, o ombro, a clavícula e a escápula do lado direito amputados.<!-- NICAID(14561954) -->
Natural de Feliz, ele mora com a namorada Bianca Isabel Lill, 25, em Nova PetrópolisFoto: Arquivo Pessoal / Divulgação

-  Minha coluna vertebral está ficando irregular em consequência da falta do membro. A prótese vai ajudar no equilíbrio do meu corpo, no auxílio da correção da coluna, nas tarefas diárias, no trabalho e na autoestima. Também irá auxiliar na prática de esportes, como o ciclismo, que eu adoro. 

O Sistema Único de Saúde (SUS) não oferece esse tipo de prótese e o plano de saúde de Brunetto também negou a colocação do material. Ele conversou com um advogado para recorrer, mas a prótese não tem cobertura pelo contrato do plano. Poucas empresas fazem esse tipo de prótese biônica no Brasil. Por isso, o rapaz precisa arrecadar recursos: 

Jovem de Feliz que teve braço amputado depois de enfrentar câncer precisa de ajuda para colocar prótese. Eu só quero andar de bicicleta, cortar o abacaxi, abrir o pote de açaí. Eu só quero pilotar a caranga, descer a cachoeira, subir num pé de pitanga. Eu só quero fazer música, abraçar vivendo o agora, e sair por aí cantando, como um pássaro aquarela. Também quero agradecer a esse universo que me faz crescer, sem esquecer do ontem, mas vibrando no hoje de cada amanhecer. O poema escrito pelo designer Valteno Henrique Brunetto, 28 anos, enquanto estava internado no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, expressa o sentimento e a busca do jovem por um recomeço. Aos 24 anos, em 2016, ele foi diagnosticado com um câncer raro e agressivo. Encarou a doença de frente, mas em 2019, ele teve o braço, o ombro, a clavícula e a escápula do lado direito amputados. <!-- NICAID(14561951) -->
Valteno Henrique Brunetto, 28 anos, precisa de ajuda para a colocação de uma próteseFoto: Arquivo Pessoal / Divulgação

-  O Hique é um ser cheio de luz, que ilumina por onde passa, é alguém cheio de força. Confesso que às vezes eu nem sei de onde ele tira tanta força e garra. É o cara mais batalhador que eu conheço! Merece muito o seu braço de ferro - afirma, com admiração, a amiga Franciele Dallemole, 29. 

LUTA PELA VIDA 

Desde o diagnóstico de Osteossarcoma - um tipo de câncer raro - que acomete as células formadoras dos ossos, o rapaz passou por altos e baixos: 

- Por muitas vezes, tive os indesejáveis efeitos do tratamento quimioterápico e das fragilidades psicológicas: noites em claro, ausência de apetite, indisposição e medo. Zelei em não me esconder atrás das emoções e, de fato, aceitar que aquilo estava acontecendo comigo. Entrei com sede ao pote, enfrentei o que chegava até mim. Sempre se vai mais longe quando acontece a mescla da vontade de viver com o esforço para alcançar esse desejo.

A maratona em busca da cura passou por sessões de quimioterapia, cirurgias frequentes e radioterapia. 

- Percebi que essa seria uma grande oportunidade para curar de dentro para fora. Rever minhas atitudes, pensamentos e emoções -  diz Brunetto. 

Na metade de 2019, o tratamento não surtiu mais efeito:

- Estava morrendo aos poucos, em casa. Eu e a morfina. Os remédios para dor já não eram mais suficientes. 

Desorientado e debilitado, ele foi internado no Hospital Moinhos de Vento (HMV) em Porto Alegre, onde passou 21 dias no Centro de Terapia Intensiva (CTI).  O braço direito estava comprometido e os pulmões já apresentavam diversas metástases. Foi neste momento que ele mais uma vez escolheu a vida. 

-  Me ver naquela situação e ter a noção de que eu estava vivendo uma finitude ou talvez algo novo, foi o impulso necessário para poder escolher com convicção: morrer ou desarticular o ombro direito, em sua totalidade - lembra ele. 

Depois de amputação, o desafio de se adaptar à nova rotina: 

- Diante da expectativa de melhora, com espiritualidade, fisioterapia regrada, várias sessões de psicoterapia e acompanhamento médico, estou passando por tudo isso. A caminhada da adaptação continuará até meu desenlace dessa vida que, muitas vezes é dolorida, mas também é muito linda.

Ele finaliza: 

- Viktor Frankl (neuropsiquiatra austríaco) mencionava uma frase de Friedrich Nietzsche, na qual hoje me inspiro: "Quem tem por que viver supera todo e qualquer como". Faço disso, meu objetivo. Eu tenho por que viver e agradeço imensamente por todo auxílio já recebido e por toda forma de afeto que recebi. 

COMO AJUDAR 

Pelo link da campanha ou ainda por depósito ou transferência nas seguintes contas:   

Nubank (Nu Pagamentos S.A) - 260
Agência: 0001  
Conta corrente: 4725476-4  
CPF: 024.933.980-33  
Titular: Valteno Henrique Brunetto

Banco Cooperativo Sicredi S.A - 748
Agência: 0101  
Conta Corrente: 22672-1  
CPF: 024.933.980-33  
Titular: Valteno Henrique Brunetto

PayPal: 

E-mail: vhenriquebr@hotmail.com

Leia também:
Sete instituições de ensino estão autorizadas a abrir em Caxias do Sul
Doação de plasma por mulheres começa a ser aceita no Hemocs de Caxias
Depois de um ano paralisado, Laren retoma análises de vinhos em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros