Estado vai apresentar proposta de volta às aulas na semana que vem - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Entrevista05/08/2020 | 10h11Atualizada em 05/08/2020 | 10h11

Estado vai apresentar proposta de volta às aulas na semana que vem

Secretário Agostinho Meirelles diz que governo levará planejamento para debate com prefeitos

Estado vai apresentar proposta de volta às aulas na semana que vem Ricardo Wolffenbüttel/Agencia RBS
Oferta desta etapa de ensino é uma obrigação dos municípios para estudantes de 4 e 5 anos Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agencia RBS

O Governo do Estado prepara uma proposta que será apresentada aos municípios para a volta às aulas. O planejamento será apresentado à Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) na semana que vem. A afirmação foi feita pelo secretário estadual de Articulação e Apoio aos Municípios, Agostinho Meirelles, em entrevista ao Gaúcha Hoje da rádio Gaúcha Serra na manhã desta quarta-feira (5). 

Segundo o secretário, a proposta deve avaliar principalmente o retorno da Educação Infantil, já que a oferta desta etapa de ensino é uma obrigação dos municípios para estudantes de 4 e 5 anos. 

— Não adianta só o Estado decidir numa canetada que abrirá tal dia, tem que conversar com os municípios e escolas particulares, que são os responsáveis por essa parte da educação no nosso Estado. Mas, sim, nós já temos um planejamento para a abertura da Educação Infantil.

Leia mais
Faculdades retomarão aulas de forma virtual em Caxias
Escolas de Caxias do Sul aguardam posição do Estado para retorno às aulas presenciais
Escolas de educação infantil de Caxias do Sul elaboram planos de ação para voltar às aulas

Flexibilização 

O secretário defendeu a flexibilização de medidas do modelo de distanciamento social para o retorno de atividades econômicas. Na terça-feira (4), o Estado divulgou que cidades na bandeira vermelha poderão ficar com comércio aberto de quarta a sábado, entre 10h e 16h. Já os restaurantes poderão funcionar de segunda a sábado, no mesmo horário, com 50% de trabalhadores e 25% de lotação. Conforme Meirelles, as mudanças são demandas da sociedade, empresários e dos municípios. 

— Nós necessitamos do controle sanitário, mas também temos que permitir que as pessoas desenvolvam as suas atividades econômicas. No caso do comércio e do setor de alimentos, a questão do take away ou do drive trhu, na maior parte dos municípios, ela tinha e tem muita dificuldade de se aplicar. Então é um setor que vem acumulando muito prejuízo e os protocolos para o atendimento presencial são exemplares. Então, na verdade, nós achamos que chegou um momento (de flexibilizar) para as pessoas não sucumbirem até por outra chaga que seria o desemprego maior ainda. 

Leia mais
Comércio e restaurantes vão poder abrir em dias e horário determinado na bandeira vermelha

Queda das mortes 

No final da semana passada, municípios da Serra decidiram adotar medidas intermediárias entre as normais da bandeira laranja e da vermelha. As prefeituras foram alvos de uma série de ações do Ministério Público e a maioria teve de voltar para a bandeira vermelha. Na rodada prévia, que é feita às sextas, a região permaneceria com as regras mais rígidas por alto risco de contágio pelo coronavírus. No entanto, na segunda-feira (3), após recurso dos prefeitos, a região voltou para a laranja, que tem normais mais brandas.  

Na entrevista, o secretário garantiu que a mudança considerou aspectos técnicos, já que a média da Serra no sistema de distanciamento ficou próxima do limiar entre as duas bandeiras. Meirelles projetou que as mortes vão começar a cair inclusive nas regiões mais populosas do Estado nas próximas duas semanas: 

—  Várias regiões já demonstram queda no número de internações, de hospitalizações e óbitos. Obviamente, em centros mais populosos, como a Região Metropolitana de Porto Alegre e a Serra, que são duas regiões que têm as maiores populações do Estado, ainda não começou essa queda, e sim um platô. Mas quando a gente se referia a óbitos, como está estabilizado e há uma tendência de queda, a gente acredita que em duas semanas esses óbitos também começarão a cair — afirmou, ao salientar que os cálculos são feitos por um grupo de estatísticos. 

Leia também
Prefeitura de Caxias do Sul confirma 3.272 casos positivos para o coronavírus
Amanhecer é gelado, mas termômetros chegam aos 24°C na Serra nesta quarta
Número de ambulantes cresce em Caxias do Sul mesmo com fiscalização intensificada

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros