Cantina Pão & Vinho: passado e futuro em sintonia - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Memória08/08/2020 | 07h00Atualizada em 09/08/2020 | 16h47

Cantina Pão & Vinho: passado e futuro em sintonia

Em fase de revitalização, espaço abrigará empreendimentos que dialogam com o vinho e a gastronomia típica italiana, referências do espaço desde 1914

Cantina Pão & Vinho: passado e futuro em sintonia Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami/Divulgação
A Cantina Pão & Vinho em meados da década de 1980 Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação

Duas famílias, produção de vinho, farta gastronomia italiana e muita história para contar. A combinação não poderia ser melhor quando se fala de um dos endereços mais tradicionais do bairro Santa Catarina e de Caxias: o da antiga Cantina Pão & Vinho, atualmente em fase de revitalização para abrigar um novo espaço enogastronômico, dotado de wine bar e cafeteria.

Todo esse trabalho, obviamente, mescla-se à vocação intrínseca do casarão, originalmente construído para abrigar a vinícola do comerciante José Andreazza e sua família em 1914, conforme abordado na coluna de sexta-feira. A partir de 1947, porém, a história ganha novos protagonistas. É quando o imóvel é adquirido pelo senhor Ângelo Tonet, oriundo da Linha 80, interior de Flores da Cunha.

Além de servir como moradia para a família, composta pela esposa Ângela e pelo 10 filhos, o casarão abrigou a produção e comercialização dos vinhos Atílio Tonet (nome do pai de Ângelo), cuja marca manteve-se no mercado até os primeiros anos da década de 1950.

Leia mais
Família Andreazza celebra as origens nos Pavilhões da Festa da Uva
Um arrabalde visto das alturas nos anos 1970
A trajetória do imigrante Ludovico Cavinato 

A Cantina Pão & Vinho iluminada em meados da década de 1980, com a rua de mão dupla e ainda de paralelepípedos. Casarão construído em 1914 pelo comerciante José Andreazza abrigou, a partir de 1947, a residência de Angelo Tonet, cujas filhas inauguraram, em 1975, a lendária Cantina Pão & Vinho, fechada em 2011. Em 2020, espaço está sendo revitalizado para abrigar cafeteria e wine bar.<!-- NICAID(14563431) -->
A cantina iluminada nos anos 1980, com a rua de mão dupla e ainda de paralelepípedosFoto: Acervo de família / Divulgação

Restaurante em 1975

Na metade da década de 1970, a produção dos Tonet foi transferida para a Linha 40, e o prédio que abrigava a cantina passou a ser alugado. Foi barbearia, salão de beleza e depósito de sucata, até que em 1975 as filhas de Ângelo, Colorinda (a Nina) e Marilene, resolveram instalar ali a mítica Pão & Vinho. Era o ano das comemorações do centenário da imigração italiana, da Festa da Uva, da inauguração dos modernos Pavilhões e da revitalização da Casa de Pedra – todos espaços vizinhos do restaurante e que, a partir de então, começariam a receber milhares e milhares de turistas.

Não por acaso, foi no espaço junto ao casarão da cantina que funcionou, temporariamente durante a Festa da Uva de 1975, o Museu do Vinho. A atração foi organizada pela professora Maria Frigeri Horn, diretora de museus da prefeitura na gestão de Mario Bernardino Ramos e responsável pela restauração da Casa de Pedra.

Confira abaixo o filme original de inauguração da Casa de Pedra, em que a então "Cantina do Vinho, Pão e Queijo" e o coquetel servido ao público aparecem a partir do minuto 5.

Leia mais
Casa de Pedra: uma restauração em 1975
A inauguração da Casa de Pedra em 1975
A inauguração dos Pavilhões da Festa da Uva em 1975

 Cantina Pão & Vinho irá fechar no sábado. Indexador: RICARDO WOLFFENBUTTEL           <!-- NICAID(6888566) -->
Restaurante de 36 anos fechou em 2011Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agencia RBS

A última refeição em 2011 

Depois de 36 anos funcionando como uma espécie de “instituição gastronômica” e “cartão de visitas” de Caxias do Sul, a Cantina Pão & Vinho anunciou o encerramento das atividades no início de 2011 - a última refeição foi servida em 27 de março daquele ano. Matéria do Pioneiro na época destacou a fama do restaurante, o aconchego do ambiente e, logicamente, o cardápio típico, temperado com ingredientes saídos de uma horta própria. 

O início, em 1975, foi recordado pelo senhor Nestor De Carli, marido de Nina: “Veio a ideia de um restaurante diferente. Servir polenta, radicci, fortaia. Tudo aquilo que a gente tinha sido criado comendo”, contou à época De Carli, marido de Nina, que conduziu o restaurante por anos com o casal de sócios Marilene Tonet Moroni - a Neca, irmã de Nina - e Raul Mário Moroni.

 Cantina Pão & Vinho irá fechar no sábado. na fotoIndexador: RICARDO WOLFFENBUTTEL           <!-- NICAID(6888604) -->
Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Agencia RBS

A revitalização

Tombado pelo Patrimônio Histórico do Município, o prédio da cantina ganha novos rumos por meio de uma parceria entre a família Tonet e a empresa Palk Business Hub, dirigida pelo empresário Luciano Bulla e com foco em gestão patrimonial.

Já as definições do restauro e os critérios de intervenção foram elaborados pelos arquitetos Leonardo Bernardi e Carla Todescato, após pesquisa histórica, levantamento das patologias e análise do estado de conservação das edificações, iniciadas ainda em 2016. Em seguida, foram organizados três grupos de critérios: a conservar, a demolir e a construir. 

— Quanto ao critério “a construir”, adotamos os princípios de distinguibilidade e compatibilidade para a escolha dos materiais que serão usados. Quando a obra estiver concluída, a comunidade conseguirá identificar com facilidade o que é antigo e o que é intervenção com novos materiais. O prédio tem que ser verdadeiro com a sua história, ao mesmo tempo que conversa com o futuro — observa Carla.

Para o arquiteto Leonardo Bernardi, a intervenção deve ser reversível, ou seja, o projeto não pode comprometer a originalidade do prédio:

— Se daqui a 30 anos a nossa intervenção não servir mais, ela poderá ser removida sem que o prédio perca seu valor arquitetônico.

Revitalização da Cantina Pão & Vinho, no bairro Santa Catarina, coordenada pelos arquitetos Carla Todescato e Leonardo Bernardi. Casarão construído em 1914 pelo comerciante José Andreazza abrigou, a partir de 1947, a residência de Angelo Tonet, cujas filhas inauguraram, em 1975, a lendária Cantina Pão & Vinho, fechada em 2011. Em 2020, espaço está sendo revitalizado para abrigar cafeteria e wine bar.<!-- NICAID(14563424) -->
Revitalização deve estar concluída até novembroFoto: Jociele Rodrigues / Divulgação
Revitalização deve estar concluída até novembroFoto: Jociele Rodrigues / Divulgação

Símbolo

Já estão sendo feitas ações de divulgação da história do prédio nos próprios tapumes que o cercam. O slogan “Respeitar o passado para ressignificar o futuro” busca mostrar ao público que existe uma relação de respeito com a história do ambiente, prestigiado durante décadas tanto por caxienses quanto por visitantes do complexo turístico composto pelos Pavilhões da Festa da Uva e pelo Museu Ambiência Casa de Pedra. As obras devem estar concluídas em novembro.

Foto: Jociele Rodrigues / Divulgação

Leia mais
O falecimento de Ermelinda Viero Gianella em 1968
Cobertores que fizeram a fama do Lanício Gianella
Irmãos Gianella: envoltos por uma história iniciada e 1915
Anos de indefinição deixam Lanifício Gianella em ruínas  
Para recordar de dona Itália Gianella Baldisserotto
Ranchos no Lanifício Gianella em 1941
Lanifício Gianella na Festa da Uva de 1965
Os 60 anos da Paróquia Santa Catarina
Studio Geremia: mesmo cenário, vários noivos 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros