Quase um mês após a autorização, remoção de pedras da Rota do Sol, em Itati, ainda não começou - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Obra aguardada10/07/2020 | 09h57Atualizada em 10/07/2020 | 10h42

Quase um mês após a autorização, remoção de pedras da Rota do Sol, em Itati, ainda não começou

Segundo o Daer, ausência das equipes na rodovia se deve ao período chuvoso

Quase um mês após a autorização, remoção de pedras da Rota do Sol, em Itati, ainda não começou Porthus Junior/Agencia RBS
Desmoronamento ocorreu no início de junho de 2019 Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Um mês após a assinatura da ordem de início para remoção de pedras sobre a pista, as máquinas ainda não são vistas no km 4 da RS-486, a Rota do Sol, em Itati. O ponto está com a faixa de descida da Serra interrompido há pouco mais de um ano devido ao deslizamento da encosta.

Leia mais
Remoção de pedras da Rota do Sol, em Itati, é autorizada
Remoção de pedras da Rota do Sol, em Itati, começa em junho, garante secretário dos Transportes

A autorização foi assinada no dia 16 de junho e a expectativa é de que as obras tivessem início até o fim do mês, após a mobilização das equipes. Conforme apurado pela reportagem, desde o anúncio das obras não houve alterações no local. Nos últimos dias, equipes do Daer estiveram vistoriando o ponto, que sempre oferece risco de novos deslizamentos em períodos de chuva prolongada como as últimas semanas. Por conta disso, desde a queda de barreira, as pedras foram deixadas sobre a pista como uma barreira de proteção, obrigando os motoristas que seguem ao Litoral a utilizar uma das duas faixas de subida.

De acordo com o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), o que impediu o início do trabalho foi justamente a sequência de semanas chuvosas, que começou no fim de junho. Dessa forma, a expectativa é de que as máquinas comecem a trabalhar assim que o tempo firmar.

— Para iniciar a obra precisamos de, no mínimo, 48 horas de sol. Com toda essa chuva, seria até um risco para os funcionários, não tinha a mínima condição de começar. Mas a empresa já está contratada e os recursos disponíveis — afirma o secretário de Logística e Transporte do Estado, Juvir Costella.

Mais do que a retirada das pedras, as obras que serão realizadas no ponto consistem na construção de uma nova contenção para evitar quedas de barreira. A encosta irá receber telas especiais fixadas por tirantes (espécie de barras de ferro fixadas na rocha). A primeira etapa, contudo, consiste na retirada das pedras, que precisarão passar por um processo de fragmentação sem o uso de explosivo pelo fato da área ser de proteção ambiental. Os blocos maiores serão quebrados com a utilização de uma argamassa, que se expande e fragmenta a rocha dias após a aplicação.

As obras serão realizadas pela construtora Toniolo Busnello por meio de um aditivo de contrato. A empresa foi a responsável pela fixação das barreiras na época da construção da estrada e mantinha um contrato de manutenção das estruturas. O custo previsto é de R$ 3 milhões.

Leia também
Prefeitura de Caxias do Sul confirma o 25º óbito por coronavírus
Prefeitura de Caxias do Sul anuncia abertura de oito novos leitos de UTI no Hospital Geral 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros