Primórdios do Corpo de Bombeiros em Caxias - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória04/07/2020 | 07h00Atualizada em 04/07/2020 | 07h00

Primórdios do Corpo de Bombeiros em Caxias

Instalação de uma guarnição na cidade remete a 1932, a pedido de companhias de seguro da época

Primórdios do Corpo de Bombeiros em Caxias Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami/Divulgação
Em frente ao atual Colégio São Carlos: demonstração de combate ao fogo pelos bombeiros na Rua Sinimbu em direção a Coronel Flores, onde ficava a antiga sede, por volta de 1958 Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação

A história chega com dois dias de atraso, visto que o Dia do Bombeiro foi celebrado quinta-feira (2), mas vale recordar dos primórdios do trabalho dos “Homens do Fogo”, como eles eram chamados antigamente. Parte da trajetória do Corpo de Bombeiros de Caxias do Sul foi descrita na antiga página Memória, publicada pelo Pioneiro na década de 1980, a partir das pesquisas do historiador Juventino Dal Bó e da equipe do então Museu e Arquivo Histórico Municipal. Texto da edição de 30 de junho de 1984 destacou:

“O Corpo de Bombeiros em Caxias do Sul só foi instalado em 1932. É curioso também quando se constata que ele não surgiu por exigência da população, mas porque os representantes das companhias de seguro contra fogo desta cidade propuseram ao intendente a sua criação, comprometendo-se em fornecer à Municipalidade dois caminhões e uma verba correspondente a 5% da renda global dos segurados, cabendo ao Município o encargo de manter o corpo e instruí-lo. As companhias de seguro colocaram à disposição 44 mil contos de réis para a aquisição do material necessário”. 

Leia Mais
Irmãos Pisani: o incêndio na fábrica de marmeladas em 1948
Memória: o incêndio do Duque de Caxias em 1950
Um parque e um incêndio em 1950
Centenário da Ferragem Andreazza: o incêndio de 1948
O incêndio da Ferragem Caxiense em 1952
O incêndio na firma Guerino Sanvitto & Cia em 1952
Moinho Progresso e um incêndio em 1954 

FREDERICO BERGMANN 

O texto de 1984 trazia as lembranças de seu Oscar Cardoso de Azevedo, à época um dos mais antigos bombeiros de Caxias do Sul, atuante no órgão por 31 anos, de 1934 a 1965: 

“Quando entrei, tinha dois caminhões Chevrolet 29 - um com tanque de água com capacidade para 1.500 litros e outro auxiliar para transportar o material como ferramentas, mangueira, magote e tudo o que faz parte da lida. O quartel do Corpo de Bombeiros, que teve sua primeira sede na oficina e garagem de Primo Picolli, na Rua Pinheiro Machado, havia mudado para a Feijó Júnior, num barracão que pertencia a Matteo Gianella. O primeiro comandante foi o senhor Frederico Bergmann e tinha meia dúzia de funcionários”. 

Na foto maior acima, uma demonstração de combate ao fogo pelos bombeiros na Rua Sinimbu em direção a Coronel Flores, onde ficava a antiga sede, por volta de 1958.

A história da Ferragem Caxiense, na Rua Sinimbu, em frente ao Eberle, ficou marcada pelo famoso incêndio de 23 de novembro de 1952. Decorrente de uma explosão, o sinistro consumiu parte do prédio de alvenaria, um casarão de dois pavimentos em madeira ao lado, onde funcionava o curso de desenho da metalúrgica, e a antiga Casa Minghelli, estabelecimento comercial situado na esquina com a Marquês do Herval.<!-- NICAID(13904211) -->
Equipe combatendo as chamas que destruíram a Ferragem Caxiense e, na sequência, a Casa Minghelli, nas esquina da Sinimbu com a Marquês, em 23 de novembro de 1952Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
Incêndio na Ferragem Caxiense (localizada na Rua Sinimbu) em 1952. Escombros da Casa Minghelli, ao lado da ferragem, na esquina da Rua Marquês do Herval com a Sinimbu.<!-- NICAID(10731771) -->
Bombeiros junto aos escombros da Casa Minghelli, totalmente destruída pelo fogo em 1952. Registro captado a partir do terraço do EberleFoto: José Dalabilia / acervo pessoal de Maria Angélica Pettinelli Angonese,divulgação

Leia mais
Você é um morador "raiz" do bairro São Pelegrino? Teste seus conhecimentos
Avenida Rio Branco e a Sociedade Brasileira de Vinhos

As construções em madeira

Outra abordagem da matéria de 1984 foi a predominância da madeira nas construções, o que contribuía para a frequência das chamadas:

“Repassando jornais, ouvindo pessoas idosas, analisando um ou outro aspecto da nossa história, encontramos na cultura local vários resquícios que indicam ter sido o fogo uma preocupação constante entre os moradores desta cidade, desde o já distante século 19. Os imigrantes que povoaram Caxias do Sul e arredores aproveitaram a matéria-prima mais abundante na região, a madeira, e seu uso quase exclusivo fez de Caxias do Sul, no final do século passado e início deste (20), uma cidade de madeira, não só as casas residenciais, mas também seus prédios mais significativos, como igrejas, casas de comércio, cinemas, escolas, cafés, hoteis, etc.  O medo do fogo fez com que surgisse um tipo de construção característico: casas construídas separadamente - casa de dormir e casa de comer - onde ficava o fogoler (fogão primitivo). Apesar desta e outras precauções, os incêndios não deixaram de acontecer. A memória das pessoas mais idosas está povoada de incêndios. E é inevitável que, em depoimentos, as imagens e os relatos de fogo e destruição venham à tona. A destruição da Igreja Matriz, em 1886, e outros grandes sinistros ficaram na memória, como o da Casa Minghelli (hoje Joalharia Kaiser), na Praça Rui Barbosa”. 

Frederico Bergmann, primeiro comandante do Corpo de Bombeiros de Caxias, em um registro de 1912<!-- NICAID(14537745) -->
Frederico Bergmann, primeiro comandante do Corpo de Bombeiros de Caxias, em 1912Foto: Domingos Mancuso,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação

Leia também
Germano Pisani & Cia: a chegada da Coca-Cola em 1949
Anúncios da Brazex Aços Máquinas em 1956
Uma esquina em obras nos anos 1940

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros