Para driblar vandalismo, Codeca fabrica contêiner antichamas em Caxias - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Inovação 24/07/2020 | 13h36Atualizada em 24/07/2020 | 13h36

Para driblar vandalismo, Codeca fabrica contêiner antichamas em Caxias

Companhia apresentou um protótipo de aço desenvolvido pelos próprios funcionários para substituir os de plástico 

Para driblar vandalismo, Codeca fabrica contêiner antichamas em Caxias Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Companhia apresentou um protótipo desenvolvido em metal (à esquerda) pelos servidores para substituir os de plástico Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Para frear os constantes atos de vandalismo contra os contêineres de lixo seletivo, a Companhia de Desenvolvimento de Caxias do Sul (Codeca) apresentou um equipamento antichamas na manhã desta sexta-feira (24). 

Dois contêineres amarelos, um de plástico e o novo modelo, forjado com aço 1020 pelos funcionários do setor de manutenção da Codeca, foram colocados lado a lado no pátio da companhia. O protótipo foi testado para comprovar a eficácia do material quando exposto ao fogo, vandalismo que ocorre com frequência na cidade. 

Leia mais
Contêineres de lixo seletivo voltam a ser alvo de vândalos em Caxias
Mais de 100 contêineres foram substituídos em 2019 por causa de vandalismo em Caxias do Sul 

Para simular uma situação de rua, foi colocado resíduo seletivo nos equipamentos. Os equipamentos de plástico e de aço foram incendiados ao mesmo tempo. As chamas eram mais aparentes no contêiner de plástico. Ao mesmo tempo, o de aço parecia se deteriorar mais rapidamente com o fogo. No entanto, o dano era somente externo, na pintura. No caso do material de plástico, as chamas aumentaram rapidamente, e fogo atingiu a estrutura interna. Em pouco mais de dois minutos, ele foi totalmente consumido pelo fogo. O equipamento de aço ficou danificado apenas na parte externa, sem danos na estrutura.

Confira o vídeo 

- Os dois queimam, a diferença é que o de aço terá como ser recuperado porque a estrutura dele não será comprometida, enquanto o de plástico derrete e na maioria das vezes é completamente destruído _ explica Douglas Leal, Supervisor de Infraestrutura. 

O modelo de aço, depois de ser incendiado, ficou com tinta descascada, o que pode ser resolvido com pintura antichamas. 

- O material queima e vai ficar com esse aspecto feio, mas é só por fora.  Esse contêiner de aço será totalmente recuperado. Há 22 em testes nas ruas para que possamos ir melhorando os equipamentos - complementa Leal. 

O peso do protótipo foi ajustado até que ele se tornasse adequado para ser carregado no caminhão que recolhe o lixo. Com os testes, a Codeca quer apostar neste equipamento para substituir gradualmente os 1.835 contêineres amarelos na cidade. 

- Criamos um Departamento de Inovação para que os funcionários que têm conhecimento do dia a dia com o que acontece na Codeca possam colocar as ideias e projetos em prática. A confecção será interna, aproveitando a mão de obra e a qualificação dos servidores -  diz o diretor administrativo financeiro da Codeca, Luis Felipe Burtet. 

Ele ressalta que essa ideia era discutida internamente, mas essa é primeira vez que testam o equipamento com foco no combate ao prejuízo provocado pelos vândalos: 

- Nos primeiros seis meses de 2020, 110 equipamentos foram incendiados em Caxias. O prejuízo é de R$ 154 mil aos cofres públicos somente neste ano. A cada ano, a Codeca precisa repor os equipamentos destruídos, sendo que cada contêiner amarelo custa R$ 1.400. Com o de aço, que será produzido pela companhia, o valor cai para R$ 900. 

Em 2019, no primeiro semestre foram 64 ataques e o ano encerrou com 202 contêineres destruídos. 

ALERTA 

A tampa do equipamento de aço não será substituída. Ela continuará sendo de plástico para manter a segurança da população, uma vez que é mais leve. Os bombeiros participaram da simulação e aproveitaram para fazer um alerta à comunidade: deixar a tampa do equipamento, tanto do verde quanto do amarelo, sempre fechada. Isso evita a propagação do fogo, em caso de incêndio. 

O soldado Júlio Haiton avaliou o modelo: 

- A durabilidade do contêiner de metal é maior, e ele aguenta o fogo. O de plástico é altamente inflamável depois que ele perde o componente antichamas, e derrete rápido. 

Os contêineres de plásticos são fabricados em polietileno de alta densidade. Por isso, apesar de o material ter em sua composição um aditivo antichama, que evita a criação de labaredas, o polietileno continua sendo inflamável e faz com que o contêiner derreta completamente

-  Caso a população aviste contêineres em chamas, deve ligar para o 193 e acionar os bombeiros. Não é seguro tentar apagar o fogo porque não se sabe o que tem dentro do contêiner e há substâncias, que em contato com a água, podem explodir.  

Primeiro semestre positivo 

A Codeca também divulgou o resultado do primeiro semestre. Segundo a companhia, ao contrário das projeções de janeiro, que previam um prejuízo de pouco mais de R$ 2,5 milhões nos seis primeiros meses do ano, a empresa encerrou o período com um superávit de cerca de R$ 900 mil. Entre janeiro e junho de 2019, a Codeca havia amargado um prejuízo de R$ 6,6 milhões. Ainda segundo a companhia, a implantação de medidas administrativas de contenção de despesas e a racionalização no processo operacional trouxeram esses resultados positivos. 

Leia também
Caxias do Sul ganhou 45 leitos de UTI durante a pandemia   
Horários dos ônibus em Caxias do Sul serão reduzidos neste domingo
Caxiense comemora cem anos com festa virtual e mimos pelo correio

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros