"Fico em pânico quando vejo a água subindo", conta moradora sobre cheia do Rio Caí - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

São Sebastião do Caí 01/07/2020 | 15h17Atualizada em 02/07/2020 | 09h32

"Fico em pânico quando vejo a água subindo", conta moradora sobre cheia do Rio Caí

Pelo menos 73 pessoas tiveram que ser removidas de casa 

"Fico em pânico quando vejo a água subindo", conta moradora sobre cheia do Rio Caí Antonio Valiente/Agência RBS
Rio Cai subiu 12,20 metros e obrigou famílias a saírem de casa Foto: Antonio Valiente / Agência RBS

"Ficamos observando o rio, e sabemos que quando chove forte teremos que sair". O relato é de uma das moradoras que vive um drama sempre que o Rio Caí, em São Sebastião do Caí, passa dos 11 metros. A cheia do rio obrigou 17 famílias do bairro Navegantes a deixarem suas casas. Eles foram removidos pela Defesa Civil entre às 22h de terça (30) e às 2h desta quarta-feira (1).  São 73 pessoas alojadas no abrigo. Segundo a Defesa Civil estadual, São Sebastião do Caí é única cidade com enchente no RS. 

A enchente atingiu as ruas mais próximas ao Rio Caí, no bairro Navegantes, e também a Avenida Osvaldo Aranha, na altura do campo do Esporte Clube Riachuelo, que estava embaixo d’água.

 SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ, RS, BRASIL (01/07/2020)Rio sobe e 17 famílias são tiradas de casa em São Sebastião do Caí. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14535320) -->
O campo do Esporte Clube Riachuelo, que estava embaixo d’águaFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Leia mais
Rio Caí sobe e 16 famílias são retiradas de casa em São Sebastião 
Nível do Rio Caí sobe e famílias são retiradas de casa em São Sebastião do Caí

 Jane Losi de Melo, 58 anos, mora desde pequena nas áreas ribeirinhas no bairro Navegantes:

- Às vezes perdemos tudo. A água leva o pouco que temos. Fico sempre em pânico quando a água começa a subir. Queria sair dali, me mudar, mas sou viúva e tenho um filho autista. Preciso de ajuda - desabafa ela. 

 SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ, RS, BRASIL (01/07/2020)Rio sobe e 17 famílias são tiradas de casa em São Sebastião do Caí. Na foto, Jane Losi de Melo, 58 anos, mora desde pequena nas áreas ribeirinhas no bairro Navegantes. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14535337) -->
Jane Losi de Melo, 58 anos, mora desde pequena nas áreas ribeirinhas no bairro Navegantes:Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Para o Centro Integrado Navegantes, as famílias levaram colchões, cobertores e travesseiros. Os lençóis foram usados para improvisar uma espécie de barraca. Quem conseguiu pegou fogão, tanquinho e máquina de lavar. As crianças brincavam uma com as outras e com os animais de estimação.

Veleda Sarmento, 57, estava no abrigo com o marido, Paulo, 51, a filha Angelita, 27, e os netos Robson, 12, Maiara, oito, e Márcio, quatro.

 SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ, RS, BRASIL (01/07/2020)Rio sobe e 17 famílias são tiradas de casa em São Sebastião do Caí. Na foto, Veleda Sarmento, 57 estava no abrigo com o esposo, Paulo, 51, a filha Angelita, 27 anos e os netos Robson 12, Maiara, oito e Márcio, quatro. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14535331) -->
Veleda Sarmento, 57, estava no abrigo com o marido, a filha e os netos Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

- Se chove forte sabemos que vamos ter que ir. É um desespero - conta ela.

Karina Comentiol Horn, 33, afirma que entrou muita água na casa do pai dela.

 SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ, RS, BRASIL (01/07/2020)Rio sobe e 17 famílias são tiradas de casa em São Sebastião do Caí. Na foto, Karina Comentiol Horn, 33 anos. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14535346) -->
Karina Comentiol Horn, 33, afirma que entrou muita água na casa do pai delaFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

- Tinha me mudado e saído da beira do rio, mas me separei e voltei para a casa do meu pai. Conseguimos trazer o mais importante - diz ela, que estava com os filhos de 15,12, nove, sete e o tio de 57, que tem sequelas provocadas por um AVC. 

- O tio mora embaixo da casa do meu pai. Ele teve um derrame e tem dificuldades. Ajudamos ele a vir para o abrigo.

O reciclador Tassiano Sousa da Silva, 30, estava com a mulher Michele, 23, e a filha Maria Clara, de um ano e dois meses. 

- Nossa casa é no chão. Nós precisamos erguer ela. Não temos condicões de comprar madeira. Consegui ajuda para fazer o banheiro e usei algumas economias. Agora não tenho como melhorar a casa. 

 Ele estava cercado de livros: 

 SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ, RS, BRASIL (01/07/2020)Rio sobe e 17 famílias são tiradas de casa em São Sebastião do Caí. Na foto, Tassiano Sousa da Silva, 30, estava com a esposa Michele, 23 e a filha Maria Clara de um ano e dois meses. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14535357) -->
/reciclador Tassiano Sousa da Silva, 30, salvou os livros que usa para estudar em busca de uma vida melhorFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

- Voltei a estudar no supletivo. Trabalho com reciclagem, mas estamos em busca de melhores condições de vida. Tenho os livros que me doaram e estou estudando. Leio bastante e uso o celular para estudar também.

Já Elisete Machado Bueno, 29, estava com o marido Rafael, 29, e as duas filhas, Maísa, de 11, e Maithe, de oito meses. 

 SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ, RS, BRASIL (01/07/2020)Rio sobe e 17 famílias são tiradas de casa em São Sebastião do Caí. Na foto, Elisete Machado Bueno, 29, com o esposo Rafael e as filhas Maisa, 11 e Maithe de oito meses. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14535360) -->
Elisete Machado Bueno, 29, estava com o marido Rafael, 29, e as duas filhas, Maísa, de 11, e Maithe,Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

- Moro bem na beira do rio. Qando começou a entrar água me desesperei. Estamos há menos de um ano morando nessa casa. É assustador a água entrar na tua casa e tu teres que sair correndo. Se pudesse, sairia dali - lamenta ela. 

Cheias são históricas no Caí 

 SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ, RS, BRASIL (01/07/2020)Rio sobe e 17 famílias são tiradas de casa em São Sebastião do Caí. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14535401) -->
Coordenador da Defesa Civil de São Sebastião do Caí, Pedro Gribler, monitora a situação Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

As enchentes são históricas no município. Por volta das 6h, o nível do Rio Caí estava com 12m20cm. O nível normal é 2,5 metros. Em novembro de 2019, quando havia acontecido a última enchente, o Caí chegou a 12m50cm.

- A diferença é que naquela vez encheu em dois dias e, dessa vez, em 20 horas - explica o coordenador da Defesa Civil de São Sebastião do Caí, Pedro Gribler.

Ele ressalta ainda que a situação está sendo monitorada: 

 SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ, RS, BRASIL (01/07/2020)Rio sobe e 17 famílias são tiradas de casa em São Sebastião do Caí. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14535379) -->
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

- Subiu rapidamente devido a água dos rios de Nova Petrópolis e Caxias do Sul, que desaguam no Caí. Nos antecipamos e retiramos quem não tinha para onde ir.

Ainda segundo o coordenador, mais 350 pessoas são afetadas pela cheia. No entanto, nem todas são levados para o abrigo.

- Algumas ficam na parte de cima do imóvel ou com familiares e amigos. 

A expectativa é que nesta quinta-feira (02) os moradores retornem para as casas porque o rio começou a baixar.

 SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ, RS, BRASIL (01/07/2020)Rio sobe e 17 famílias são tiradas de casa em São Sebastião do Caí. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14535391) -->
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Cuidados

Todas as pessoas que chegaram ao abrigo tiveram a temperatura medida. Quem estava sem máscara ganhou uma e também recebeu álcool gel. Elas também estão a três metros umas das outras. Contudo, nem todas seguiram a orientação dos voluntários.

Para doar e ajudar as famílias basta entrar em contato com a Secretaria de Assistência Social, pelo telefone (51) 3635.2569.

Leia também
Temporal derruba árvore e provoca deslizamento de terra em Garibaldi
Temporal provoca quedas de árvores em residências de Canela
"Marco no atendimento da urgência em Caxias", diz secretário da Saúde sobre nova gestão da UPA da Zona Norte

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros