Amesne entrará com recurso para manter a Serra gaúcha nos critérios da bandeira laranja - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Ban10/07/2020 | 20h24Atualizada em 10/07/2020 | 20h25

Amesne entrará com recurso para manter a Serra gaúcha nos critérios da bandeira laranja

Associação argumenta que a capacidade de atendimento é alta e que o contágio está estabilizado

Amesne entrará com recurso para manter a Serra gaúcha nos critérios da bandeira laranja Assessoria de imprensa da Amesne/Divulgação
Foto: Assessoria de imprensa da Amesne / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

A possível ida da Serra gaúcha para a bandeira vermelha, pelo sistema de Distanciamento Controlado do Governo do Estado, teve novamente reações entre os prefeitos da região nesta sexta-feira (10). Presidente da Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste, José Carlos Breda, afirma que irão ingressar com novo recurso para manter o regramento atual, em laranja.

Leia mais
Acompanhe os casos confirmados na Serra
Serra Gaúcha poderá entrar em bandeira vermelha na próxima semana
Caxias do Sul confirma duas mortes por coronavírus

— Dentro dos critérios de distanciamento do Estado já esperávamos essa notícia, que seria bandeira vermelha. Entretanto, pela avaliação que nós fizemos com o observatório regional da saúde, faremos um recurso demonstrando que a Serra tem condições de permanecer na bandeira laranja. Especialmente pelo aumento no número de leitos (de UTI) e até uma estabilização segura, digamos assim, da contaminação. Ela não se apresentou ainda ameaçadora na nossa região — afirma Breda, prefeito de Cotiporã.

O prefeito de Caxias do Sul, Flávio Cassina, adota a mesma linha de discurso e diz que esta constante alteração é prejudicial neste momento:

— Temos condições nesse momento de buscarmos argumentos relevantes sobre a capacidade de atendimento clínico e de UTI a serem apresentados para o comitê. O recurso será apresentado nesse sábado e na esperança de dar tudo certo. Viver nessa gangorra é terrível, não temos mais como segurar a equação correta entre economia e saúde — protestou.

O prefeito Pedro Pedrozo (PSB), de Farroupilha, se manifestou, por meio de material divulgado nas redes oficiais da prefeitura. Conforme o material, ele "lamenta a determinação, mas reforça que o Observatório Regional de Saúde estará apresentando recurso junto ao governo, em nome de todos os municípios que compõem a macroserra".

O prefeito de Gramado, João Alfredo de Castilhos Bertolucci (PDT), disse que o pedido que alguns prefeitos da região das Hortênsias tinham feito de se separarem da macrorregião de Caxias acabou sendo deixado de lado. Isso porque o governo vem aceitando os recursos interpostos pela Amesne, mas ele não está certo de que, desta vez, o governo vá aceitar o recurso.

— Com todo respeito, Gramado não está fazendo por merecer isso —disse o administrador municipal.

Por fim, a nota oficial da Amesne adota um tom mais forte e deixa nas entrelinhas que desta vez será mais difícil a reversão. "Reafirmamos nossa compreensão de que toda sociedade é responsável pelo possível agravamento das condições de propagação da pandemia e pelas indesejáveis restrições impostas aos setores produtivos com redução das atividades, desemprego e fechamento de empresas", diz a manifestação conjunta.

Confira a nota na íntegra:

"O Comitê Estratégico do OBSAÚDE acompanha diariamente a situação dos indicadores que submetem as regiões do RS aos índices determinantes da “cor da bandeira” demonstrando o comportamento da pandemia e a capacidade de atendimento hospitalar. Após reunião do Comitê Estratégico vem esclarecer o seguinte:
1 - Esta é a terceira semana subsequente de “bandeira vermelha” na macroserra que reúne 49 municípios. Na última semana, ingressamos com consistente “Pedido de Reconsideração” que, analisado pelo Governo RS, possibilitou que as atividades produtivas continuassem atuando no padrão de “bandeira laranja”.
2 - Os indicadores desta semana epidemiológica, de 03 a 09 de julho, colocam a macrorregião, novamente, em “bandeira vermelha”.
3 - Identificou-se argumentos relevantes sobre a capacidade de atendimento clínico e de UTI a serem apresentados ao Comitê de Indicadores do Gabinete de Crise do Governo RS, cujo recurso será apresentado neste sábado.
4 – Continuamos encarecendo, no entanto, que cada município, através do Poder Executivo e Legislativo, das instituições representativas da sociedade civil, empresarial e de trabalhadores se associe às campanhas do Governo RS no sentido de aprofundar o compromisso da sociedade com o isolamento social visando conter a propagação da covid-19.
5 – Havendo aceitação do Governo RS aos argumentos do OBSAÚDE no sentido de manter a Macroserra na “bandeira laranja” alertamos a população, de todos os municípios, que tal “bandeira” não evita restrições pessoais de distanciamento social. Permite, sim, que as atividades produtivas continuem funcionando respeitando as limitações do distanciamento.
6 – Reafirmamos nossa compreensão de que TODA SOCIEDADE É RESPONSÁVEL PELO POSSÍVEL AGRAVAMENTO DAS CONDIÇÕES DE PROPAGAÇÃO DA PANDEMIA E PELAS INDESEJÁVEIS RESTRIÇÕES IMPOSTAS AOS SETORES PRODUTIVOS COM REDUÇÃO DAS ATIVIDADES, DESEMPREGO E FECHAMENTO DE EMPRESAS.
7 – O OBSAÚDE se manterá ativo no monitoramento dos indicadores e, havendo percepção de piora dos indicadores nas próximas semanas, não se furtará de reivindicar, a cada município, a obediência às duras limitações impostas pelas bandeiras vermelha e preta."

Leia também
Feminicídios dobram no Nordeste gaúcho, mas outros índices de violência doméstica têm redução no semestre
Daer estuda passagem provisória na RS-448 para liberar trânsito
Prefeito de Bento Gonçalves libera treinos coletivos e jogos na Montanha dos Vinhedos

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros