Amesne é favorável a mudança para dar mais poder aos municípios no sistema de bandeiras do Estado - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Pandemia22/07/2020 | 13h07Atualizada em 22/07/2020 | 13h07

Amesne é favorável a mudança para dar mais poder aos municípios no sistema de bandeiras do Estado

Governo avalia mudanças no distanciamento controlado

Amesne é favorável a mudança para dar mais poder aos municípios no sistema de bandeiras do Estado Governo do RS / Reprodução/Reprodução
Foto: Governo do RS / Reprodução / Reprodução

A Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne), que representa parte das cidades da Serra, é a favor de mudanças propostas pelo Governo do Estado no sistema de distanciamento controlado. As sugestões foram levantadas em reunião na terça-feira (21) pelo governador Eduardo Leite (PSDB). Caso se confirmem as mudanças, as regiões ganhariam mais poder para definir quais protocolos seguir para evitar a propagação do coronavírus.

Conforme o presidente da Amesne e prefeito de Cotiporã, José Carlos Breda (PP), o encontro tratou da situação da bandeira vermelha, mas não da preta — essa última indica o mais alto risco de contágio. A Serra tem contestado regularmente as decisões do Estado quando é classificada na bandeira vermelha. O entendimento dos prefeitos é que o fechamento total do comércio e dos serviços não essenciais, por exemplo, prejudica fortemente a economia ao mesmo tempo em que a Serra tem condições de absorver a demanda regional por hospitais.

Leia mais
Governo do Estado mantém bandeira vermelha para a macrorregião da Serra Gaúcha

Um Observatório Regional da Saúde chegou a ser criado para acompanhar os dados estaduais. A avaliação é que, com esse suporte técnico, as prefeitura das Serra têm condições de definir os melhores protocolos a serem seguidos, conforme Breda:

— Vemos com bons olhos essa oportunidade. Seria um compartilhamento das decisões.

O presidente da Amesne admite, no entanto, que uma das preocupações para a projeção de cenários é a destinação de pacientes para internação em UTIs da Serra por parte de outras regiões. Conforme o prefeito, essa situação precisa ser melhor compreendida, porque pode gerar distorções na avaliação de cenários futuros, já que os dados analisados são os regionais. A regulação dos leitos é feita pelo Estado e, como o SUS é administrado de forma conjunta pelos entes federativos, pacientes podem ser alocados em cidades diferentes das que moram.

A Serra tem 258 leitos de UTI e 79,5% estão ocupados nesta quarta-feira (22), conforme dados disponíveis no painel da Secretaria Estadual da Saúde.

Leia também
Entidades do comércio enviam carta ao governo do estado para cobrar abertura de leitos de UTI em Farroupilha
Prefeitura de Caxias do Sul confirma a 40ª morte por coronavírus
Pelo mundo: saiba como está a pandemia na visão de moradores da Serra que vivem fora do Brasil

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros