Vereadores e MP pedem informações sobre surto em instituição para idosos de Caxias - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Pandemia26/06/2020 | 20h53Atualizada em 26/06/2020 | 20h55

Vereadores e MP pedem informações sobre surto em instituição para idosos de Caxias

Prefeitura diz que vai fazer nova rodada de testes em todas as casas asilares da cidade

Vereadores e MP pedem informações sobre surto em instituição para idosos de Caxias Andréa Copini/SMS/Divulgação
Em meados de maio, município aplicou testes rápidos nos idosos de todas as instituições Foto: Andréa Copini / SMS/Divulgação

Na tarde desta quinta-feira (25), a prefeitura informou que existem 13 surtos em empresas da cidade e um em Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI). A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) não divulga os nomes dos estabelecimentos, segundo o secretário Jorge Olavo Hahn Castro, para não gerar discriminação, tampouco os setores em que os empreendimentos atuam e a quantidade de casos confirmados em cada local.

Leia mais
Acompanhe os casos confirmados na Serra
Testes de coronavírus em asilos de Caxias começam a ser realizados

A Comissão do Idoso da Câmara de Vereadores diz que solicitou informações sobre o resultado da testagem realizada nas casas asilares da cidade em meados de maio, mas não teve retorno da SMS. Diante das duas mortes de idosos que viviam em uma mesma ILPI, o vereador Felipe Gremelmaier (MDB) pediu informações à Vigilância em Saúde do município na tarde de sexta.

– Naqueles testes apareceram três funcionários e um idoso (casos confirmados). (À época) Nos disseram que eram de casas diferentes, que as pessoas estavam isoladas. Sobre esse caso específico (da casa onde há o surto), são oito idosos, dois em recuperação, dois recuperados e dois internados, além dos dois óbitos, infelizmente. A Vigilância foi na casa, fez a avaliação e limpeza. Os funcionários foram todos testados e estão proibidos de receber novos idosos, além de não poderem receber visitas – relatou o vereador, conforme as informações que recebeu da prefeitura.

Gremelmaier se diz preocupado. A Comissão se reunirá na segunda-feira para tratar do assunto. A reportagem não conseguiu contato com o Conselho Municipal do Idoso, que é o órgão fiscalizador das ações da prefeitura, na tarde de sexta. Outro órgão que disse que não recebeu comunicado da prefeitura sobre o surto foi o Ministério Público Estadual. A Promotoria tem procedimentos onde acompanha a situação de cada uma das ILPIs da cidade. Na tarde de sexta, a promotora Adriana Chesani disse que pedirá informações:

– Vou requisitar informações à Secretaria Municipal de Saúde para verificar se estão sendo adotadas todas as providências indicadas para os casos de surtos envolvendo esse tipo de instituição.

Secretário garante nova rodada de testagem 

O secretário de saúde diz que o surto teve início com um profissional que também trabalha em um hospital e foi isolado. Ele foi descoberto na testagem feita em maio. Além disso, Castro garantiu que fará nova testagem em massa nos idosos de casas asilares do município. Ele não deu data, mas disse que será em breve e que há um planejamento com cronograma de testagem nesses locais. 

– Estamos tomando as medidas, a mesma padrão para qualquer lugar que tenha surto, com isolamento e testagem. Tivemos um surto e são inúmeras casas (asilares). Estamos monitorando, principalmente, os trabalhadores, estamos testando periodicamente eles – relatou o gestor público. 

No caso dos idosos, quando é detectado um positivo, ele passa a ser monitorado e, se apresenta sintomas, é internado. A direção da ILPI Florense Residencial, onde ocorreu o surto, disse que o profissional descoberto por meio da testagem estava assintomático e que os demais testes rápidos aplicados tiveram resultado negativo, ou seja, alguns seriam falso negativo. Ao todo, 16 idosos vivem no local. A instituição disse que adotou as medidas de prevenção, mas que o contágio acabou acontecendo. Além disso, informa que um dos idosos que morreram teria se recuperado da covid-19, mas aspirou alimento que foi para o pulmão e isso o levou ao óbito. O outro tinha doença coronária, era hipertenso e com pneumonia bacteriana associada.

Sobre os demais surtos na cidade, Castro disse que a prefeitura não tem ingerência nas empresas.

– Não temos como testar em empresas, então, orientamos busca ativa de quem tem sintomas. O procedimento é identificar, isolar e testar. É isso que funciona, por isso, insistimos. Nossa preocupação são as casas asilares e os frigoríficos – alertou Castro.

Sobre não ter informado o Ministério Público, o secretário disse que as informações são inseridas na rede de dados do Estado, mas que poderia repassar ao MP. A reportagem tentou contato com três empresas onde, conforme o Sindicato dos Metalúrgicos, houve relato de casos pelos trabalhadores, mas nenhuma atendeu as ligações na tarde de sexta. 

Já a assessoria do Grupo Zaffari confirmou, por meio de nota, que foram identificados três casos suspeitos na unidade da Rua Vinte de Setembro e que os demais colaboradores não apresentam sintomas. Disse ainda que "está seguindo com rigor todos os protocolos vigentes que objetivam a prevenção ao contágio da covid-19 nas dependências que circulam seus clientes e funcionários. Havendo identificação de sintomas, o colaborador é afastado para verificação e tratamento".

O primeiro surto na cidade ocorreu na unidade da JBS do bairro Ana Rech. Dos 1.699 trabalhadores, 436 testaram positivo para o novo coronavírus, segundo o Ministério Público do Trabalho.

Leia também:
Serra volta à bandeira vermelha no modelo de distanciamento controlado do Rio Grande do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros