Remendos, ondulações e falta de sinalização são recorrentes nas rodovias da região - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Infraestrutura24/06/2020 | 18h52Atualizada em 24/06/2020 | 18h52

Remendos, ondulações e falta de sinalização são recorrentes nas rodovias da região

Trecho da RS-122, entre o bairro Santa Fé e o viaduto torto, em Caxias, segue recebendo apenas tapa-buracos

Remendos, ondulações e falta de sinalização são recorrentes nas rodovias da região Antonio Valiente/Agencia RBS
Trecho de acesso à RS-444, na localidade de Barracão, se mantém como um dos piores da RS-453 Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Cerca de um ano depois de ter sido normalizado o fornecimento de asfalto no Estado, o pior trecho em termos de conservação da malha rodoviária estadual na região segue recebendo apenas tapa-buracos. Os 10 quilômetros da RS-122, entre o bairro Santa Fé e o viaduto torto, em Caxias, tem sobreposição de remendos, ondulações e falta de sinalização na pista. O percurso é um verdadeiro desafio para os motoristas, que utilizam a rodovia como ligação entre o município e a cidade vizinha, Farroupilha. Além disso, a via tem fluxo intenso de caminhões o que danifica ainda mais o pavimento.

Leia mais
Pavimentação deteriorada, buracos e mato alto tomam a ERS-122 e a RSC-453 na Serra
Daer fará reparos na ERS-122 e em outras quatro rodovias estaduais na Serra

Diferente de períodos anteriores, na manhã de ontem não foram encontradas crateras nas pistas, mas isso não a torna menos perigosa: há buracos em alguns pontos, desgaste no asfalto por longos trechos, e grandes borrachudos (ondulações) em diversos lugares, faltam placas e a marcação no pavimento é extremamente precária.

Em julho do ano passado, a Secretaria de Logística e Transportes do Estado disse que essa rodovia, assim como a RS-453, entre Farroupilha e Garibaldi, passando por Bento Gonçalves, só seriam contempladas com melhorias se houvesse disponibilidade de recursos, após a conclusão dos trechos prioritários que estavam sendo feitos naquela época. Ainda segundo a secretaria, seria feita uma nova análise para alocação dos valores liberados pelo governo estadual em trechos de difícil tráfego. O problema é que 11 meses depois isso ainda não aconteceu. No final de 2019, o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) já tinha o diagnóstico dessa rodovia de que tapa-buracos não resolvem mais e que são necessários reparos profundos, com retirada do asfalto, colocação de nova base, repavimentação. 

A reportagem percorreu outras rodovias da região para verificar as condições de trafegabilidade. O trecho da RS-122, entre Farroupilha e São Vendelino, está razoável. A rodovia tem pontos de desgaste, mas é possível ver que recebeu reparos recentemente. A RS-446, entre São Vendelino e Carlos Barbosa, que já amargou períodos de buraqueira, nesta quarta, apresentava boas condições. A exceção é um ponto crítico no acesso à Estrada Felix Benjamin Gedoz. Já a RS-453, entre Garibaldi e Farroupilha, mantém os mesmos problemas recorrentes: pavimento deteriorado, falta de sinalização horizontal e vertical.

Questionado sobre a conservação das rodovias, até a publicação desta reportagem, o Daer não havia retornado.

A situação em alguns trechos de rodovias estaduais da região:

RS-122, entre o bairro Santa Fé e o viaduto torto (Caxias)

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (24/06/2020)Estado de conservação de algumas das rodovias que mais apresentam problemas na região. Há poucos buracos, mas asfalto está muito deteriorado e com sinalização apagada. Na foto, RS 122 posto - km 71 (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14529598) -->
Na altura do Km 71, há buracos na pista, sinalização horizontal apagada, remendos no asfaltoFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

:: São cerca de 10 quilômetros em péssimas condições de trafegabilidade. Na altura do Km 79, há ondulações na pista, sinalização horizontal apagada, remendos no asfalto, assim como na maioria do trajeto. Outro ponto crítico é no Km 76, na rotatória de Monte Bérico, onde ocorrem os mesmos problemas. E, logo à frente, no sentido Caxias-Farroupilha, há buracos na pista. Um segundo ponto crítico é Km 71, junto a um posto de combustíveis. Muitos buracos foram tapados, mas existem outros abertos e uma sequência de remendos.

RS-122, entre viaduto torto e Farroupilha

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (24/06/2020)Estado de conservação de algumas das rodovias que mais apresentam problemas na região. Há poucos buracos, mas asfalto está muito deteriorado e com sinalização apagada. Na foto,funcionários da Encopav trabalham na RS-122 restaurante serrano - Km 65 (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14529606) -->
Trecho de Farroupilha da RS-122 recebeu reparos na manhã desta quarta-feiraFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

:: Na manhã desta quarta-feira (24) uma equipe da Encopav, empresa que detém contrato de conservação das rodovias estaduais na Serra, estava fazendo tapa-buracos no trecho, no sentido Caxias-Farroupilha.
:: Por volta das 10h, ainda tinha buracos na altura do Km 65, em Forqueta, no Km 62, e em frente à Tramontina, no Km 60.

RS-122, entre Farroupilha e São Vendelino

 FARROUPILHA, RS, BRASIL (24/06/2020)Após mais de seis meses rochas continuam sem ser retiradas no km 43, da RS-122 entre Farroupilha e São Vendelino. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14529692) -->
Km 43 da RS-122, onde houve queda de barreira em novembro do ano passado é ponto que exige cuidado na rodoviaFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

:: As condições de trafegabilidade estão boas. Há trechos onde o asfalto está deteriorado no começo da descida da serra e outros em que foram feitos reparos.
:: Maior problema é o afunilamento causado pela queda da encosta em novembro do ano passado. Grandes rochas ainda ocupam uma das pistas no sentido São Vendelino-Farroupilha, na altura do Km 43. 

RS-446, entre São Vendelino e Carlos Barbosa

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (24/06/2020)Estado de conservação de algumas das rodovias que mais apresentam problemas na região. Há poucos buracos, mas asfalto está muito deteriorado e com sinalização apagada. Na foto, RS-446 restaurante perfeito sabor -  Km 0 (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14529623) -->
Acesso a RS-446, no Km 0, tem buracos na pista, mas, em geral, rodovia está melhor do que tempos atrásFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

:: Assim que se acessa a rodovia saindo da RS-122, há um trecho com buracos na pista, no Km 0, no sentido de quem segue para Carlos Barbosa.
:: Outro ponto crítico é no trecho onde está o acesso à Estrada Felix Benjamin Gedoz. O asfalto está deteriorado e com sobreposição de remendos nas pistas de ambos os sentidos.

RS-453, entre o trevo da Telasul, em Garibaldi, e Farroupilha

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (24/06/2020)Estado de conservação de algumas das rodovias que mais apresentam problemas na região. Há poucos buracos, mas asfalto está muito deteriorado e com sinalização apagada. Na foto, RS-453 entrada do barracão - km 107. (Antonio Valiente/Agência RBS)<!-- NICAID(14529646) -->
Ponto crítico da Rs-453 é no Km 107, na localidade de Barracão, acesso a RS-444Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

:: Essa é uma rodovia que também não recebe serviço de recuperação profunda há muito tempo. A maior parte dos cerca de 30 quilômetros está com asfalto deteriorado, remendos e sinalização apagada.
:: Um dos pontos mais críticos segue sendo no Km 107, na localidade de Barracão, acesso a RS-444, que leva à área urbana de Bento Gonçalves. Além dos problemas já citados, há buracos no sentido Bento Gonçalves-Garibaldi.

Leia também:
Observatório Regional da Saúde vai monitorar casos de covid-19 e leitos hospitalares na Serra

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros