"Não podemos aceitar que o comércio e os serviços sejam os segmentos mais prejudicados", diz prefeito de Caxias - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Em ofício ao governador15/06/2020 | 13h32Atualizada em 15/06/2020 | 13h40

"Não podemos aceitar que o comércio e os serviços sejam os segmentos mais prejudicados", diz prefeito de Caxias

 Flavio Cassina quer que governo do Estado reveja bandeira vermelha para a região

"Não podemos aceitar que o comércio e os serviços sejam os segmentos mais prejudicados", diz prefeito de Caxias Marcelo Casagrande/Agencia RBS
No final de março, Caxias do Sul também teve o comércio não essencial fechado por causa da pandemia de coronavírus Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

O prefeito de Caxias do Sul, Flavio Cassina (PTB), encaminhou na manhã desta segunda-feira (15) um ofício ao governador Eduardo Leite (PSDB) em que solicita a revisão da inclusão da Serra na bandeira vermelha no sistema de distanciamento social controlado. A mudança, que considera maior risco de contágio por coronavírus na região, foi anunciada no sábado (13) e entrou em vigor nesta segunda-feira (15).

Com isso, a maior parte do comércio e do setor de serviços não pode abrir. A medida atinge 49 municípios da região e também gera insatisfação de outros prefeitos e entidades empresariais. No ofício, o prefeito cita medidas tomadas por Caxias para melhorar o sistema de saúde, pede colaboração do Estado no reforço do SUS e sugere mudanças no sistema usado para determinar o controle do distanciamento. Solicita ainda que a Serra seja subdividida em três regiões: das Hortênsias, Uva e Vinho e Campos de Cima da Serra.

Leia mais
Presidente da Amesne critica postura do governador após definição de bandeira vermelha para a Serra
Donos de restaurantes protestam contra nova restrição de funcionamento em frente à prefeitura de Caxias
Mesmo com determinação estadual, Vacaria abre as portas do comércio nesta segunda-feira

“Solicitamos a revisão da bandeira vermelha atribuída à região da Serra, mais especificamente quanto a atribuição dessa bandeira à cidade de Caxias do Sul, por esta não demonstrar a situação e o esforço da cidade no combate à COVID-19. Não podemos aceitar que novamente o comércio e os serviços sejam os segmentos mais prejudicados, e muito menos permitir que esses setores não consigam retomar suas atividades, mesmo que lentamente. Nosso município não olvidará esforços para que sejam mantidas as medidas de controle para o distanciamento social, mas de uma forma mais justa”, diz o ofício (confira abaixo na íntegra).

O prefeito cita ainda que Caxias tem seis mortes até agora, mas ao longo da manhã um sétimo caso foi confirmado.

Confira o ofício encaminhado ao governador:

Ao cumprimentá-lo cordialmente, vimos por intermédio deste manifestar nossa extrema preocupação com o ingresso da Região da Serra R23, R24, R25, R26 – Caxias do Sul, na Bandeira Vermelha. Como já é de vosso conhecimento desde o dia 19 de março o Município vem adotando todas as medidas necessárias para diminuir ao máximo o contágio na cidade, iniciamos o fechamento de estabelecimentos de forma antecipada, a fim de melhorar a estrutura de saúde do nosso Município. De acordo com o novo modelo de distanciamento aplicado pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul, desde o dia 10 de maio do corrente, a cidade manteve o foco nas medidas de distanciamento social e a retomada gradual das atividades. E essas medidas deram resultado, pois a ocupação das UTI’s com pacientes da cidade vem se mantendo em níveis médios. A taxa de ocupação de todos os leitos é de 67,39%. Ainda que o número de casos tenha crescido, por conta de surto em um frigorífico, o Município possui 6 (seis) óbitos, sendo que um trata-se de um cidadão natural da cidade, mas que não contraiu a doença na cidade e não faleceu na cidade. Quanto à infraestrutura implantada no Município, foram instaladas estruturas para atendimento prévio nas UPA’s e nas UBS’s. No dia 9 de maio, inauguramos 49 (quarenta e nove) leitos de enfermaria no Hospital Virvi Ramos, denominado “Hospital de Campanha”.

Além disso, no dia 16 de maio, momento em que V. Exa. esteve conosco, inauguramos 10 (dez) leitos de UTI no Hospital Geral, mesmo sem a devida habilitação pelo Governo Federal. No dia 8 de junho inauguramos mais 5 (cinco) leitos de UTI no Hospital Virvi Ramos, leitos esses que também não possuem habilitação do Governo Federal. Ainda, em 10 de junho entrou em operação a 2ª Unidade de Suporte Avançado do SAMU. Nesta semana, tendo em vista a aquisição de 15 (quinze) respiradores, por meio da união de esforços do empresariado Caxiense, teremos a oportunidade de ampliar ainda mais a oferta de leitos de UTI’s na cidade. Em vista disso, o que tem nos preocupado sobremaneira são as alterações dos critérios para o cálculo das bandeiras, sem o devido debate com os Municípios, o que causa insegurança na tomada das decisões na área da saúde. Além disso, entendemos extremamente necessário que o Governo do Estado leve em conta na sua avaliação a população dos municípios, bem como seu tamanho e esforço, ou seja, que considere o que cada município fez e o que está fazendo na área da saúde, com o objetivo de ampliar o atendimento para a população durante a pandemia. Da forma como é realizado o cálculo para estipulação da bandeira a ser aplicada às regiões, não importa se todos os municípios daquela região estão, na mesma proporção, atuando para ampliar a oferta de vagas e para implementar mecanismos de distanciamento social para os habitantes. Neste aspecto, Caxias do Sul que tem se esforçado, mesmo com um deficit financeiro grandioso, acaba ficando sobrecarregada, ao passo que os demais municípios não ampliam seus leitos da mesma forma que tem necessidade. Nem é preciso lembrar que a regulação dos leitos de UTI’s é conjunta, portanto é necessário que a equipe de saúde do Estado possa orientar os municípios para que adotem essas medidas para não prejudicar a região. Houve o anúncio de que o Governo do Estado abrirá 190 (cento e noventa) leitos de UTI’s, nesse sentido, entendemos que Caxias do Sul deve ser contemplada com alguns desses leitos, pois precisamos de auxílio na manutenção da estrutura para a região.

Outra revisão necessária por parte do Governo do Estado, na fórmula de cálculo do distanciamento, é a realização de uma subdivisão na região da Serra, passando a contar com três, da seguinte forma: das Hortênsias, dos Campos de Cima da Serra e da Uva e Vinho, o que, sem dúvida, facilitará a adoção de ações conjuntas entre os municípios. Caxias do Sul adota a máxima transparência nos dados sobre a pandemia. Lançou, em 8 de maio, o Painel de Monitoramento da Covid-19, que em seu primeiro mês já teve mais de 100 mil acessos. O painel é atualizado diariamente. Nele é possível consultar além dos casos positivos e negativos, a ocupação hospitalar. O painel está disponível em https://covid.caxias.rs.gov.br Somos sabedores do impacto dessa pandemia no mundo, mas somando esforços poderemos ser muito mais fortes para atingir nossos objetivos, que são: proteger a saúde da população e proteger a manutenção do setor econômico. Por todo o exposto, solicitamos a revisão da bandeira vermelha atribuída à região da Serra, mais especificamente quanto a atribuição dessa bandeira à cidade de Caxias do Sul, por esta não demonstrar a situação e o esforço da cidade no combate à COVID-19. Não podemos aceitar que novamente o comércio e os serviços sejam os segmentos mais prejudicados, e muito menos permitir que esses setores não consigam retomar suas atividades, mesmo que lentamente. Nosso município não olvidará esforços para que sejam mantidas as medidas de controle para o distanciamento social, mas de uma forma mais justa. Certos de podermos contar com a compreensão de V. Exa., desde já agradecemos a atenção e colocamo-nos à disposição.


Leia também
Prefeitura de Caxias confirma a sétima morte por coronavírus na cidade
Com bandeira vermelha, fiscalização em Caxias do Sul mantém prioridade para casos de denúncias
Bandeira vermelha reduz capacidade de atendimento de bancos e lotéricas na Serra

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros