MPF recomenda que prefeitura de Caxias abra licitação para contratar nova gestão da UPA Zona Norte - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Saúde12/06/2020 | 17h08Atualizada em 12/06/2020 | 20h57

MPF recomenda que prefeitura de Caxias abra licitação para contratar nova gestão da UPA Zona Norte

Poder público havia divulgado que a UCS assumiria o serviço em 1º de julho a partir de um convênio

MPF recomenda que prefeitura de Caxias abra licitação para contratar nova gestão da UPA Zona Norte Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

O Ministério Público Federal (MPF) expediu, nesta sexta-feira (12), uma recomendação para que a prefeitura de Caxias do Sul faça uma licitação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Zona Norte, ao invés de firmar convênio com a  Fundação Universidade de Caxias do Sul  (Fucs). O documento, de sete páginas, é assinado pelo procurador da República Fabiano de Moraes. 

Leia mais:
UCS assume gestão da UPA Zona Norte a partir de 1° de julho
Com a gestão da Upa Zona Norte, em Caxias, UCS pretende contratar mais profissionais para o serviço
Protocolado projeto de convênio para a UCS gerir a UPA Zona Norte, em Caxias

Conforme consta no documento do MPF, a recomendação é para que o município "priorize e preconize a abertura de procedimento licitatório antecedente, a fim de garantir a escolha da entidade sem fins lucrativos ou da organização social seja feita nos moldes e prefeitos dos princípios da impessoalidade, da moralidade, da publicidade e da probidade". Além disso, o MPF indica que a continuidade dos serviços prestados pela UPA Zona Norte seja garantida, mesmo que seja por meio de gestão temporária, enquanto busca-se uma nova entidade que atenda todos os critérios legais e o procedimento seja finalizado. 

O MPF solicita que, em até cinco dias, a prefeitura se manifeste de forma oficial, apresentando informações sobre o atendimento da recomendação ou justificando o porquê de não acatá-la. 

O que diz a prefeitura

O vice-prefeito de Caxias do Sul, Elói Frizzo, afirmou que a prefeitura tem convicção da legalidade da forma proposta de contratação da UCS para a gestão da UPA Zona Norte e, com isso, pretende responder ao MPF. 

— A UCS tem expertise na área da saúde. estamos cientes do respeito aos princípios da impessoalidade, da legalidade. Não tem desvio de finalidade. Além de agregar excelência e aprovação da UCS, como hospital de excelência — disse o vice-prefeito, que completou:

— Essa recomendação do promotor de Caxias não é unânime a nível do MPF. Nós temos pareceres e posições divergentes colocadas pelos promotores de Caxias. Nós colecionamos várias decisões onde o entendimento é pela legalidade do processo — defendeu. 

Sobre a recomendação do MPF para que a prefeitura garante o funcionamento da UPA Zona Norte com uma gestão temporária, até que a situação seja resolvida, o vice-prefeito afirmou que a intenção do poder público é solucionar o problema antes do dia 30 de junho. 

Entenda a situação 

Depois da confirmação da saída do Instituto de Gestão e Humanização (IGH) da administração do posto médico, a prefeitura de Caxias anunciara que a Universidade de Caxias do Sul (UCS) passaria a controlar a UPA Zona Norte em julho deste ano. Conforme a prefeitura, seriam economizados cerca de R$ 200 mil por mês. A prestação de serviço custaria R$ 1,8 milhão mensais aos cofres municipais.  

A UCS também havia se manifestado a respeito do acordo, por meio do reitor Evaldo Kuiava, dizendo que o intuito era contratar funcionários para atender os pacientes. A previsão é ter 200 novos profissionais.   

Confira a recomendação do MPF na íntegra:

"RECOMENDO a Vossa Excelência, com vistas a prevenir responsabilidades e evitar eventuais demandas judiciais para responsabilização das autoridades competentes, que: 

a) abstenha-se de dar andamento ao processo de formulação de convênio entre o Município de Caxias do Sul e Fundação Universidade de Caxias do Sul para a gestão da UPA-Zona Norte, sem que haja a obediência dos princípio da impessoalidade, publicidade, economicidade e eficiência a fim de atender ao Parecer Jurídico nº 13/2020-LIC, da Procuradoria-Geral do Município, no sentido da necessidade de abertura de certame público para a escolha da entidade ou organização, independente do tipo de termo a ser formalizado; 

b) no processo de formulação e de assinatura de convênio, contrato, acordo ou qualquer outro tipo de instrumento ou modelo de gestão, voltado à administração compartilhada de unidades de saúde no Município, que priorize e preconize a abertura de procedimento licitatório antecedente, a fim de garantir que a escolha da entidade sem fins lucrativos ou da organização social seja feita nos moldes e preceitos dos princípios da impessoalidade, da moralidade, da publicidade e da probidade; 

c) empreenda as medidas necessárias para que seja garantida a continuidade dos serviços prestados no âmbito da UPA-Zona Norte, ainda que sob forma de gestão emergencial e temporária, até que os ritos e procedimentos de escolha de uma nova entidade atendam aos critérios legais, sejam finalizados. 

Na forma do art. 6º, inciso XX da Lei Complementar 75/93 e do art. 10 da Resolução 164 do CNMP, fixo o prazo de cinco dias, a contar do recebimento, para que apresente informações sobre o atendimento das medidas recomendadas, ou as razões para justificar o seu não acatamento, sob pena de adoção das medidas judiciais cabíveis."

Leia também:
Camisa de Cristiano Ronaldo será sorteada para ajudar famílias na Serra Gaúcha
Hemocentro de Caxias recebe 36 candidatos para doação de plasma em tratamento experimental
Após protesto, prefeitura de Caxias se compromete a avaliar protocolo para reabertura de quadras esportivas

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros