Ministério Público do Trabalho propôs TAC com frigorífico que tem surto da covid-19 em Caxias do Sul  - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Pandemia01/06/2020 | 18h00Atualizada em 01/06/2020 | 18h00

Ministério Público do Trabalho propôs TAC com frigorífico que tem surto da covid-19 em Caxias do Sul 

Proposta foi enviada à JBS nesta segunda-feira

Ministério Público do Trabalho propôs TAC com frigorífico que tem surto da covid-19 em Caxias do Sul  Porthus Junior/Agencia RBS
Unidade da JBS em Ana REch tem 1.699 funcionários. Segundo a prefeitura, 22 deles teriam sido contaminados Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

O Ministério Público do Trabalho (MPT) está propondo à unidade da JBS do bairro Ana Rech, em Caxias do Sul, a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). O objetivo é firmar no documento todas as medidas recomendadas à empresa para tentar conter o surto de covid-19 na planta, que chega a 22 casos registrados, conforme informação do secretário municipal da saúde, Jorge Olavo Hahn Castro. A notificação foi expedida pela Procuradoria do Trabalho, com sede em Caxias, nesta segunda-feira (1º).

Leia mais
Frigorífico em Caxias do Sul registra surto de coronavírus entre funcionários
Secretaria da Saúde de Caxias irá sugerir ao MP fechamento de frigorífico após surto de coronavírus

De acordo com o procurador Rafael Foresti Pego, os termos do TAC serão definidos se a empresa aceitar fazer o acordo. Até a publicação desta reportagem, não havia resposta por parte da JBS sobre ter recebido ou não a notificação.

– Estamos cientes de todos os dados do surto. Monitoramos a bastante tempo. O próximo passo é buscar o TAC. Propor à empresa um ajuste para regularizar as situações o quanto antes possível. Chamamos de zerar: parar a atividade por uns dias, fazer a higienização completa, retornar com quantitativos menores proporcionais e com todas as medidas de segurança que são necessárias. Como já fizemos em outros da região – explica o procurador, referindo os casos da Agroaraçá, em Nova Araçá, e da Nicoloni, em Garibaldi. 

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) indicou o fechamento temporário da unidade, assim como o Conselho Municipal de Saúde.

O MPT acompanha a situação da pandemia nas empresas e indústrias da região desde março, quando foram expedidas notificações com recomendações para alguns dos locais, entre eles, o frigorífico da JBS. Depois, foram solicitadas fiscalizações pela Secretaria do Trabalho (antigo Ministério do Trabalho) e Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) Serra na empresa. Todas as informações estão sendo reunidas em um inquérito civil aberto para verificar o cumprimento das medidas. Isso aconteceu também em outras empresas.

Para o procurador, via de regra, os locais adotaram medidas de prevenção, mas que não são suficientes diante do risco de contaminação.

– É muito difícil lidar com medidas amplas em um local como um frigorífico, pelo tamanho e pelo tipo de atividade. E as empresas estão sofrendo essa dificuldade. Mas, por outro lado, percebemos, sim, falhas em questões básicas, que se tivessem sido adotadas desde o início, talvez, hoje teríamos um cenário diferente – pondera o procurador.

Por meio de nota, a JBS reiterou, na tarde desta segunda, que adotou as medidas de segurança necessárias desde o início da pandemia e que, assim que identificou o primeiro caso na unidade de Ana Rech, afastou os colaboradores conforme indicação médica e monitorando 100% da equipe da planta. Também foi realizada a desinfecção adicional e geral da unidade. 

Confira a nota na íntegra:
A JBS informa que desde o início da pandemia no Brasil tem se pautado pelo absoluto foco na saúde, segurança e proteção dos seus mais de 130 mil colaboradores. 

A empresa vem atuando em conjunto com as autoridades públicas no enfrentamento à Covid-19 e adotou um rigoroso protocolo de prevenção seguindo todas as recomendações dos órgãos de saúde e também do protocolo dos Ministérios da Saúde, Agricultura e Economia. Adicionalmente, a JBS também conta com a consultoria clínica de especialistas do Hospital Albert Einstein e de médicos infectologistas que orientaram a empresa na definição das ações implantadas em suas unidades. Entre as ações adotadas, estão:  

- Afastamento de todos os colaboradores do grupo de risco e também os que tenham indicação médica
- Monitorando integral de 100% dos colaboradores;
- Medição de temperatura antes do acesso às unidade;
- Ampliação da frota de transporte e demarcação de assentos garantindo distanciamento seguro entre os passageiros;
- Uso obrigatório de máscaras e dos demais equipamentos de proteção individual;
- Farta distribuição de álcool em gel e sanitizantes para higienização das mãos;
- Desinfecção geral, periódica e sistemática da unidade várias vezes ao dia;
- Sinalização e demarcação de lugares nos refeitórios, acessos e locais de descanso para coibir aglomerações e garantir o distanciamento seguro;
- Comunicação ostensiva sobre a medidas obrigatórias de higiene, cuidados, proteção e prevenção, entre outras ações. 

A empresa esclarece que, de acordo com esse protocolo, tão logo teve a confirmação do primeiro caso de Covid-19 em sua unidade de Ana Rech (RS), cumpriu com todas as medidas previstas, afastando os colaboradores conforme indicação médica e monitorando 100% da equipe da planta. Também foi realizada a desinfecção adicional e geral da unidade. 

Leia também:
Ministério Público Federal abre inquérito para apurar suposta negligência na UPA Zona Norte

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros