Ministério Público do Trabalho doa recursos para enfrentamento à covid-19 na região - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Combate ao coronavírus02/06/2020 | 16h43Atualizada em 02/06/2020 | 16h43

Ministério Público do Trabalho doa recursos para enfrentamento à covid-19 na região

Caxias e Canela foram beneficiadas diretamente com dinheiro de indenizações e ações trabalhistas

Ministério Público do Trabalho doa recursos para enfrentamento à covid-19 na região Jonatan Sarmento/Arte GZH
Foto: Jonatan Sarmento / Arte GZH

O Ministério Público do Trabalho (MPT), com sede em Caxias do Sul, já doou R$ 108 mil para ações de enfrentamento à pandemia de covid-19, desde que o novo coronavírus começou a se disseminar na Serra. A maior fatia do montante, R$ 72,5 mil, foi destinada diretamente ao Fundo Municipal de Saúde de Caxias (R$ 24 mil), ao Hospital de Caridade de Canela (R$ 18,5 mil) e ao Fundo Estadual de Saúde (R$ 30 mil), com pedido de aplicação em Caxias. A outra parte foi destinada ao fundo estadual sem especificação de área de investimento. 

Leia mais
Prefeitura de Caxias mantém decisão de parar atividades na JBS, em Ana Rech
"O pessoal está com medo", diz funcionário da JBS de Ana Rech, em Caxias do Sul
Acompanhe os casos confirmados na Serra 

No âmbito estadual, o MPT alcançou, desde 25 de março, cerca de R$ 10,4 milhões para hospitais e instituições de saúde em vários municípios. Desse total, em torno de R$ 7,2 milhões são decorrentes de 58 ações judiciais homologadas pela Justiça do Trabalho, em ações civis públicas e execução de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC). Outros quase R$ 3,2 milhões resultaram de 62 TACs firmados. Cada ação ou TAC pode ter mais de um beneficiário. Em todo país, o MPT destinou, até a manhã da última segunda-feira, cerca de R$ 234,2 milhões.

O dinheiro das destinações vem de indenizações por danos morais coletivos ou multas trabalhistas. Os casos da região se referem a empresas dos setores de comércio de carnes, panificação, indústrias de plásticos e de metais, supermercadista e da construção civil. Em orientação publicada, em 20 de março, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) indica, quando possível, redirecionamento de recursos de processos judiciais e extrajudiciais para a aquisição de equipamentos de proteção individual a profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate à covid-19, compra de ventiladores pulmonares, kits de testagem para saber se a pessoa contraiu o vírus e para pesquisas.

Durante esse período de pandemia, as denúncias de violações trabalhistas relacionadas à doença têm sido o tema mais tratado pelo MPT no país. No Estado, nas duas últimas semanas, foram recebidas 132, totalizando 1.058 desde 11 de março, data em que foi registrada a primeira denúncia. No Brasil, foram totalizadas 19.045.

Até o momento, foram instaurados 200 inquéritos civis no Rio Grande do Sul e, no Brasil, 3.905. As reclamações vão desde a falta de proteção à saúde e à segurança do trabalhador até dispensas em massa ou fraudes nas rescisões contratuais, entre outras. Foram emitidas 439 recomendações a empresas no território gaúcho, firmados 10 TACs (o equivalente a 37% dos 27 firmados no Brasil) e houve seis ajuizamentos de ações civis públicas, quando inviabilizada a solução extrajudicial.

Na Serra, foram dois TACs até o momento, um com a Agroaraçá, de Nova Araçá, e um com a Nicolini, de Garibaldi. Um terceiro foi proposto ao frigorífico da JBS em Caxias, que até a tarde desta terça-feira, não havia respondido.

Leia também:
IGH permanece na gestão de UPA de Caxias até o fim do mês

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros