Em estudo inédito, hospital de Bento testa recurso da fisioterapia em pacientes graves de covid-19 - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

No Tacchini22/06/2020 | 13h19Atualizada em 22/06/2020 | 16h49

Em estudo inédito, hospital de Bento testa recurso da fisioterapia em pacientes graves de covid-19

Aplicação da tecnologia de terapia a laser super pulsada pretende diminuir o tempo de hospitalização de pacientes com necessidade de entubação

Em estudo inédito, hospital de Bento testa recurso da fisioterapia em pacientes graves de covid-19 Fabiano Frâncio / Divulgação/Divulgação
Foto: Fabiano Frâncio / Divulgação / Divulgação

Depois de participar do estudo Coalizão Covid Brasil, que buscava analisar se a hidroxicloroquina tinha resultado eficaz no tratamento do coronavírus, o Hospital Tacchini, de Bento Gonçalves, agora conduz um ensaio clínico para testar recursos da fisioterapia em pacientes graves de covid-19. O estudo ocorre em parceria com profissionais de Caxias do Sul e é aprovado pelo Conselho Nacional de Pesquisa e pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Tacchini. A pesquisa utiliza a tecnologia de terapia a laser super pulsada, recurso da fisioterapia, como tratamento auxiliar pacientes com necessidade de respiração mecânica.

— A utilização de ventilação mecânica pode gerar uma atrofia no músculo diafragma (responsável pela respiração) quando seu uso é prolongado, uma vez que o ventilador mecânico, acaba desempenhando a função do músculo, deixando-o em desuso. A fotobiomodulação já demostrou melhorar as condições musculares em diferentes situações patológicas como Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, AVC, e também em atletas por exemplo — explica o fisioterapeuta Fabiano Frâncio, que coordena o estudo juntamente com os colegas de profissão Thiago De Marchi e Ernesto Leal Júnior.

De acordo com Frâncio, a pesquisa pretende avaliar a função muscular respiratória e os níveis de inflamação durante a intubação. A intenção é diminuir o tempo de hospitalização de pacientes com necessidade de respirador, melhorando sua resposta imunológica e diminuindo a inflamação.

— Ao nosso conhecimento, este estudo é o primeiro em nível mundial. Iniciou há cerca de 20 dias, ainda estamos em fase de recrutamento, inicialmente 30 pacientes devem participar do estudo. Acreditamos que os primeiros resultados sejam publicados dentro de dois ou três meses — comenta o fisioterapeuta.

Leia também
Prefeitura de Nova Prata confirma primeira morte por coronavírus


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros