Paixão Côrtes, um gaúcho que gineteou jacaré - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória08/05/2020 | 07h00Atualizada em 08/05/2020 | 07h00

Paixão Côrtes, um gaúcho que gineteou jacaré

Música gravada pelo folclorista em seu primeiro disco, ainda em 78 rotações, fez grande sucesso no Estado no final da década de 1957

Paixão Côrtes, um gaúcho que gineteou jacaré Reprodução/Arquivo Passoal
Charge do jornal Diário de Notícias, publicada na década de 1950 Foto: Reprodução / Arquivo Passoal

Paixão Côrtes(1927-2018), ao lado de Barbosa Lessa (1929-2002), desenvolveu um notável trabalho de garimpagem folclórica junto ao autóctone homem do campo por perdidos rincões do Rio Grande do Sul ao longo de quase 50 anos. Esse trabalho resultou em inúmeras publicações e gravações de discos abordando costumes, as músicas e as danças do folclore gaúcho. Coletou e reconstituiu, em suas pesquisas, mais de 70 danças e recuperou informações sobre o rico vestuário da sociedade campeira da terra farroupilha.

A primeira gravação de Paixão Côrtes, ainda no período dos discos de 78 rpm (78 rotações), tinha a música Jacaré em um lado e Chotes Carreirinho do outro. Isso aconteceu em 1957 e foi um grande sucesso, permanecendo, por alguns meses, entre os discos mais vendidos.

A imensa popularidade de Jacaré levou um consagrado cartunista do hoje extinto jornal Diário de Notícias, de Porto Alegre, a representar o folclorista numa ilustração em que ele aparece gineteando o animal que dá nome à canção. A charge (acima) foi reproduzida amplamente em revistas e periódicos no final da década de 1950.

 Em 1970, Barbosa Lessa e  Paixão Côrtes analisando pesquisas que realizaram juntos.<!-- NICAID(14489470) -->
Barbosa Lessa e Paixão Côrtes analisando suas pesquisas nos anos 1970Foto: Reprodução / Arquivo Passoal

Em 1962

Na contracapa do primeiro LP de Paixão Côrtes, Folclore do Pampa, de 1962, Barbosa Lessaescreveu:

"Numa época em que proliferam discos de tema gaúcho, executados por 'duplas', uma contradição dentro da música rio-grandense, eternamente individualista e interpretada por cantor solista ou executada por 'conjuntos vocais', uma meritória forma de enriquecer  a simplicidade do folclore rural, há de, necessariamente, ganhar relevo este documentário em que a instrumentação típica, a harmônica autêntica (gaita), a 'rabeca', o violão, o modo e o timbre de interpretação vocal, tudo isso é salvaguardado com o mais atento carinho".

Informações desta página foram publicadas originalmente na coluna Almanaque Gaúcho, do colega Ricardo Chaves, de Zero Hora.

  Paixão Côrtes com o primeiro LP gravado Folclore do Pampa, 1962.<!-- NICAID(14489469) -->
Paixão Côrtes com o seu primeiro LP, “Folclore do Pampa”, de 1962Foto: Reprodução / Arquivo Passoal

Jacaré
(Chotes, recuperado e adaptado por Paixão Côrtes)

Jacaré, jacaré, jacaré
Não fui eu que roubei tua "muié"
Tudo é, tudo é, tudo é
Capivara, bicho feio jacaré
Mais quem é, mais quem é, mais quem é,
Mais quem é, que roubou tua "muié"
Isto é, isto é, isto é
Brincadeira com o pobre do jacaré

Leia também
O álbum de família de Cláudio Eberle (1938-2020)
Sósias de Shazan e Xerife agitam Flores da Cunha em 1973
Festa da Uva 1972: o último ano do pavilhão da Alfredo Chaves

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros