Conselho defende interdição de frigorífico para conter primeiro surto de coronavírus em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Pandemia31/05/2020 | 16h47Atualizada em 31/05/2020 | 16h47

Conselho defende interdição de frigorífico para conter primeiro surto de coronavírus em Caxias do Sul

Documento será entregue ao MPT e também deve sugerir a realização de testes em trabalhadores e seus familiares

Conselho defende interdição de frigorífico para conter primeiro surto de coronavírus em Caxias do Sul Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

O Conselho Municipal de Saúde deve solicitar a interdição do frigorífico em Ana Rech que registrou o primeiro surto de coronavírus em Caxias do Sul. A tendência é que a representação seja feita ao Ministério Público do Trabalho (MPT) via Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador (Cerest). Uma reunião nesta segunda-feira (1º) irá elaborar o documento. Na sexta-feira (29), a Secretaria Municipal de Saúde) (SMS) confirmou 12 casos positivos de covid-19 no frigorífico da JBS.

Leia mais
Foco de surto de coronavírus, frigorífico de Caxias do Sul havia sido autuado uma semana antes
Todas pessoas que tiveram contato com funcionários de frigorífico em Caxias do Sul serão monitoradas
Frigorífico em Caxias do Sul registra surto de coronavírus entre funcionários 

A tendência é que o pedido seja por um fechamento de três a seis dias para que a empresa coloque em prática um plano de contenção contra o coronavírus. O presidente do CMS, Alexandre Silva, lembra o exemplo de Garibaldi. No início de maio, o frigorífico Nicolini fechou por três dias e retomou as atividades com o máximo 370 dos 1.500 trabalhadores. A medida fez parte do termo de ajustamento de conduta (TAC) assinado junto ao MPT.

— Sabemos que inicialmente são 12 casos (em Caxias) e lá foram 60, mas não podemos chegar a um patamar de tantos casos para fechar e exigir segurança. Nos arredores (do frigorífico) há bares e lancherias e nos chegou relatos de que estes trabalhadores circulam livremente sem o devido material de segurança. Os funcionários não estão cientes do tamanho que é o covid-19. A conscientização não está sendo eficiente e (a empresa) tem que verificar este controle nos arredores — argumenta.

Após a divulgação do surto, o secretário municipal da Saúde, Jorge Hahn Castro, afirmou que todas pessoas que tiveram contato com funcionários do frigorífico seriam monitoradas. Uma reunião entre representantes da pasta e a direção da empresa está prevista para esta segunda-feira (1º).

— Iremos solicitar via documento que o teste seja, no mínimo, com trabalhadores e os familiares deles — afirmou Castro em entrevista ao programa Gaúcha Hoje, no sábado (30). Na ocasião, o secretário descartou a possibilidade de suspensão das atividades da empresa:

— Fechamento seria em último caso.

O frigorífico já havia sido notificado, em 22 de maio, sobre sobre a falta de distanciamento mínimo entre trabalhadores e a ausência de identificação de funcionários que fizeram contato com colegas que apresentavam sintomas ou suspeita de coronavírus. A autuação foi feita por três auditores fiscais do trabalho que sugeriram o encaminhamento do relatório à Procuradoria do Trabalho. Agora, a tendência é que o Cerest represente para que empresa faça a testagem dos funcionários e seus familiares.

— O que sabemos é que diante de sintomas gripais, os funcionários eram afastados e logo colocavam outro no lugar. Não é suficiente para ter 100% de garantia que o vírus não irá se expandir. Iremos solicitar via documento que o teste seja, no mínimo, com trabalhadores e os familiares deles. A empresa mesmo aponta que possui trabalhadores de diversas regiões da cidade — afirma Silva.

O temor é que a falta de ação diante deste primeiro surto possa afetar a classificação de risco de contágio em Caxias do Sul, conforme o sistema de bandeiras elaborado pelo governo estadual. A Serra permanece na classificação de risco médio, ou seja, bandeira laranja. Este nível permite que o comércio e a indústria, entre outros setores da economia, permaneçam abertos.

CONTRAPONTO

Responsável pelo frigorífico de Ana Rech, a JBS emitiu um comunicado e destacou  o afastamento de trabalhadores com indicação médica. Confira a nota completa:

"A JBS informa que desde o início da pandemia no Brasil tem se pautado pelo absoluto foco na saúde, segurança e proteção dos seus mais de 130 mil colaboradores para o enfrentamento à covid-19 em todas suas unidades.

Tão logo teve a confirmação do primeiro caso de covid-19 em sua planta de Ana Rech  (RS), a empresa seguiu com todas as medidas previstas em seu protocolo - afastando todos os casos com indicação médica e monitorando 100% dos demais colaboradores. Entre as medidas previstas também estão a desinfecção geral da unidade.

A companhia vem atuando em conjunto com as autoridades públicas e suas ações seguem as recomendações dos órgãos de saúde e também do protocolo dos Ministérios da Saúde, Agricultura e Economia. A JBS contratou especialistas do Hospital Albert Einstein e de médicos infectologistas para apoiar na construção das medidas de prevenção e na proteção aos seus colaboradores."

Leia também
Prefeitura de Bento confirma duas mortes por coronavírus
Aeroporto de Caxias do Sul segue sem data para retomada de voos comerciais
Motociclista morre em acidente na Perimetral Sul, em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros