Com isolamento, crianças estão menos doentes em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Pediatria 29/05/2020 | 08h09Atualizada em 29/05/2020 | 08h29

Com isolamento, crianças estão menos doentes em Caxias do Sul

No Hospital Geral (HG), de janeiro a maio de 2019, 42% dos atendidos ou internados na ala pediátrica apresentavam doenças respiratórias. Em 2020, no mesmo período, são 24%. 

Com isolamento, crianças estão menos doentes em Caxias do Sul Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Sem ir à escolinha, Valentina Dutra, três anos, não ficou doente o que seria comum nesta época do ano Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

O isolamento social para combater a propagação do coronavírus tem um reflexo positivo no atendimento infantil. Em Caxias do Sul, o cancelamento das aulas tem reduzido as internações de pacientes pediátricos por doenças respiratórias. No Hospital Geral (HG), de janeiro a maio de 2019, 42% dos atendidos ou internados na ala pediátrica apresentavam doenças respiratórias. Em 2020, no mesmo período, são 24%. Nos plantões pediátricos dos planos de saúde e consultórios médicos, a percepção dos especialistas também é de redução no número de consultas, o que reflete em menos crianças doentes: 

 — Atendo no consultório, no pronto-atendimento pediátrico de convênios e no Centro Especializado de Saúde (CES), e o número de atendimentos de doenças respiratórias é menor do que em anos anteriores. Essa redução acontece porque as crianças não estão na escola, nas escolinhas, não tem interação com outras crianças e isso reduz as infecções provocadas por vírus. Como elas estão em casa, a chance de ficarem doentes diminuiu. O isolamento evita não apenas o coronavírus, mas o contágio de outros vírus, e eles ficam menos doentes  — explica a pneumologista pediátrica, Vanessa Kolpermann. 

A pediatra Mara Mendes concorda que, com o isolamento, as crianças têm adoecido menos:

 —  Com as escolinhas fechadas, as nossas crianças vão ficar muito menos doentes neste inverno, porque estão em casa, isoladas, e longe de outras crianças. Elas vão ter mais contatos com os pais, e menos com outras crianças doentes, assim os vírus circulam menos. 

CUIDADOS E VACINAS 

Mesmo que as crianças estejam em casa, a queda na temperatura e os hábitos familiares precisam ser observados para preservar a saúde dos pequenos. Com o frio, o número de doenças respiratórias aumenta significativamente. Isso porque, quando esfria, as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados, com pouca circulação de ar. Vanessa orienta os pais a manterem cuidados que podem prevenir as doenças: 

 —  Tem toda a questão da higiene, como lavar as mãos e o nariz, cuidar para que eles não coloquem as mãozinhas na boca. É preciso evitar ambientes de aglomeração, não deixar a criança ter contato com outra criança ou adulto que esteja doente, manter uma alimentação saudável, hidratados, com circulação de ar no ambiente e evitar o tabagismo domiciliar  —  diz ela. 

As doenças respiratórias que mais afetam as crianças na região serrana são rinite, asma, resfriados, gripes, laringites e pneumonias. Mara lembra que essas doenças interferem diretamente na rotina da família. Ela alerta que, mesmo em casa, há certos cuidados para evitar quadros virais: 

 — Com o isolamento, os pais que fumam têm de evitar fumar dentro de casa ou perto das crianças. Com a chegada dos dias mais frios é preciso deixar a criança aquecida, evitar acúmulo de sujeira. Os tapetes e cortinas também acumulam ácaros, então tem que deixar o ar circular e manter a limpeza desses locais. Quem tem lareira precisa redobrar os cuidados porque a fumaça pode atacar a asma. 

As especialistas também alertam para a necessidade das vacinas: 

 —  É preciso mantê-las em dia, tem que estar atento ao calendário. As crianças e os familiares precisam fazer a vacina contra a H1N1. Isso é muito importante para evitar quadros graves e ser necessária a internação. Nesse caso, as crianças podem entrar em contato com o coronavírus e agravar o estado de saúde  — diz a pneumologista. 

Situação é diferente nas UPAs e UBSs

Se os casos de internações diminuíram no Hospital Geral (HG) e em clínicas particulares, o mesmo não se pode dizer das unidades de pronto-atendimento (UPAs) e unidades básicas de saúde (UBSs), que viram o número de crianças com problemas respiratórios aumentarem. 

Conforme a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), de janeiro a abril do ano passado foram realizadas 35.152 consultas pediátricas, sendo que 20 crianças apresentavam casos de infecção aguda no aparelho respiratório e outras 30 tinham quadro gripal. Este ano, foram 25.037 atendimentos, sendo que 130 tiveram diagnóstico de infecção aguda e 71 estavam com gripe.

De acordo com a secretaria, esse números aumentaram porque em 2020, em decorrência da pandemia da covid-19, passou a ser obrigatório pelo Ministério da Saúde notificar os casos de síndrome gripal. 

QUANDO PROCURAR ATENDIMENTO 

Durante a epidemia, uma das questões que aflige os pais é sobre ir ou não a um pronto-atendimento ou hospital em busca de consulta. A orientação é contatar o pediatra da criança e, caso não seja possível, observar os sintomas apresentados.

 — É importante avaliar os sintomas e saber diferenciar um resfriado de uma gripe. Essa avaliação ajuda. Se a criança estiver com febre insistente, acompanhada de dor de cabeça, na nuca, na região do tórax, falta de ar e vômitos, tem que ser levada para o plantão. Se estiver comendo normalmente, brincando, com febre mas sem outros sintomas, tentar avaliar com o pediatra  — frisa Vanessa. 

Mara concorda:

 — O momento de levar para o hospital é quando a criança estiver com febre persistente, sinais de gripe, lesões de pele e, principalmente, falta de ar. Reitero: evite levar a criança para um hospital sem necessidade. Se for só sintoma gripal, crise de asma, bronquite ou rinite, você corre o risco da criança pode pegar outro "bichinho", até o coronavírus, em um hospital. Tem que ter muito cuidado. 

MÃES COMEMORAM "AJUDA" DO DISTANCIAMENTO

Valentina Dutra, três anos e Vitória dos Santos Gattermann, quatro, não se conhecem, mas tem algo em comum: doenças respiratórias. Com a chegada dos dias mais frios em Caxias do Sul, a situação piora e o quadro de saúde das meninas se agrava. Sem ir à escolinha, nenhuma delas ficou doente, o que seria comum nesta época do ano devido à queda nas temperaturas. 

Mãe de Valentina, a técnica de enfermagem e acadêmica de Serviço Social Roselaina Dutra, 42 anos, conta que a filha nasceu prematura. 

 —  Eu a mantive em casa até um ano e meio, e depois precisei voltar a trabalhar. Durante o tempo em que ela esteve na escolinha foram inúmeras infecções respiratórias entre asma, bronquites, bronquiolites, laringites, uso de antibióticos, antialérgico, broncodilatadores, bombinha e vacinas. Ela faz acompanhamento com pediatra e pneumologista e fazia todos os meses testes com bombinhas, e nada ajudava a melhorar  —  afirma. 

Com as medidas de restrição, sem sair de casa, Valentina não precisou mais de atendimento de urgência e emergência: 

 — Com o isolamento, ela não ficou mais doente. Levemente tem uma tosse e mais nada. E ela não precisou mais ir para o plantão. Faço o uso de uma das bombinhas por prevenção. Então, o isolamento teve um lado bom. 

O pai de Valentina, Márcio Dutra, 49, e as filhas Luana, 23, e Sabrina, 20, também trabalham na área de saúde. Com a pandemia, mesmo que a menina esteja mais saudável, a família enfrentou novos desafios: o preconceito. 

 —  Meu marido e eu estamos em dois empregos e tivemos que reorganizar nossa rotina. A Sabrina cuida da bebê, pois não encontrei ninguém que ficasse com ela. Encontramos muita resistência por parte das pessoas por receio de contágio. É uma situação grave, que tem sido enfrentada pelas mães que trabalham com saúde: todos têm medo de cuidar dos nossos filhos e serem contaminados  —  desabafa Roselaina.

VITÓRIA NÃO PRECISOU INTERNAÇÃO

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 20/05/2020 - Vitória dos Santos Gattermann, quatro anos. Com o isolamento social, a menina (no colo da mãe, Cassandra) tem problemas respiratórios e foi internada duas vezes no ano passado, não precisou de atendimento até agora. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)<!-- NICAID(14503934) -->
Vitória dos Santos Gattermann, quatro anos, também não precisou de atendimento ou internação até o momento Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A pequena Vitória e a gêmea Natalie estão em casa devido à pandemia. No caso de Vitória, o isolamento também fez bem já que, ao contrário dos outros anos, ela não precisou de atendimento ou internação hospitalar em 2020. 

 — Assim que elas nasceram, a Vitória precisou de oxigênio. A Natalie é saudável, mas a Vitória tem problemas respiratórios. Ela fica doente com frequência. E quando começa a esfriar ela tem as crises, gripes e pneumonia. No ano passado, foi internada duas vezes no ano com pneumonia. Sem ir para a escolinha, não precisou ir ao plantão, hospital, nada. Ficou em casa e não ficou mais doente. Para a saúde da minha filha, o isolamento fez bem _ conta a mãe das meninas, Cassandra dos Santos, 24.

Leia também
VÍDEO: mulher vítima da covid-19 recebe homenagem ao ter alta, em Bento Gonçalves
Prefeitura de Caxias do Sul confirma 101 pessoas recuperadas do coronavírus
Para evitar surtos, 835 testes rápidos foram aplicados em 26 casas asilares de Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros