Aulas serão retomadas nas redes pública e privada de forma remota a partir de segunda-feira no Estado - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Educação27/05/2020 | 19h25Atualizada em 27/05/2020 | 19h28

Aulas serão retomadas nas redes pública e privada de forma remota a partir de segunda-feira no Estado

Calendário anunciado pelo governo na tarde desta quarta-feira vai depender do avanço da pandemia

Aulas serão retomadas nas redes pública e privada de forma remota a partir de segunda-feira no Estado Gustavo Mansur/Palácio Piratini/Divulgação
Governador Eduardo Leite anunciou calendário por meio de transmissão ao vivo em rede social Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini/Divulgação

As aulas nas redes pública e privada de ensino do Estado serão retomadas a partir de segunda-feira, dia 1º de junho, de forma remota e também com disponibilização de materiais físicos. O calendário organizado pelo governo estadual com as previsões de retorno para as diferentes etapas foi apresentado na tarde desta quarta-feira (27) em transmissão ao vivo em rede social.

Leia mais
Acompanhe os casos confirmados na Serra 

A projeção é ter cinco fases de retorno. A primeira inclui todos os níveis de ambas as redes e está sendo chamada de híbrida porque ocorrerá por meio de uma plataforma digital e também com disponibilização de materiais físicos aos pais ou responsáveis, no caso de famílias que tem dificuldade ou não acesso à internet. 

Nessa fase, e especificamente na rede estadual, a ideia é atingir mais de 37 mil turmas, criar mais de 300 mil ambientes virtuais, oferecer mais de mil turmas preparatórias ao Exame Nacional de Ensino Médio (Enem),  organizar recreios virtuais para os alunos e ainda prever salas de professores, serviços de orientação educacional e coordenação pedagógica virtual. 

Um dos desafios é fazer com que o ensino chegue nas comunidades mais vulneráveis que não têm acesso à internet ou celular. Para essas famílias, os conteúdos serão entregues na forma física. Isso caberá às Coordenadorias Regionais de Educação.

– O país passa por um atraso, sem dúvida nenhuma, por falta de investimentos, por não ter tido uma pandemia que agilizasse esse processo. O que não se fez em 50 anos terá de ser feito em quatro, cinco anos, se não quisermos perder parte da história da educação no nosso país. Então, precisamos investir nisso. Agora, como chegar naquelas localidades mais distantes, onde não tenha sinal de internet, não tenha sinal de telefonia? Temos escolas indígenas, escolas quilombolas e escolas rurais. Mas não podemos penalizar 85% da nossa rede que tem capacidade de acessar ferramentas, mas que nunca se fez por falta e iniciativa. Chegou o ponto em que temos necessidade de buscar alternativas e esse é o momento – ponderou o secretário de Educação do Estado, Faisal Karan, durante a apresentação.

– Não vamos deixar ninguém para trás. Vamos implantar esse modelo remoto e estamos otimistas que ele vai atingir a imensa maioria dos estudantes e, é claro, (nos que não têm acesso) vamos ter que identificar caso a caso para garantir que o conteúdo chegue a esses alunos – afirmou o governador Eduardo Leite na live.

A segunda etapa, que tem início previsto para 15 de junho, é direcionada ao Ensino Superior, Pós Graduações e Ensino Técnico Subsequente com aulas presenciais para conclusão de cursos, pesquisa, estágio curricular obrigatório e atividades em laboratórios. A estimativa é que atinja 41 mil estudantes. Também inclui cursos livres profissionalizantes, de idiomas, artes e similares, em um número estimado de 100 mil alunos.

Ainda será preciso obedecer às regras de classificação de cada região de saúde em que o Estado foi dividido (amarela e laranja, atualmente). É obrigatório ter responsável técnico pelas medidas de prevenção (do COE, Centro de Operações de Emergência em Saúde para a Educação); plano de contingência em instituições com mais de 100 pessoas; respeitar o teto de ocupação das salas e dos ambientes (uma pessoa por quatro metros quadrados) e operação de 50% dos alunos em sistema de escala ou revezamento. A publicação dos protocolos para as duas primeiras etapas deve ocorrer nesta sexta-feira, dia 29.

As demais etapas estão mais condicionadas ao avanço da pandemia, apesar de já terem datas preestabelecidas.

As prefeituras podem adotar medidas mais restritivas para retorno das aulas na rede municipal, mas não podem desrespeitar as regras estaduais nem serem mais brandas na retomada dos alunos às salas de aula. 

Confira o calendário previsto para a retomada das aulas:
Etapa 1
:: Segunda-feira (1º de junho).
:: Ensino remoto para todos os níveis das redes pública e privada.

Etapa 2
:: 15 de junho.
:: Aulas práticas essenciais para conclusão de curso no Ensino Superior, pós-graduações e técnicos, além de profissionalizantes, de idiomas, artes e similares.

Etapa 3
:: 1º de julho.
:: Aulas presenciais de forma escalonada, começando, possivelmente, pela Educação Infantil, primeiros anos do Fundamental e o terceiro do Ensino Médio, devido à preparação para o ingresso na universidade.

Etapa 4
:: 3 de agosto.
:: Definições serão divulgadas em 1º de julho.

Etapa 5
:: 1º de setembro.
:: Definições serão divulgadas em 3 de agosto.

Leia também:
Após ficar duas semanas internada com coronavírus, idosa de Caxias comemora volta para casa

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros