UFPEL divulgará dados da primeira rodada de pesquisa sobre o coronavírus - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Pandemia14/04/2020 | 22h30Atualizada em 14/04/2020 | 22h30

UFPEL divulgará dados da primeira rodada de pesquisa sobre o coronavírus

Cerca de 4,5 mil testes foram realizados e as estatísticas serão divulgadas nesta quarta (15)

UFPEL divulgará dados da primeira rodada de pesquisa sobre o coronavírus Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A pesquisa que está sendo realizada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) terá o resultado da sua primeira amostragem divulgado hoje. Foram cerca de 4,5 mil testes realizados em nove cidades _ Caxias do Sul, Pelotas, Santa Maria, Passo Fundo, Porto Alegre, Canoas, Ijuí, Santa Cruz do Sul e Uruguaiana. O foco é mostrar como o vírus está se espalhando pelo Rio Grande do Sul, mas nesta parcial de arrancada ainda não se terá um quadro mais claro.

— Será muito preliminar. Basicamente vamos dizer quantas pessoas que encontramos e já foram contaminadas pelo coronavírus — ressalta o professor Aluisio Barros, epidemiologista integrante da coordenação do estudo.

Leia mais
Ampliar testes entre a população é missão fundamental no combate ao coronavírus em Caxias e região
Caxias do Sul registra mais três pacientes com coronavírus

A pesquisa será dividida em quatro etapas, sendo realizadas a cada 15 dias. A população é escolhida ao acaso, em cerca de 500 residências por cidade. Em cada local, uma pessoa da família é escolhida para realizar o exame. Caso dê positivo, os demais moradores da casa também passam pela prova.

O Estado disponibilizou cerca de 20 mil testes rápidos, mas eles têm alguns pontos específicos. Os exames apontam se o organismo já criou anticorpos para a covid-19, ou seja, a pessoa precisa estar sintomática em cerca de sete dias ou mais. O objetivo é que, a partir da segunda rodada, já se tenha um quadro melhor sobre o comportamento e a circulação do vírus no território gaúcho.

— A ideia é de que cada rodada nos dê um percentual de quem já foi contaminado, para depois separarmos por sexo, idade e outras categorias — explica Barros.

Como não existe a possibilidade de testar toda a população, serão os números desta pesquisa que darão uma ideia de quantas pessoas contraíram o vírus. Por enquanto, os estudos apontam que a cada 100 contaminados, mais de 80% tenham sintomas leves e os demais serão acometidos com a doença de forma mais grave.

Leia também
Com apoio da população, costureiras querem produzir mil máscaras descartáveis por dia em Caxias


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros