Empresa doa máscaras para recém-nascidos em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Proteção17/04/2020 | 13h17Atualizada em 17/04/2020 | 13h27

Empresa doa máscaras para recém-nascidos em Caxias do Sul

Hospital utilizará os escudos faciais em casos suspeitos ou confirmados de coronavírus

Empresa doa máscaras para recém-nascidos em Caxias do Sul Sabrina Moterle / Divulgação/Divulgação
Escudo facial protege boa parte do corpo do bebê Foto: Sabrina Moterle / Divulgação / Divulgação

A empresa Neo Technology, de Caxias do Sul, doou 10 máscaras estilo face shield para bebês recém-nascidos do Hospital do Círculo. O produto, feito em uma impressora 3D, cobre totalmente o rosto da criança, ao contrário das máscaras de tecido que revestem apenas a boca e o nariz. A intenção da instituição é usar em casos suspeitos ou confirmados de coronavírus.

Conforme a sócia-gerente da empresa, Elizandra Tonella, como a cabeça dos bebês é menor do que a de um adulto, a máscara passou por um processo de adaptação para encaixar de forma segura. Já o comprimento da lâmina não foi alterado, fazendo com que o escudo proteja também boa parte do corpo do recém-nascido.

Leia mais
Hospital veste recém-nascidos de "coelhinhos" em homenagem à Páscoa em Caxias

— Junto com voluntários, fizemos a adaptação para encurtar a haste para que ficasse do tamanho adequado à cabecinha deles. E ficou muito bacana — ressalta Elizandra.

Foto: Sabrina Moterle / divulgação

A coordenadora de enfermagem da área materno-infantil do hospital, Lidiane Basso Bortolini, explica que as máscaras para os recém-nascidos fazem parte da estratégia do hospital durante a pandemia do coronavírus. A intenção é usá-las somente em casos confirmados ou com suspeita da doença.

— É uma proposta para o transporte dos recém-nascidos dentro do hospital, pensando tanto na proteção deles quanto na das demais pessoas — diz a profissional, ressaltando que não há nenhum bebê com suspeita ou confirmação da covid-19 na instituição.

A produção de cada escudo facial leva cerca de uma hora e meia na impressora 3D. Conforme Elizandra, o protetor pode ser higienizado e usado novamente, beneficiando diversas crianças.

A gerente da empresa ainda diz que a ideia é estender a doação para outros hospitais da cidade a partir deste projeto-piloto.

Leia também
Homem morre em acidente na BR-116 em Campestre da Serra
Arroio do Sal registra primeira morte por coronavírus

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros