Descumprindo norma estadual, prefeito de Farroupilha diz que permitirá abertura do comércio na segunda - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

"Isolamento humanitário"02/04/2020 | 09h18Atualizada em 02/04/2020 | 09h32

Descumprindo norma estadual, prefeito de Farroupilha diz que permitirá abertura do comércio na segunda

Procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, disse que municípios que tomarem atitudes como essa poderão responder por crime sanitário

Descumprindo norma estadual, prefeito de Farroupilha diz que permitirá abertura do comércio na segunda Flavia Noal/Agência RBS
Claiton Gonçalves aposta em testes, distanciamento e medidas de higiene para reabertura das atividades econômicas Foto: Flavia Noal / Agência RBS

 O prefeito de Farroupilha, Claiton Gonçalves (PDT), prepara a publicação de um decreto que contraria a norma estadual. Ele diz que vai editar uma medida que permite a abertura do comércio no município a partir de segunda-feira (6). No entanto, o governo do Estado determinou na quarta-feira (1) que o comércio em geral fique fechado em todo o RS até o dia 15 de abril. Durante coletiva na quinta, o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, disse que municípios que tomarem atitudes como essa poderão responder por crime sanitário.

Claiton afirma que fará o chamado "isolamento humanitário", proibindo que trabalhem funcionários acima dos 60 anos e doentes crônicos, que são grupo de risco para a covid-19. Além disso, será regrada, segundo ele, a quantidade de clientes e atendentes no comércio de acordo com o tamanho do imóvel para evitar aglomerações. Outra medida prevista é a rotatividade nos funcionários que trabalham em cada dia. Naquele em que não trabalharem, a ideia é que façam testes para garantir que estão saudáveis. No entanto, o município conseguiu comprar apenas dois mil testes rápidos, o que o próprio prefeito admite que é pouco.

Leia mais
Confira o que o decreto estadual determina para cada atividade
Com base em determinação estadual, municípios vão revisar seus decretos

Os serviços também serão autorizados a funcionar, inclusive os que exigem contato direto com os clientes, desde que os atendentes usem equipamentos de proteção individual (EPIs), como máscara, luvas e em alguns casos avental. Já as indústrias terão de reduzir em 30% o número de funcionários e respeitar a distância mínima de um metro entre eles no caso de uso de EPIs ou de dois metros sem EPIs.

A fiscalização será feita por uma equipe de 20 profissionais, segundo o prefeito. Claiton defende que a medida tem o objetivo de garantir a saúde mental diante dos prejuízos psíquicos que o isolamento pode causar junto à preocupação com a questão financeira das famílias. 

Leia também
Visate terá linhas até as 22h em Caxias
Pela rede pública, 23 municípios da Serra Gaúcha já realizaram testes para covid-19
Pais lutam por descontos nas mensalidades das escolas particulares de Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros