Construção de nova sede para o Samae não é prioridade no momento, diz diretor-presidente da autarquia - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Sem prazo01/04/2020 | 12h21Atualizada em 01/04/2020 | 13h45

Construção de nova sede para o Samae não é prioridade no momento, diz diretor-presidente da autarquia

Ações serão voltadas principalmente para a ampliação da rede de água e esgoto

Construção de nova sede para o Samae não é prioridade no momento, diz diretor-presidente da autarquia André Fiedler/Gaúcha Serra
Foto: André Fiedler / Gaúcha Serra

A construção de uma nova sede para o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) de Caxias do Sul não é apontada como uma prioridade pela atual direção da autarquia e, por isso, não tem mais prazo para sair do papel. Após alguns adiamentos para a solução de questões burocráticas, a projeção mais recente era de que as obras pudessem começar neste ano.

Leia mais
Adiada novamente, construção da nova sede do Samae em Caxias deve ficar para 2020
Construção de nova sede do Samae, em Caxias, tem previsão de início em 2018

O novo prédio ficará na Rua Visconde de Pelotas com a Etore Pezzi, em um terreno que era utilizado como garagem para o maquinário da Secretaria Municipal de Obras. A área fica ao lado da agência do INSS. O projeto, que já está pronto, prevê dois prédios interligados. O administrativo terá 12 mil metros quadrados e acesso pela Rua Etore Pezzi, enquanto o operacional terá área de 2 mil metros quadrados e entrada pela Visconde. O custo estimado é de cerca de R$ 25 milhões.

Conforme o diretor-presidente do Samae, Idair Moschen, as próximas ações da autarquia irão priorizar o investimento na rede de água e esgoto, com construção de adutoras e estações de tratamento de água e esgoto. Entre as principais obras deste ano está a reforma e a ampliação da Estação de Tratamento de Água (ETA) Celeste Gobatto, no bairro Pioneiro. Apesar disso, a ideia da nova sede não está descartada, já que permitirá economizar com aluguéis. Somente a sede administrativa e central de atendimento na Rua Pinheiro Machado, por exemplo, têm custo total de cerca de R$ 2 milhões por ano em aluguel.

— Hoje está tudo espalhado. Não conheço indústria que trabalhe bem de forma desconexa. Queremos melhorar o serviço — defende.

Na semana passada, o Samae também declarou de utilidade pública uma outra área, de 5 mil metros quadrados, na Rua Visconde de Pelotas. O terreno é separado da área reservada para as novas construções apenas pela sede do INSS. No endereço funcionava a Vinícola Piagentini, mas atualmente o imóvel pertence ao Badesul, que o colocou à disposição do município. Caso o Samae avalie que a aquisição vale a pena, deve encaminhar um projeto de lei à Câmara de Vereadores autorizando a compra e, em seguida, efetivar a transação.

— A ideia é guardar peças para a expansão da rede. Já tivemos problemas graves no passado com desvio de material — afirma Moschen.

Leia também
"Nossa curva começou a subir e está tomando velocidade", relata infectologista do Tacchini
UCS e FSG dizem não ser impactadas com ampliação do período sem aulas presenciais
Alô, Caxias amplia instalações e equipe para atender demanda da comunidade

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros