Amadeu Zinani, o fotógrafo do bairro Rio Branco - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória08/04/2020 | 07h00Atualizada em 08/04/2020 | 07h00

Amadeu Zinani, o fotógrafo do bairro Rio Branco

Nascido na Terceira Légua de Caxias em 1912, ele atuou na região durante 41 anos

Amadeu Zinani, o fotógrafo do bairro Rio Branco Amadeu Zinani,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami/Divulgação
A Juventude Franciscana da Paróquia Imaculada Conceição em 1954 Foto: Amadeu Zinani,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação

Repassando a trajetória dos fotógrafos que registraram Caxias do Sul ao longo do século 20, pode-se dizer que vários deles ficaram marcados pela atuação em seus bairros e distritos de origem – eternizando o cotidiano dos moradores e vizinhos, cerimônias religiosas, batismos, aniversários, jogos de várzea, etc. Caso de Sisto Muner na vila de Galópolis, Fiorentino Cavalli em Santa Lúcia do Piaí, Valério Zattera em Conceição da Linha Feijó e Clemente Tomazoni em Lourdes. Já nas cercanias do bairro Rio Branco um dos nomes mais lembrados é o de Amadeu Zinani. 

Leia mais
Memória: o interior pelas lentes de Valério Zattera
Santa Lúcia do Piaí pelas lentes de Fiorentino Cavalli
Monumento ao Imigrante pelo Studio Tomazoni Caxias
No palco do Cine Operário de Galópolis em 1947

Conforme informações contidas no livro O Instante e o Tempo – A Fotografia em Caxias do Sul (1885-1960), lançado em 2016, Amadeu Zinani nasceu em 27 de maio de 1912, na Terceira Légua de Caxias, onde atuou na ferraria da família até casar, em 1934. A união com a vizinha e amiga de infância Leonilda Lorenzoni motivou a mudança do casal para Erechim, onde o jovem de 22 anos passou a trabalhar na fábrica de esquadrias do senhor José Madalosso. O aprendizado atrás das câmeras, porém, deu-se após o reencontro com o fotógrafo itinerante Antenor Dal Bosco, também da Terceira Légua.

Munido inicialmente de uma máquina tipo caixão com fole, Zinani atuou em Erechim como fotógrafo de estúdio e itinerante por três anos. Após passagens pelo povoado de Barra do Rio Azul e por Barão de Cotegipe, onde permaneceu por 13 anos, o fotógrafo e a esposa optam por retornar a Caxias em 1950 - muito em função da educação dos filhos Orfeu, Danilo e Claire. É quando surge o estúdio situado junto à casa da família, na Av. Rio Branco, 668, no breve trecho entre as ruas Tronca e Olavo Bilac. 

Aniversário de Maria Tomazoni na Terceira Légua em 1956.<!-- NICAID(14471371) -->
Aniversário de Maria Tomazoni na Terceira Légua em 1956Foto: Amadeu Zinani,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação
Ivone e Lourdes Guerra com Claire Zinani em 1965<!-- NICAID(14471374) -->
Ivone e Lourdes Guerra com Claire Zinani em 1965Foto: Amadeu Zinani,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação

O ateliê

Texto reproduzido do livro O Instante e o Tempo – A Fotografia em Caxias do Sul (1885-1960) destacou o estúdio:

"O ateliê era amplo, porém singelo. Integravam a sala de poses um telão neutro, o genuflexório destinado aos ritos religiosos, cadeiras, móveis ornados com guardanapos de crochê e vasos com flores colhidas no próprio quintal. O ambiente era ajustado conforme a cerimônia: primeira comunhão, noivos, formaturas, 15 anos".

Leonilda Lorenzoni e Amadeu Zanini com o afilhado Dagoberto Santiago em 1955.<!-- NICAID(14471372) -->
Leonilda Lorenzoni e Amadeu Zinani com o afilhado Dagoberto Santiago em 1955Foto: Amadeu Zinani,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação
Claire Zinani (sentada) e Clari Lorenzoni em 1955.<!-- NICAID(14471385) -->
Claire Zinani (sentada) e Clari Lorenzoni em 1955Foto: Amadeu Zinani,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação

Década de 1970

O fotógrafo Amadeu Zinani atuou durante 41 anos, até por volta de 1975, sempre com a mesma câmera e com chapas de vidro. Exceto os 28 negativos doados ao Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami pelo próprio fotógrafo, os demais foram reutilizados para compor porta-retratos e vidraças de janelas.

Já aposentado, ele desfrutou do convívio da família e dos amigos, com quem gostava de tocar bandoneon e jogar quatrilho. Amadeu Zinani faleceu em 2002, aos 90 anos.

Primeira comunhão na Paróquia Imaculada Conceição em 1955.<!-- NICAID(14471386) -->
Primeira comunhão na Paróquia Imaculada Conceição em 1955Foto: Amadeu Zinani,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação
A primeira comunhão de Vanderleia Aver em 1966.<!-- NICAID(14471375) -->
A primeira comunhão de Vanderleia Aver em 1966Foto: Amadeu Zinani,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação
Valmor Aver na primeira comunhão em 1955.<!-- NICAID(14471373) -->
Valmor Aver na primeira comunhão em 1953Foto: Amadeu Zinani,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação

Parceria

Parte das informações desta coluna integra o perfil de Amadeu Zinani contido na publicação O Instante e o Tempo – A Fotografia em Caxias do Sul (1885-1960). O álbum foi lançado pelo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami em 2016 e traz as biografias de 25 profissionais da área. A pesquisa e os textos couberam às servidoras municipais Sônia Storchi Fries, Susana Storchi e Elenira Prux.

O fotógrafo Amadeu Zinani.<!-- NICAID(14471368) -->
O fotógrafo Amadeu ZinaniFoto: Amadeu Zinani,Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação

Leia também
Gasolina está mais barata em Caxias do Sul, mas queda no consumo chega a 70%
Bancos de Caxias registram filas na semana de pagamento; distância mínima não é respeitada por clientes

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros