Saiba em que casos são feitos exames para diagnosticar covid-19 em Caxias - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Coronavírus 27/03/2020 | 15h58Atualizada em 27/03/2020 | 16h47

Saiba em que casos são feitos exames para diagnosticar covid-19 em Caxias

Recomendação é que apenas pacientes internados com sintomas respiratórios graves tenham material coletado

Saiba em que casos são feitos exames para diagnosticar covid-19 em Caxias Lucas Amorelli/Agencia RBS
Hospital Virvi Ramos tem uma estrutura pensada para receber novos casos Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Um dos desafios impostos pela pandemia do coronavírus é encontrar formas de desacelerar a disseminação da doença para que o número de casos se espalhe ao longo do tempo, ao invés de aumentar em picos. O fato comprometeria o sistema de saúde de grande parte dos municípios brasileiros, incluindo Caxias do Sul.

Em dois dias desta semana (terça e quarta-feira), não houve a confirmação por parte do município de novos infectados. No entanto, isso ocorre por dois motivos: primeiro, apenas os pacientes internados com sintomas graves, que indicam a possibilidade de infecção, são testados; além disso, os exames que foram coletados levam cerca de sete a dez dias para ter o diagnóstico confirmado pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) do Rio Grande do Sul.

Leia mais
Hospital de Farroupilha arrecada mais de R$ 1 milhão para ampliação de UTI
População ignora riscos de contágio e o movimento aumenta nas ruas de Caxias do Sul

A médica infectologista Lessandra Michelim Rodriguez Nunes Vieira, que integra a diretoria da Sociedade Brasileira de Infectologia e é professora da Universidade de Caxias do Sul (UCS), ressalta que, se os resultados dos exames saírem juntos, pode ocorrer um aumento súbito no número de casos:

—  Há muitos exames em andamento. Então, o fato de não ter a confirmação de doença não significa que ela não esteja acontecendo, e sim que os exames ainda não estão prontos. Temos que ter a consciência de que podemos ter o vírus circulando pela cidade. O cenário atual mostra que a evolução dos casos está sendo lenta, mas sabemos que isso também se deve porque o clima atual na Serra é favorável para que não tenha tanta infecção respiratória. Quando o clima mudar a partir da segunda quinzena de abril, nós teremos mais procura com quadros respiratórios e o número de pacientes infectados deve aumentar. Estamos esperando o aumento do número de casos em abril e maio — explica Lessandra.

Até o final da quinta-feira (26), 112 exames foram coletados em Caxias e encaminhados ao Lacen ou para laboratórios particulares. Desses, 11 casos foram confirmados na cidade, 51 aguardam resultado e 50 foram descartados.

— A recomendação do Ministério da Saúde, desde o último dia 22 de março, é que apenas os pacientes com suspeita de covid-19, que estão em internação hospitalar, tenham exames coletados. São casos de pacientes com síndrome respiratória aguda grave, na qual o principal sintoma é a falta de ar. No caso de médicos, enfermeiros e profissionais da saúde com a síndrome gripal, que é febre acima de 37.8, acompanhada de dor de garganta e tosse, a orientação também é testar — explica a médica infectologista Andréa Dal Bó, diretora das vigilâncias em Saúde do município.

Nos casos considerados leves, de pessoas que apresentem sintomas gripais, a recomendação é permanecer em isolamento domiciliar por 14 dias.

Os testes na rede privada

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 09/03/2020- Exames Coronavirus.Equipe do Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Sul (Lacen). Funcionamento dos kit para testes do coronavírus.(FOTOGRAFO: LAURO ALVES / AGENCIA RBS)<!-- NICAID(14445447) -->
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

A medida de testar apenas pacientes graves foi tomada pelo governo federal após a confirmação do primeiro caso de transmissão comunitária no país, quando já não é possível identificar a origem da contaminação. A medida é necessária para garantir que os pacientes que realmente precisam da confirmação, por ter um quadro mais grave, sejam diagnosticados o mais breve possível.

De acordo com a Agência Nacional da Saúde (ANS), a cobertura do exame específico pelos planos de saúde é obrigatória apenas em casos classificados como suspeitos ou prováveis de doença pela covid-19. No entanto, há o agravamento da situação e a impossibilidade de ampla testagem populacional.

A  infectologista do Hospital do Círculo, Giorgia Torresini, explica que o número de testes é escasso também na rede privada, e, por isso, é necessário respeitar a orientação do Ministério da Saúde. O exame particular custa em torno de R$ 250, mas há critérios para que os médicos solicitem a coleta.

— Os exames são coletados em casos dos pacientes com síndrome respiratória aguda grave. Esse paciente tem febre, tosse que pode estar acompanhada de dor de garganta, mas principalmente, dificuldade para respirar. O gatilho principal é a falta de ar. Nesses casos eles têm que ser testados — diz Giorgia.

Diretor técnico do Hospital da Unimed, o médico Vinícius Lain explica que é preciso seguir a orientação para que não faltem testes conforme o avanço da epidemia:

—  Seguimos a regra de testes do Ministério da Saúde porque haverá um momento que não haverá mais insumos para os testes, então estamos usando para pacientes internados e profissionais de saúde com sintomas. Essa medida é necessária para garantir os exames aos quadros mais severos.

A diretora executiva de Saúde e Educação da Associação Cultural e Científica Virvi Ramos, Cleciane Doncatto Simsen, ressalta que o hospital também segue na mesma linha: 

— O novo protocolo do Ministério da Saúde determina que só será feito exame no paciente que for internado, que são aqueles que tem febre e problema respiratório grave. Nos demais caso, a orientação é o isolamento domiciliar.

Leia também
Conforto de casa, mas com disciplina de escritório: o que evitar para não baixar a produtividade em seu home office
Alternativa para muitos durante a pandemia, confira dicas para ter um home office mais produtivo

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros