Hospitais de campanha custarão R$ 1,4 milhão por mês em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Covid-1930/03/2020 | 08h30Atualizada em 30/03/2020 | 08h30

Hospitais de campanha custarão R$ 1,4 milhão por mês em Caxias do Sul

O primeiro deles deve estar equipado e apto para operar até a segunda semana de abril numa ala do Virvi Ramos, no bairro Madureira

Hospitais de campanha custarão R$ 1,4 milhão por mês em Caxias do Sul Antonio Valiente/Agencia RBS
Serão 49 leitos de internação clínica, mas não haverá oferta de UTI no Virvi Ramos Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

O município não tem avaliação de quanto dinheiro será necessário para enfrentar os efeitos da pandemia. O primeiro hospital de campanha, que atenderá numa ala do Virvi Ramos, custará R$ 700 mil mensais com projeção de permanecer em atividade por três meses, segundo o secretário municipal de Gestão e Finanças, Paulo Dahmer. O segundo hospital, que está previsto para ser anunciado ainda nesta semana, terá o mesmo custo. Somados, consumiriam R$ 1,4 milhão por mês. Na semana passada, o governo federal confirmou o repasse de R$ 1,5 milhão para ajudar Caxias. Os valores serão destinados para clínicas de triagem, exames e procedimentos ambulatoriais e hospitalares referentes a pandemia de coronavírus. Além disso, os recursos podem ser utilizados para aquisição de equipamentos de proteção individual, insumos e contratação de profissionais. Apesar de válida, a ajuda federal é pouca.

– O custo da contratação dos hospitais de campanha é apenas para os insumos e mão de obra. No caso dos equipamentos, vamos usar o que a prefeitura tem, outros serão comprados com recursos próprios e também com a ajuda que a CIC está viabilizando (por meio da campanha Caxias contra Covid 19) .

Dahmer também chama a atenção para o gasto com uma UTI. A diária é R$ 2,8 mil. Se houvesse 50 vagas disponíveis com ocupação diária no período de quatro meses, o gasto passaria de R$ 16 milhões.

– O dinheiro é muito pouco, essa situação levará ao endividamento dos municípios de grande e médio porte. Vamos depender das decisões do governo federal, além de não ter arrecadação. Uma solução seria a suspensão dos pagamentos de empréstimos federais e redirecionaria o valor para o combate ao coronavírus – exemplifica Dahmer que, num cálculo simples, estima seria possível ter outros R$ 2,5 milhões a mais caso houve uma moratória.

Virvi Ramos pretende abrir unidade até metade de abril 

O primeiro hospital de campanha deve estar equipado e apto para operar até a segunda semana de abril numa ala do Virvi Ramos, no bairro Madureira. Essa é a projeção da diretora executiva da Associação Cultural e Científica Virvi Ramos, Cleciane Doncatto Simsen. Será o primeiro reforço do SUS no combate à pandemia. Serão 49 leitos de internação clínica, mas não haverá oferta de UTI. O Virvi já havia sido uma alternativa extra na epidemia da Gripe A, em 2009.

– Hoje, essa ala atende saúde mental, não é focada para internação hospitalar. Estamos remanejando parte dos pacientes da ala para a unidade do São Ciro. No passado trabalhamos lá com a Gripe A, mas não funcionou direito porque não tinha como fazer exames – lembra Cleciane.

O desafio do hospital de campanha envolve justamente a paralisação de atividades não essenciais. A instituição precisa dos insumos para instalar a rede de oxigênio e tem encontrado dificuldade para negociar com os fornecedores que estão parados ou com equipes reduzidas.

– A equipe técnica está em fase de contratação, mas a escala médica já está fechada.  São leitos de casos leves e moderadores – detalha a diretora executiva.

Leia também
O isolameno na periferia de Caxias do Sul
"Queria pedir para todo mundo se cuidar", diz diretor técnico do Hospital da Unimed Caxias que contraiu coronavírus

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros