Empresa estatal fará estudo do modelo de concessão do aeroporto de Vila Oliva, em Caxias - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Investimento privado28/03/2020 | 13h43Atualizada em 28/03/2020 | 13h44

Empresa estatal fará estudo do modelo de concessão do aeroporto de Vila Oliva, em Caxias

Representantes da Empresa de Planejamento e Logística (EPL) estiveram na cidade conhecendo o projeto

Empresa estatal fará estudo do modelo de concessão do aeroporto de Vila Oliva, em Caxias Seplan/Divulgação
Foto: Seplan / Divulgação

Os estudos que vão definir o modelo de concessão do aeroporto de Vila Oliva, em Caxias do Sul, serão conduzidos por técnicos da Empresa de Planejamento e Logística (EPL). A companhia pertence ao governo federal e atua na área de pesquisa e projetos para investimentos em infraestrutura.

Leia mais
Desapropriação da área do aeroporto de Vila Oliva, em Caxias, se aproxima do desfecho
Lei que autoriza empréstimo para desapropriação de área do aeroporto de Vila Oliva entra em vigor
Prefeitura de Caxias confirma que vai pagar as desapropriações do Aeroporto Regional da Serra Gaúcha

No último dia 12, o diretor-presidente da estatal, Arthur Lima, esteve em Caxias do Sul reunido com o prefeito Flavio Cassina (PTB) e integrantes da administração responsáveis pelos trâmites do aeroporto. No encontro, o município apresentou o projeto e entregou dados necessários para o levantamento.

Conforme o vice-prefeito e secretário de Planejamento, Edio Elói Frizzo (PSB), o estudo vai levar em conta o terminal e também as vias de acesso, tanto a partir do centro de Caxias, quanto a partir de Gramado. Entre os cenários possíveis, por exemplo, estão uma única concessão, que incluiria aeroporto e rodovias, ou concessões separadas. A ideia é também conceder os acessos devido à dificuldade de obter recursos públicos para todo o projeto.

— Não estamos apostando que o Estado tenha condições de aportar recursos nas estradas, especialmente entre Vila Oliva e Gramado, que precisa de muito investimento — explica Frizzo.

A ligação entre o aeroporto e o principal destino turístico da região depende da construção de uma nova ponte e de modificações de traçado em relação à estrada atual. A ideia é manter a via sobre o topo da serra, para que não seja necessário contornar as montanhas. A decisão a respeito do modelo de concessão a ser adotado será tomada pelo grupo que debate a questão no município, composto pela prefeitura e entidades como MobiCaxias.

Ainda segundo Frizzo, também será avaliado se a concessionária receberá o aeroporto pronto ou terá que investir na construção. O governo federal já reservou R$ 200 milhões para a obra.

— A ideia sempre foi não perder os recursos disponíveis. Como se trata de aeroporto regional, a responsabilidade deve passar para o governo do Estado, que vai definir se vai conceder depois ou não. A outorga (autorização de exploração) não deve ficar com Caxias. Nem queremos — destaca.

O município planeja para o fim de abril uma audiência pública para debater a construção do aeroporto. Para isso, aguarda a finalização da Licença Ambiental Prévia pelo governo do Estado. Conforme Frizzo, o cronograma pode sofrer alterações por conta das paralisações devido à pandemia de coronavírus.

Apesar disso, o município segue com a intenção de concluir até o fim do ano o projeto executivo, a definição da modelagem e as desapropriações do terreno. O empréstimo de R$ 30 milhões, cuja parte será utilizada para o pagamento dos terrenos, ainda aguarda aprovação da Caixa Econômica Federal em Brasília.

Leia também
Vinho será transformado em álcool em Bento Gonçalves

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros