Alunos da Arnaldo Ballvê, em Caxias, iniciam aulas no Cristóvão nos dias 24 e 26 de fevereiro - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Escola em reforma13/02/2020 | 16h30Atualizada em 13/02/2020 | 17h24

Alunos da Arnaldo Ballvê, em Caxias, iniciam aulas no Cristóvão nos dias 24 e 26 de fevereiro

Calendário foi definido em reunião da Smed com pais dos estudantes

Alunos da Arnaldo Ballvê, em Caxias, iniciam aulas no Cristóvão nos dias 24 e 26 de fevereiro Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Os cerca de 600 estudantes da Escola Municipal de Ensino Fundamental Arnaldo Ballvê, em Caxias do Sul, terão dois calendários de reinício do ano letivo. Neste primeiro semestre, os alunos frequentarão o Bloco A do Instituto Estadual Cristóvão de Mendoza, no bairro Cinquentenário, que foi cedido porque o prédio da Ballvê está passando por reformas. Por esse motivo, a maioria dos estudantes da Ballvê volta às aulas somente no dia 24 de fevereiro porque os espaços no Cristóvão estão passando por readequações. Já os alunos do 1º ano da escola serão recebidos no dia 26 para passarem por um procedimento diferenciado de adaptação. O restante da rede municipal e parte da estadual retornam antes, no dia 19. 

A definição saiu da reunião nesta quinta-feira entre a Secretaria Municipal da Educação (Smed), equipe da Ballvê e pais dos alunos, entre outros. O encontro também serviu para definir detalhes de logística, como o funcionamento do transporte dos estudantes até o Cristóvão. Um grupo de pais acompanhará e ajudará a organizar o embarque dos estudantes.

Leia mais
Prédio do Instituto Cristóvão de Mendoza receberá estudantes da Escola Arnaldo Ballvê
Pais de alunos do Arnaldo Ballvê não querem transferência dos filhos para o Cristóvão, em Caxias
Alunos da Arnaldo Ballvê, em Caxias, iniciam ano letivo no Cristóvão

As obras na Ballvê, que previam a troca de telhado e piso, além da obtenção do alvará do Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndios (PPCI), iniciaram em agosto de 2019, ainda na gestão do prefeito cassado Daniel Guerra (Republicanos), com prazo inicial de seis meses para a conclusão e investimento de R$ 1,1 milhão. No entanto, uma vistoria da Smed no início de 2020 constatou a necessidade de reformas nas paredes do prédio. A obra deve estar concluída em quatro meses.

A ex-secretária da Educação, Marina Mattielo, contesta a vistoria. Segundo ela, o problema já havia sido detectado em novembro de 2019, o que já indicava o adiamento da conclusão da obra. Contudo, como a gestão municipal mudou, o assunto ficou pendente.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros