Mato invade canteiros de rodovias de acesso a Caxias - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Infraestrutura24/01/2020 | 20h04

Mato invade canteiros de rodovias de acesso a Caxias

Falta de manutenção na RS-122 e BR-116 representa perigo extra aos motoristas 

Mato invade canteiros de rodovias de acesso a Caxias Porthus Junior/Agencia RBS
Quem entra ou sai de Caxias do Sul a oeste se depara com matagal no canteiro central da RS-122 Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A falta de manutenção básica na RS-122 e BR-116, principais rodovias de acesso e saída de Caxias do Sul, tem feito com que motoristas precisem redobrar a atenção. O principal problema constatado fica por conta da falta de roçada. Assim, a vegetação toma conta de canteiros e, em muitos casos, dificulta a visão dos condutores. Em alguns casos, placas de sinalização também ficam encobertas pelo matagal.

O caso mais grave está concentrado à oeste da cidade, para quem vem de Farroupilha ou sai de Caxias pela RS-122. No trecho, não são poucos os pontos em que o mato no canteiro central encobre as placas de sinalização. Fazer manobras de retorno também se torna uma grande aventura aos motoristas que por ali transitam.

Conforme o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), ainda não há uma previsão para que ocorra a roçada no trecho. No entanto, a autarquia garante que, com a abertura do orçamento do Estado em 2020, os serviços de conservação e manutenção já estão programados, e que haverá prioridade à RS-122. Os trabalhos também devem envolver, conforme o Daer, manutenções em pontos críticos do pavimento — há uma grande quantidade de buracos na chegada a Farroupilha, por exemplo.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 24/01/2019. Blitz do Pioneiro para verificar condições das principais entradas da cidade. Na foto, BR-116, no acesso ao bairro Planalto. Mato no canteiro central. (Porthus Junior/Agência )
Vegetação também tomou conta do canteiro nas proximidades do acesso ao bairro PlanaltoFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

Na BR-116, apesar de a situação ser um pouco menos preocupante, também existem pontos críticos, principalmente no perímetro urbano. O acesso ao bairro Planalto, no sentido de quem vem da Universidade de Caxias do Sul (UCS), é um exemplo. O movimento de veículos no recuo para entrar no bairro costuma ser intenso, principalmente em horários de pico. Por isso, além da atenção ao fazer a conversão, o motorista precisa ficar de olhos bem abertos para tentar enxergar em meio à vegetação alta que se formou por ali. Outros problemas também são encontrados até o bairro Ana Rech.

Conforme o chefe da unidade local do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Daniel Bencke, as manutenções estiveram paradas nos últimos seis meses em razão de terem ocorrido problemas nos contratos de licitação. Solucionada a questão, agora ele pretende "colocar a casa ordem" no trecho de sua responsabilidade — cerca de 100 quilômetros, entre Campestre da Serra e Nova Petrópolis — em três meses.

— Estamos com a empresa que nos presta serviço em fase de mobilização. Temos problemas em vários pontos, como no acesso a Nova Petrópolis. Por isso, como o trecho é relativamente longo, pretendemos resolver pelo menos a situação da roçada, até o final de março — aposta. — Posteriormente, vamos atacar também em outras melhorias, como drenagem, pavimentação e sinalização.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 24/01/2019. Blitz do Pioneiro para verificar condições das principais entradas da cidade. Na foto, RS-122 na rótula com a RSC-453. A poda foi realizada e rodovia está em boas condições. (Porthus Junior/Agência )
Mantido pela prefeitura, trecho urbano da RS-122, para quem chega pelo norte, está em bom estado Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

O exemplo positivo está no acesso norte, pela RS-122. Para quem chega de Flores da Cunha ou sai de Caxias do Sul vê canteiros bem aparados e em bom estado de conservação. A explicação pode estar no fato de a prefeitura ter assumido a manutenção por ali. O que, futuramente, também pode ocorrer nos demais acessos e perímetro urbano das vias estaduais e federais. Conforme o diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento de Caxias (Codeca), Nestor Basso, algumas conversas foram iniciadas para se discutir o assunto:

— Mas é algo ainda muito embrionário. Não avançamos em nada, na verdade. Lógico que não faríamos de graça, dependeríamos dos recursos do Estado e do Governo Federal. Mas poderia ser uma boa solução e também uma valorização para a Codeca.

 Leia também
Nordeste Gaúcho contabilizou 199 homicídios em 2019
Pela quinta vez, dono de bar é autuado por exploração de jogos de azar em Gramado
Dois arremessos são interceptados em menos de 24 horas na Penitenciária de Bento Gonçalves 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros