Mais de 65% dos municípios da Serra estão infestados pelo mosquito da dengue - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Saúde 14/01/2020 | 12h31Atualizada em 14/01/2020 | 12h37

Mais de 65% dos municípios da Serra estão infestados pelo mosquito da dengue

Número aumentou em relação a março de 2019 quando cerca de 40% das cidades estava em situação de alerta

Mais de 65% dos municípios da Serra estão infestados pelo mosquito da dengue Salmo Duarte/Agencia RBS
Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS

Das 98 cidades do Rio Grande do Sul em situação de alerta ou de alto risco de transmissão da dengue, chikungunya e zika, 32 ficam na área da 5ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), com sede em Caxias. Na Serra, 65% das cidades estão em alerta ou tem alto risco de transmissão. A lista aumentou em relação a março do ano passado quando cerca de 40% dos municípios estavam infestados. 

Leia mais
Caxias e Bento já registram mais do que o dobro de focos do mosquito Aedes Aegypti 
Número de focos do Aedes aegypti encontrados em Caxias em 2019 já é igual ao de todo o ano passado
Quase 40% dos municípios da Serra estão infestados pelo mosquito da dengue 

Segundo a Vigilância Ambiental da 5ª CRS, a classificação é usada quando um larva é encontrada em determinado ponto da cidade, como uma armadilha ou um local chamado de alto risco, e os agentes de combate a endemias localizam mais larvas em um raio de 150 metros.

Quando o município é considerado infestado aumenta o número de agentes na visita aos imóveis para acompanhar de perto a situação e verificar como está a reprodução do mosquito. O objetivo é prevenir as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Para sair da condição de infestado, o município tem que ficar um ano sem que as equipes encontrem larvas. Esse processo é difícil. Por isso, depois de ingressar na lista, as cidades costumam permanecer nela.

Os números são um alerta principalmente durante o verão, já que a proliferação do mosquito aumenta em virtude das temperaturas mais altas. O principal cuidado deve ser em relação a locais com água parada, que é onde o Aedes deposita os ovos.

A água parada é a maior preocupação para a reprodução do mosquito: basta uma pequena quantidade para que a fêmea consiga colocar os ovos e se reproduzir.  Outro fator que preocupa o poder público é que o mosquito tem se adaptado ao ambiente.  Se antes ele se reproduzia apenas em água limpa, hoje a situação mudou, e têm sido encontrados focos também em água suja.

Municípios infestados

Antônio Prado, Barão, Bento Gonçalves, Bom Princípio, Canela, Carlos Barbosa, Casca, Caxias do Sul, Dois Lajeados, Farroupilha, Feliz, Garibaldi, Gramado, Guaporé, Ibiraiaras, Lagoa Vermelha, Montauri, Nova Araçá, Nova Bassano, Nova Petrópolis, Nova Prata, Paraí, São Francisco de Paula, São Jorge, São Marcos, São Sebastião do Caí, São Valentim do Sul, Serafina Corrêa, Tupandi, Vacaria, Veranópolis e Vila Flores.

Dicas para evitar o surgimento de larvas e combater o mosquito:

Limpar com escovação semanal o recipiente de água dos animais domésticos.
Recolher o lixo do pátio.
Colocar o lixo ensacado para ser recolhido pela Codeca.
Recolher pneus e armazená-los em locais secos e protegidos da chuva ou encaminhar ao Ecoponto da Codeca (tem custo de R$ 1,65 por pneu, para o morador que entregar o pneu seco).
Tampar caixas d'água.
Colocar telas milimétricas em caixas d'água descobertas, reservatórios de captação de água da chuva e nos ralos.
Limpar as calhas.
Semanalmente, lavar e escovar piscinas plásticas, trocando a água.
Eliminar os pratinhos das plantas.

Leia também
Em falta há mais de um mês, vacina pentavalente chega aos postos de saúde de Caxias
Região de Caxias tem três delegados em vias de se aposentar e plantões precisam de mais profissionais
Obra provoca falta de água para maioria dos moradores de Farroupilha



 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros