"Ele era como um filho pra mim", diz chefe de motociclista morto em acidente na BR-116, em Vacaria - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Luto06/01/2020 | 17h55Atualizada em 06/01/2020 | 18h18

"Ele era como um filho pra mim", diz chefe de motociclista morto em acidente na BR-116, em Vacaria

Luiz Henrique Barbosa, 24 anos, sofreu colisão a 300 metros da casa do irmão que estava indo visitar. Namorada segue em estado grave

"Ele era como um filho pra mim", diz chefe de motociclista morto em acidente na BR-116, em Vacaria Reprodução / Facebook/Facebook
Foto: Reprodução / Facebook / Facebook

Pilotar motocicleta era uma das grandes paixões de Luiz Henrique Barbosa, 24 anos, que morreu na tarde de domingo (5) após uma colisão na BR-116, em Vacaria. O acidente registrado por volta das 16h ocorreu a 300 metros de distância da casa do irmão que Barbosa estava indo visitar, no bairro São João.

Leia mais
Motociclista morre em acidente na BR-116, em Vacaria

Conhecido como Guigão, o jovem morava e trabalhava no bairro Nossa Senhora de Fátima, em Caxias do Sul. Seu corpo será velado na capela do bairro até às 21h desta segunda-feira (6) e posteriormente será transladado para Vacaria, onde o velório segue durante a madrugada e manhã de terça-feira (7), com sepultamento marcado para às 10h30min, no Cemitério Santa Clara.

— Ele era como um filho pra mim. Trabalhava aqui há 13 anos, ensinei e paguei cursos pra ele e virou meu braço direito. Estou para me aposentar em fevereiro e ia deixar a oficina pra ele — conta Jorge Antônio Carvalho, o Toni, proprietário da autoelétrica onde Barbosa trabalhava.

— Era muito tranquilo, chegava rindo e saia rindo, e tudo o que eu pedia ele fazia, era coração mesmo — lembra o chefe, desolado com a morte do jovem que viu crescer.

Segundo Toni, andar de moto era uma das atividades preferidas de Barbosa aos finais de semana, tanto que no último domingo ele teria saído de casa - para visitar o irmão e outros familiares que moram em Vacaria - dirigindo um Fusca que tinha e acabou retornando para pegar a motocicleta.

— Ele tinha nos telefonado perto das duas horas da tarde pra saber como estava o tempo — relata a cunhada, Morgana Siqueira, que mora com o irmão de Barbosa em Vacaria.

Ela lembra que frequentemente ele visitava os familiares na cidade e, desta vez, acabou sofrendo o acidente faltando poucos metros para chegar.

— Quando dava na telha ele vinha. Morava sozinho e tem irmãos em Caxias, mas ele gostava de vir "dar um rolê", como dizia. Estava sempre com uma aparência impecável, "cabelinho na régua", e sempre ajudando quem precisasse. Esse guri vai fazer falta — lamenta a cunhada.

Além dos pais e dos nove irmãos — de sangue e de criação —, Barbosa deixa um filho de um ano e nove meses e uma filha de um ano e sete meses.

Namorada em estado grave

Às 17h40min desta segunda-feira, Caroline Azevedo, namorada de Barbosa que tripulava a motocicleta pilotada por ele, ainda encontrava-se internada no Hospital Nossa Senhora da Oliveira, de Vacaria, em estado grave. Segundo familiares, ela sofreu fraturas no braço direito e na perna direita.

Leia também
Comando Rodoviário flagra quase 200 infrações de trânsito por dia na Rota do Sol

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros