Rodovias congestionadas e lojas esvaziadas: os reflexos de um mês de bloqueio na RS-122, em Farroupilha - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Transtornos04/12/2019 | 06h00Atualizada em 04/12/2019 | 06h00

Rodovias congestionadas e lojas esvaziadas: os reflexos de um mês de bloqueio na RS-122, em Farroupilha

Turismo e transportes são os setores mais afetados na região 

Rodovias congestionadas e lojas esvaziadas: os reflexos de um mês de bloqueio na RS-122, em Farroupilha Lucas Amorelli/Agencia RBS
Centro de Compras Farroupilha registra forte queda no movimento desde o início do bloqueio Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Rodovias congestionadas, turismo enfraquecido e custos elevados na logística são os principais reflexos do bloqueio da RS-122, em Farroupilha, que completa um mês nesta quarta-feira (4) sem perspectiva de liberação. O longo tempo de interdição é tão surpreendente que as entidades empresariais e prefeituras da região sequer imaginavam que seria necessário fazer uma projeção de prejuízos, pois havia esperança de que o problema seria sanado em breve. Agora, a conta começa a aparecer. A frustração é geral e a prefeitura de Farroupilha entende que apoio do Exército é fundamental auxiliar nos trabalhos de restauração do tráfego. 

— Não paramos para calcular os gastos extras porque era um assunto para ser resolvido em duas semanas e não aconteceu — resume Octavino Pivoto, presidente do Sindicato das Empresas de Veículos de Carga de Caxias do Sul (Sivecarga).

Leia mais
Perfurações em encosta da RS-122, em Farroupilha, podem ser concluídas nesta terça
VÍDEO: Confira imagens aéreas do local da queda de barreira na ERS-122
Liberação total da RS-122, em Farroupilha, deve ficar para o ano que vem
Liberação da ERS-122 vai custar R$ 2 milhões, diz secretário Juvir Costella

Num efeito cascata, o bloqueio do Km 43 da RS-122 afeta especialmente Farroupilha, que depende da estrada para receber turistas da Região Metropolitana. O resultado é lojas esvaziadas. Na sequência, é Caxias do Sul quem enfrenta grande dificuldade para escoar a produção industrial e o transporte de passageiros. Para chegar até a Capital, depende-se totalmente da perigosa BR-116, via Galópolis e Vila Cristina, e das pistas simples da RS-452, via Feliz. Cidades como Flores da Cunha e Antônio Prado também acabam sendo incluídas na rota do problema.

Segundo estimativa da Polícia Rodoviária Estadual, cerca de 14 mil veículos circulavam todos os dias no trecho bloqueado da RS-122, fluxo que está sendo em parte desviado para as precárias RS-446, em Carlos Barbosa, e VRS-813, entre Farroupilha e Garibaldi. Em Caxias do Sul, o peso é sentido sobretudo na BR-116, que registra um tráfego 15% maior, conforme percepção do chefe da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Caxias, Lucas Martins. Nos horários de pico, a fila é grande e exige paciência e cuidados redobrados na ida ou na volta.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 03/12/2019. Movimento na ERS-452, km 27, pouco depois da ponte sobre o Arroio Belo, próximo ao entroncamento com a BR-116, em Vila Cristina. Um mês depois do desmoronamento e bloqueio do Km 43 da RS-122, em Farroupilha, movimento aumentou nas rotas alternativas para a capital. (Porthus Junior/Agência RBS)
Com bloqueio da RS-122, em Farroupilha, RS-452, entre Caxias e Feliz, registra lentidão diáriaFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

O Sivecarga afirma que o tempo de deslocamento de Caxias do Sul a Porto Alegre, via BR-116, aumentou em torno de 30 minutos. Isso ocorre porque há congestionamento nos horários de pico e muitos caminhões disputam espaço com carros e ônibus. Em marcha lenta na subida ou na descida, os veículos acabam segurando a velocidade e aumentando o tempo de rodagem, encarecendo o frete. Cerca de 60% dos 15 mil caminhões de transportadas usavam a R$-122, via Farroupilha, sem contar os caminhoneiros autônomos.

— Há congestionamento e aumenta o custo do combustível. Não tem como repassar o gasto extra com essa crise. O cliente não aceita, então as empresas estão absorvendo por enquanto — detalha Pivoto.

Nelson Ribeiro, gerente-geral do Expresso Caxiense diz que que a condição atual é de sofrimento. A empresa teve que refazer a rota dos ônibus e utilizar apenas a BR-116. Antes, a rodovia federal recebia três horários de ida a Porto Alegre e três horários de volta a Caxias. Agora, o Expresso agregou outros 25 horários originários da RS-122. É como se fosse 50 ônibus a mais na rodovia federal todos os dias. 

—  Até Porto Alegre levava duas horas e meia, agora são três horas, dependendo do horário. O gasto de combustível não é relevante, mas a qualidade decai, passamos a ter mais reclamações. O cliente precisa chegar, mas precisamos manter os cuidados na curvas, com o tráfego pesado. Como temos várias opções, ainda não houve necessidade de readequar horários, mas a orientação é que se alguém tem compromisso, que saia num horário antes — diz Ribeiro. 

Lojas esvaziadas

É visível o desânimo no comércio que depende de turistas. O Centro de Compras Farroupilha, um dos mais tradicionais da região, calcula queda acentuada nas vendas e no número de visitantes. Na tarde de terça-feira (3), não havia nenhum ônibus no estacionamento às margens da rodovia, um contraste com o fluxo anterior ao bloqueio da RS-122. Aos finais de semana, o centro recebia mais de 20 ônibus, agora a média é de oito e justamente no melhor período para o comércio.

— A gente tem que aproveitar o final do ano, mas muita gente deixou de vir e muito dinheiro deixou de circular aqui no mercado — constata Paulo Scariot, gestor administrativo do Centro de Compras. 

A lojista Adriana Settin estima queda de 50% nas vendas. Quando a reportagem esteve no local, os corredores estavam vazios. 

— Em dezembro, estaria no pico, foi bem ruim para nós. A gente ouve dizer que os clientes não querem vir. A volta por Carlos Barbosa ou Alto Feliz é muita grande, o pessoal já vem cansando, acaba que deixando e vai para outro lugar.

A loja da Tramontina, que fica no caminho da RS-122, registra uma queda acentuada no faturamento médio. O diretor comercial da empresa em Farroupilha, Darci Friebel, classifica a situação como uma tragédia. 

— É trágico porque o nosso principal público são pessoas do Vale do Caí, da grande Porto Alegre. Temos uma rodovia que leva a pontos turísticos. Nosso grande movimento é no final de semana. No primeiro final de semana, não houve impacto até porque os turistas já tinham reservas e agendamento. Mas foi se agravando e já registramos queda de 40% no faturamento sabendo que é uma época favorável — explica o executivo. 

Ele diz que a unidade tem 36 funcionários e havia um esquema de folgas durante a semana para que a equipe estivesse completa aos sábados e domingos para dar conta da demanda. No momento, o esvaziamento provoca ociosidade. 

— As rochas (no bloqueio) são grandes, mas demorar tanto tempo para desobstruir uma rodovia dessa importância? Deveriam fazer um mutirão — lamenta Friebel. 

Leia também
Lei sancionada pelo prefeito de Caxias veta grafite na maioria dos espaços previstos em projeto
Prefeitura de Caxias tem acordo para desapropriação com quatro donos de terrenos em área do novo aeroporto
Concessões dos Aparados da Serra e Serra Geral, em Cambará, são prioridade do governo federal

ão prioridade do governo federal

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros