Lagoa Vermelha deve decretar nova situação de emergência nesta quinta-feira - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Mau tempo07/11/2019 | 10h31Atualizada em 07/11/2019 | 17h31

Lagoa Vermelha deve decretar nova situação de emergência nesta quinta-feira

Decreto pode garantir recursos para atender as famílias que tiveram casas destelhadas no vendaval do último dia 31

Lagoa Vermelha deve decretar nova situação de emergência nesta quinta-feira Luciano Andrade / Divulgação/Divulgação
Foto: Luciano Andrade / Divulgação / Divulgação

 A semana chuvosa nos Campos de Cima da Serra tem dificultado a tentativa de centenas de moradores de Lagoa Vermelha de retomar a rotina. Após ser atingida por forte granizo em 17 de outubro, a cidade foi novamente prejudicada pelo mau tempo na madrugada do último dia 31, quando um vendaval com rajadas de até 130 km/h atingiu o município.

Leia mais
"Vi minha casa indo embora", relata atingido por vendaval em Lagoa Vermelha
Cem famílias já se cadastraram para receber ajuda em Lagoa Vermelha após prejuízos com vendaval  
Bombeiros distribuem lonas para moradores da Serra afetados por vendaval

Passada uma semana do temporal, a Defesa Civil de Lagoa Vermelha ainda trabalha para calcular o prejuízo na área urbana e rural do município. A expectativa do coordenador da Defesa Civil, Admílson Ferreira da Silva, era de que um novo decreto de emergência seria assinado ainda nesta quinta-feira (7).  Contudo, a medida só deve ser oficializada na sexta-feira (8).

De acordo com informações atualizadas da Defesa Civil, o vento causou danos graves em pelo menos 2 mil residências e 11 escolas. Duas igrejas e parte do hospital da cidade também ficaram destelhados. Segundo Silva, pelo menos 45 postes foram danificados, resultando em R$ 207 mil de prejuízo para a companhia de distribuição de energia elétrica.

A agricultura também foi lesada pelos eventos climáticos. Conforme Vilson Antônio Nadin, agrônomo da Emater, oito estufas de hortaliças foram destruídas pelo vendaval, acarretando prejuízo em torno de R$ 50 mil. Além disso, mil hectares trigo e aveia branca foram devastados, somando R$ 630 mil de prejuízo.

Até o momento, a Defesa Civil distribuiu cerca de 27,5 mil telhas e mais de 35 mil m2 de lona. A maior parte do material vem do estoque da prefeitura, com exceção de 2,5 mil telhas doadas pelo governo gaúcho e alguns rolos de lona vindos de Passo Fundo. Com o novo decreto de situação de emergência, a cidade espera receber novos recursos para atender as famílias que tiveram casas destelhadas.

Leia também
Governo do RS quer trocar dívidas na área da saúde por imóveis
10 empresas da Serra figuram entre as 100 maiores do RS

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros